domingo, março 22, 2020

Fernando Pessoa - em tempo de corona vírus...





"Contemplo o lago mudo
Que uma brisa estremece.
Não sei se penso em tudo
Ou se tudo me esquece.




O lago nada me diz,
Não sinto a brisa mexê-lo.
Não sei se sou feliz
Nem se desejo sê-lo.




Trêmulos vincos risonhos
Na água adormecida,
Por que fiz eu dos meus sonhos
A minha única vida? "

Fernando Pessoa



PS. Todas essas fotos foram feitas no Aquário de Atlanta , em 2007. Massimo era um bebê. O único critério para a escolha das fotos foi a imensa saudade de meu filho e de neto. 

sábado, março 21, 2020

Harari sobre Situação Atual : lucidez em belo texto.


Yuval Noah Harari: Na batalha contra o coronavírus, a humanidade carece de liderança

18/03/2020


Em artigo publicado na revista Time, no último domingo (15), o professor israelense Yuval Noah Harari – historiador, filósofo e autor dos best-sellers “Sapiens: uma breve história da humanidade” e “Homo Deus – Uma breve história do Amanhã” -, escreve sobre a pandemia do coronavírus que o mundo todo está enfrentando.

POR YUVAL NOAH HARARI
15 DE MARÇO DE 2020
Muitas pessoas culpam a globalização pela epidemia de coronavírus e dizem que a única maneira de evitar mais surtos desse tipo é desglobalizar o mundo. Construa muros, restrinja viagens, reduza o comércio. No entanto, embora a quarentena de curto prazo seja essencial para interromper as epidemias, o isolacionismo de longo prazo levará ao colapso econômico sem oferecer proteção real contra as doenças infecciosas. Exatamente o oposto, o verdadeiro antídoto para a epidemia não é a segregação, mas a cooperação.
As epidemias mataram milhões de pessoas muito antes da era atual da globalização. No século XIV, não havia aviões e navios de cruzeiro, e a Peste Negra se espalhou do leste da Ásia para a Europa Ocidental em pouco mais de uma década. Matou entre 75 milhões e 200 milhões de pessoas – mais de um quarto da população da Eurásia. Na Inglaterra, quatro em cada dez pessoas morreram. A cidade de Florença perdeu 50.000 de seus 100.000 habitantes.
Em março de 1520, um único transportador de varíola – Francisco de Eguía – desembarcou no México. Na época, a América Central não tinha trens, ônibus ou burros. No entanto, em dezembro, uma epidemia de varíola devastou toda a América Central, matando, segundo algumas estimativas, até um terço de sua população.
Em 1918, uma cepa de gripe particularmente virulenta conseguiu se espalhar em poucos meses para os cantos mais remotos do mundo. Ela infectou meio bilhão de pessoas – mais de um quarto da espécie humana. Estima-se que a gripe tenha matado 5% da população da Índia. Na ilha do Taiti, 14% morreram. Em Samoa, 20%. No total, a pandemia matou dezenas de milhões de pessoas – e talvez até 100 milhões – em menos de um ano. Mais do que a Primeira Guerra Mundial matou em quatro anos.
No século que se passou, desde 1918, a humanidade se tornou cada vez mais vulnerável a epidemias, devido a uma combinação de populações crescentes e melhores transportes. Uma metrópole moderna, como Tóquio ou Cidade do México, oferece patógenos muito mais ricos do que a Florença medieval, e a rede de transporte global é hoje muito mais rápida que em 1918. Um vírus pode chegar de Paris a Tóquio e a Cidade do México em menos de 24 horas. Deveríamos, portanto, ter esperado viver em um inferno infeccioso, com uma praga mortal após outra.
No entanto, a incidência e o impacto das epidemias diminuíram drasticamente. Apesar de surtos horrendos, como AIDS e Ebola, no século XXI as epidemias matam uma proporção muito menor de humanos do que em qualquer outro período anterior à Idade da Pedra. Isso ocorre porque a melhor defesa que os seres humanos têm contra patógenos não é o isolamento – é a informação. A humanidade têm vencido a guerra contra epidemias porque, na corrida armamentista entre patógenos e médicos, os patógenos dependem de mutações cegas, enquanto os médicos dependem da análise científica da informação.

Ganhando a guerra contra patógenos
Quando a Peste Negra ocorreu no século 14, as pessoas não tinham ideia de sua causa e do que poderia ser feito a respeito. Até a era moderna, os humanos geralmente atribuíam doenças a deuses raivosos, demônios maliciosos ou ao ar, e nem suspeitavam da existência de bactérias e vírus. As pessoas acreditavam em anjos e fadas, mas não podiam imaginar que uma única gota de água pudesse conter toda uma armada de predadores mortais. Portanto, quando a Peste Negra ou a varíola vieram, a melhor coisa que as autoridades poderiam pensar em fazer era organizar orações em massa a vários deuses e santos. Isso não ajudou. De fato, quando as pessoas se reuniam para orações em massa, muitas vezes causavam infecções em massa.
Durante o século passado, cientistas, médicos e enfermeiros em todo o mundo reuniram informações e, juntos, conseguiram entender o mecanismo por trás das epidemias e os meios para combatê-las. A teoria da evolução explicou por que e como surgem novas doenças e doenças antigas se tornam mais virulentas. A genética permitiu que os cientistas espiassem o próprio manual de instruções dos patógenos. Embora o povo medieval nunca tenha descoberto o que causou a Peste Negra, os cientistas levaram apenas duas semanas para identificar o novo coronavírus, sequenciar seu genoma e desenvolver um teste confiável para identificar pessoas infectadas.
Depois que os cientistas entenderam o que causa as epidemias, ficou muito mais fácil combatê-las. Vacinas, antibióticos, higiene aprimorada e uma infra-estrutura médica muito melhor permitiram que a humanidade ganhasse vantagem sobre seus predadores invisíveis. Em 1967, a varíola ainda infectou 15 milhões de pessoas e matou 2 milhões delas. Mas, na década seguinte, uma campanha global de vacinação contra a varíola foi tão bem-sucedida que, em 1979, a Organização Mundial da Saúde declarou que a humanidade havia vencido e que a varíola havia sido completamente erradicada. Em 2019, nenhuma pessoa foi infectada ou morta por varíola.
Guard Our Border
O que essa história nos ensina para a atual epidemia de coronavírus?
Primeiro, isso implica que você não pode se proteger fechando permanentemente suas fronteiras. Lembre-se de que as epidemias se espalharam rapidamente, mesmo na Idade Média, muito antes da era da globalização. Portanto, mesmo que você reduza suas conexões globais ao nível da Inglaterra em 1348, isso ainda não seria suficiente. Para realmente se proteger através do isolamento, tornar-se medieval não nos serve. Você teria que permanecer na Idade da Pedra. Você pode fazer isso?
Em segundo lugar, a história indica que a proteção real vem do compartilhamento de informações científicas confiáveis ​​e da solidariedade global. Quando um país é atingido por uma epidemia, deve estar disposto a compartilhar honestamente informações sobre o surto, sem medo de uma catástrofe econômica – enquanto outros países devem poder confiar nessas informações e devem estender a mão amiga, em vez de ostracizara a vítima. Hoje, a China pode ensinar aos países de todo o mundo muitas lições importantes sobre o coronavírus, mas isso exige um alto nível de confiança e cooperação internacional.
A cooperação internacional é necessária também para medidas efetivas de quarentena. Quarentena e bloqueio são essenciais para impedir a propagação de epidemias. Mas quando os países desconfiam um do outro e cada país sente que é o seu próprio país que importa, os governos hesitam em tomar medidas tão drásticas. Se você descobrisse 100 casos de coronavírus no seu país, iria bloquear imediatamente cidades e regiões inteiras? Em grande medida, isso depende do que você espera de outros países. Bloquear suas próprias cidades pode levar ao colapso econômico, mas se você acha que outros países irão ajudá-lo, será mais provável que você adote essa medida tão drástica. No entanto, se você pensa que outros países o abandonarão, provavelmente hesitaria, até que fosse tarde demais.
Talvez a coisa mais importante que as pessoas devam perceber sobre essas epidemias seja que a sua disseminação em qualquer país põe em perigo toda a Espécie humana. Isso ocorre porque os vírus evoluem. Vírus como o corona se originam em animais, como os morcegos. Quando eles pulam para os seres humanos, inicialmente os vírus estão mal adaptados aos seus hospedeiros humanos. Enquanto se replicam em humanos, os vírus ocasionalmente sofrem mutações. A maioria das mutações é inofensiva. Mas, de vez em quando, uma mutação torna o vírus mais infeccioso ou mais resistente ao sistema imunológico humano – e essa cepa mutante do vírus se espalha rapidamente na população humana. Como uma única pessoa pode hospedar trilhões de partículas de vírus que sofrem replicação constante, toda pessoa infectada oferece ao vírus trilhões de novas oportunidades para se tornar mais adaptado aos seres humanos.
Isso não é mera especulação. A Crise na Zona Vermelha  de Richard Preston, descreve exatamente essa cadeia de eventos no surto de Ebola em 2014. O surto começou quando alguns vírus do Ebola saltaram de um morcego para um humano. Esses vírus deixaram as pessoas muito doentes, mas ainda estavam adaptadas para morar dentro de morcegos mais do que para o corpo humano. O que transformou o Ebola de uma doença relativamente rara em uma epidemia violenta foi uma única mutação em um único gene  do vírus Ebola que infectou um único humano, em algum lugar na área de Makona, na África Ocidental. A mutação permitiu que a cepa mutante do Ebola – chamada cepa Makona – se ligasse aos transportadores de colesterol das células humanas. Agora, em vez de colesterol, os transportadores estavam puxando o Ebola para dentro das células. Essa nova cepa Makona era quatro vezes mais infecciosa para os seres humanos.
Enquanto você lê essas linhas, talvez uma mutação semelhante esteja ocorrendo em um único gene no coronavírus que infectou uma pessoa em Teerã, Milão ou Wuhan. Se isso de fato está acontecendo, é uma ameaça direta não apenas aos iranianos, italianos ou chineses, mas também à sua vida. Pessoas de todo o mundo compartilham um interesse de vida ou morte em não dar ao coronavírus essa oportunidade. E isso significa que precisamos proteger todas as pessoas em todos os países.
Na década de 1970, a humanidade conseguiu derrotar o vírus da varíola porque todas as pessoas em todos os países foram vacinadas contra a varíola. Se mesmo um país não vacinasse sua população, poderia ter colocado em perigo toda a humanidade, porque enquanto o vírus da varíola existisse e evoluísse para algum lugar, ele sempre poderia se espalhar novamente por toda parte .
Na luta contra o vírus, a humanidade precisa proteger estreitamente as fronteiras. Mas não as fronteiras entre os países. Pelo contrário, precisa proteger a fronteira entre o mundo humano e a esfera do vírus. O planeta Terra está se unindo a inúmeros vírus, e novos vírus estão em constante evolução devido a mutações genéticas. A fronteira que separa essa esfera de vírus do mundo humano passa dentro do corpo de todo e qualquer ser humano. Se um vírus perigoso consegue penetrar nesta fronteira em qualquer lugar do mundo, coloca toda a espécie humana em perigo.
Ao longo do século passado, a humanidade fortaleceu essa fronteira como nunca antes. Os modernos sistemas de saúde foram construídos para servir de barreira nessa fronteira, e enfermeiros, médicos e cientistas são os guardas que a patrulham e repelem os invasores. No entanto, longas seções dessa fronteira foram deixadas lamentavelmente expostas. Existem centenas de milhões de pessoas em todo o mundo que carecem de serviços de saúde básicos. Isso coloca em perigo todos nós. Estamos acostumados a pensar em saúde em termos nacionais, mas fornecer melhores cuidados de saúde para iranianos e chineses ajuda a proteger israelenses e americanos também de epidemias. Essa verdade simples deve ser óbvia para todos, mas infelizmente ela escapa até mesmo às pessoas mais importantes do mundo.
Um mundo sem líder
Hoje a humanidade enfrenta uma crise aguda, não apenas devido ao coronavírus, mas também devido à falta de confiança entre os seres humanos. Para derrotar uma epidemia, as pessoas precisam confiar em especialistas científicos, os cidadãos precisam confiar nas autoridades públicas e os países precisam confiar uns nos outros. Nos últimos anos, políticos irresponsáveis ​​minaram deliberadamente a confiança na ciência, nas autoridades públicas e na cooperação internacional. Como resultado, agora estamos enfrentando esta crise desprovida de líderes globais que podem inspirar, organizar e financiar uma resposta global coordenada.
Durante a epidemia de Ebola de 2014, os EUA serviram como exemplo desse tipo de líder. Os EUA cumpriram um papel semelhante também durante a crise financeira de 2008, quando se reuniram atrás de países suficientes para evitar o colapso econômico global. Mas, nos últimos anos, os EUA renunciaram ao seu papel de líder global. O atual governo dos EUA cortou o apoio a organizações internacionais como a Organização Mundial da Saúde e deixou bem claro ao mundo que os EUA não têm mais amigos de verdade – eles têm apenas interesses. Quando a crise do coronavírus eclodiu, os EUA ficaram à margem e até agora se abstiveram de assumir um papel de liderança. Mesmo que eventualmente tente assumir a liderança, a confiança no atual governo dos EUA foi corroída a tal ponto, que poucos países estariam dispostos a segui-lo.
O vazio deixado pelos EUA não foi preenchido por mais ninguém. Exatamente o oposto. Xenofobia, isolacionismo e desconfiança agora caracterizam a maior parte do sistema internacional. Sem confiança e solidariedade global, não seremos capazes de parar a epidemia do coronavírus, e provavelmente veremos mais dessas epidemias no futuro. Mas toda crise também é uma oportunidade. Esperamos que a epidemia atual ajude a humanidade a perceber o grave perigo que representa a desunião global.
Para dar um exemplo proeminente, a epidemia pode ser uma oportunidade de ouro para a UE recuperar o apoio popular que perdeu nos últimos anos. Se os membros mais afortunados da UE enviam rápida e generosamente dinheiro, equipamentos e pessoal médico para ajudar seus colegas mais atingidos, isso provaria o valor do ideal europeu melhor do que qualquer número de discursos. Se, por outro lado, cada país é deixado para se defender, a epidemia pode soar como a morte do sindicato.
Neste momento de crise, a luta crucial ocorre dentro da própria humanidade. Se essa epidemia resultar em maior desunião e desconfiança entre os seres humanos, será a maior vitória do vírus. Quando os humanos brigam – os vírus dobram. Por outro lado, se a epidemia resultar em uma cooperação global mais estreita, será uma vitória não apenas contra o coronavírus, mas contra todos os patógenos futuros.
Direitos autorais © Yuval Noah Harari 2020

sábado, março 14, 2020

Porto, Norte de Portugal, Maratona 2019.

Escultura na Praça Central

Em 2019/2, estive três dias em Portugal onde fui com a finalidade de encontrar Claudio Zoppi, meu Sobrinho da Alegria - expressão baiana de que tanto gosto e que se refere aos parentes por escolha. Cláudio, pesquisador da UNICAMP, estava lá para correr os 42 km da 16a. Maratona do Porto, maior evento esportivo da cidade, que, em 2018,  produziu um impacto ao redor de 13 milhões de  Euros na economia local.



Cláudio Zoppi


Cláudio, que já correu em maratonas de diversos países, nas suas palavras, "compete com ele mesmo, buscando obter tempos cada vez melhores."  Isolda - minha amiga-irmã e excelente companheira de viagem - e eu acompanhamos, no dia da Maratona, cenas rápidas da corrida em cenários diversos. Nos demais dias, fizemos alguns agradáveis passeios pela cidade, revendo não só o Porto como também Gaia. 



Divulgação Oficial da Maratona

Do Correndomundo, retirei estes textos meus, escritos em 2013 sobre a cidade:
"Há 20 anos, fiz um bate-e-volta ao Porto. Um dia inteiro de passeios pela cidade, que me deu um conhecimento superficial e a impressão de uma cidade sem muitos atrativos e até mal cuidada. Passados 10 anos, retornei, hospedei-me na avenida dos Aliados e lá estive durante uma semana. Modifiquei a impressão anterior. Passei a vê-la como uma beleza madura, que não salta aos olhos no primeiro momento e que precisa de tempo e aprofundamento para ser decifrada e, depois, admirada. Voltei mais uma vez e voltei, agora, pela quarta vez. Descobri, então, que a gente não se apaixona pelo Porto. Aprende a amá-lo a cada encontro e a cada vez mais. Há tanto o que ver. Comece reservando um final de tarde para ver o pôr-do-sol, a partir da Vila Nova de Gaia."



Vista desde o Douro


"Segunda maior cidade de Portugal e fonte do próprio nome do país, Porto está às margens do Douro, pertinho das cantinas que produzem aquele vinho que lhe fez o nome conhecido no mundo todo. Inaugurados há pouco, lá estão os teleféricos, transportando visitantes da parte alta para as margens do rio, onde estão as cantinas, oferecendo degustações e possibilitando compras no local. Como o teor alcoólico do  vinho do porto é alto, aconselho que não se visitem muitas cantinas no mesmo dia."



Em 2019


"Caminhe muito pela cidade, não se deixe impressionar pelas subidas e descidas. Percorra os labirintos do Centro Antigo. Não tenha medo de perder-se. A Torre dos Clérigos vai guiá-los e situá- los, já que pode ser vista de quase toda a cidade - ou parta da Câmara Municipal, percorra a Avenida dos Aliados, interessante e não extensa, caminhe devagar, olhando belos prédios, e chegue até a Estação São Bento."



Paredes da Estação de Trem São Bento cobertos por 20 mil azulejos.


Há bons museus no Porto - Museu Nacional Soares dos Reis, Museu do Vinho, Museu de Arte Contemporânea, Museu dos Transportes; há muitas igrejas magníficas - Igreja da Misericórdia, Igreja de São Francisco, Igreja do Carmo, Igreja de Santa Clara; há mercados, palácios, mosteiros, jardins, praças e pontes; há bons restaurantes, hotéis e locais de entretenimento. Além de tudo isso, existem avenidas, ruas, ruazinhas e becos, onde se pode passear e entreter-se com o muito que a cidade oferece."



Beleza nos casarios

A Maratona de 2019, que contou com mais de 15 mil participantes, teve os seguintes  resultados finais: "o primeiro atleta a cruzar a linha de meta foi o etíope Deso Gelmisa aos 02:09:08, seguido pelo queniano Victor Kiplimo, com 02:10:56. O pódio masculino foi fechado pelo etíope Debele Belda, com 02:14:22. Na competição feminina, a primeira atleta a completar a maratona foi a etíope Bontu Bekele Gada, aos 02:33:38, seguida das suas congéneres Mestawot Tadesse e Genet Getaneh, com 02:39:14 e 02:40:59, respetivamente. A atleta do AD Marco, Rosa Madureira foi novamente a primeira portuguesa a pisar o tapete vermelho da chegada da maratona, às 02:49:53 de prova, ficando no 5º lugar da classificação geral feminina." In https://www.maratonadoporto.com/pt/noticias/edp-maratona-do-porto-foi-uma-grande-festa-do-desporto/


Foto a partir de Gaia

A 17a. Maratona do Porto, em 2020, já está  com data marcada. Será dia 8 de novembro, com início às 9 horas.  As informações já estão em https://www.maratonadoporto.com/pt/informacoes-2020/ . Trata-se de um evento interessante de assistir - até para pessoas que, como eu, só correm de notícias ruins e jogos de futebol.


Canso ...só de olhar! Parabéns a quem corre.



Novamente, minha  opção de reserva e hospedagem  foi no Grande Hotel de Paris, na Rua da Fábrica, 27, muito perto da avenida dos Aliados -  com mais de 140 anos,  é o mais antigo hotel , em funcionamento ainda, na cidade do Porto. Bem localizado e com boa conservação de móveis, acessórios,  pinturas, desenhos, lustres e exposição de documentos antigos, oferece excelente café da manhã, num salão de cinema. Falta-lhe o conforto dos hotéis modernos, mas tem  um charme inesquecível.http://www.hotelparis.pt


                                                         Ruas íngremes e encantadoras


                                         Porto - "Que varia e está sempre bem e é sempre a mesma." FP

domingo, março 08, 2020

Salamanca - passeio descomplicado em cidade magnífica.

Portas de Salamanca  - Catedral Nova - 1513

Portas de Salamanca  - Convento de Santo Estêvão - Séc.XVI
                                                             
Salamanca  - Centro Histórico


Salamanca  - Patio Chico - Século XII


Salamanca  - Universidade


A Universidade de Salamanca - uma das mais antigas do mundo - foi fundada pelo rei Alfonso IX, no ano de 1218, mas, até o século XV não teve sede própria. Durante esse período, as aulas eram ministradas nas dependências da Catedral, e os exames de doutoramento, assim como a eleição para reitor, eram realizados na Capela de Santa Bárbara, no claustro da Catedral Velha. É valioso o tempo planejado para percorrê-la.



                                                      Salamanca - Centro Histórico



                                          Salamanca - identificação do Caminho de Santiago
                                                                         

Meu itinerário 2020/1 prevê mais um retorno a Salamanca, para ver portas, janelas e escadarias de edifícios históricos - tendo como foco a Universidade -  e capiteis da românica Catedral Velha de Santa Maria de La Sede - século XII. Em razão das muitas relíquias que a  cidade oferece, é conselhável um estudo prévio da arquitetura dela com delimitação do que ver em consonância com e tempo disponível para ali permanecer. Passeio inesquecível certamente.



Porta de São Estêvão



Turismo Religioso


A distância entre Madrid e Salamanca é de 214 km. Uso trem para fazer esse percurso. Pode-se escolher entre os trens regionais - que demoram umas 3 horas - e o Intercity - trem rápido que gasta 1h 36 min. O preço da passagem varia muito: se comprada com antecedência, consegue-se pagar cerca de 20 Euros: comprada no dia da viagem, paga-se bem mais.


                                                             Igreja de San Benito

Parece-me bem aconselhável permanecer ao menos  uma noite na cidade para vê-la com todo o esplendor da iluminação. Há muitas e agradáveis hospedagens centrais - costumo reservá-las no booking.com  -  os preços são bem razoáveis, considerando o que a cidade oferece. 



terça-feira, março 03, 2020

Um vírus determina meu destino! Parte 1

Eu, com 8 anos, quando sabia rezar!


No Correndomundo.blogspot.com , afirmei, em fevereiro,  que divulgaria  meu Plano de Viagem 2020/1 ainda no início de março. Os bilhetes aéreos já estavam comprados, muitos hoteis e passeios reservados - faltava somente concluir a programação de junho/julho. Mantenho as datas - devo partir em meados de abril, mas, como diz o velho ditado Ídiche, muitas vezes a gente planeja e Deus ri!  Estou atenta à evolução e ao trajeto do coronavírus ( covid19) - sem dramas, sem stress.  A decisão final de partir ou não no dia marcado dependerá das circunstâncias - elas é que decidiram por mim. 



Marrocos

Como meus amigos sabem , estou no grupo de risco, não só pela idade, mas também por ter  bronquite,  ter tido pneumonias e ter feito uma cirurgia de pulmão, há menos de dois anos, para a retirada um câncer  que persegue minha família. Viajo para fora do Brasil há mais de 40 anos. Nos últimos 10 anos, tenho viajado com meu neto. Neste ano , ele não poderá sair por tanto tempo. Irei sozinha. Sem problema. Sou bem amiga de mim mesma e gosto da minha companhia - o que é importante para viajantes compulsivos como eu.



Espanha - Ávila


Estou atenta às informações sobre o  coronavírus. Procuro, no entanto,  estar ciente delas  pelos  organismos oficiais.  Se a TV busca também essas fontes, não quero ser refém da leitura feita por ela, quando posso também acessá-las diretamente. Quando o abril chegar, acredito que chegará também a hora de revisar meu roteiro.



Itália - Lago di Garda


Em fevereiro, por exemplo, incluí Emilia - Romagna, região ao norte da Itália, cuja capital é Bologna. Programei 15 dias lá, com o objetivo de rever Ravenna, Rimini, Modena, Parma, Urbino, Ferrara e passear por San Marino. Essa região faz limite com a Lombardia, que já tem áreas em quarentena. Espero para saber como o problema vai evoluir ou involuir. Sem stress!



Itália - Verona


À Itália, país em que já estive muitas vezes, seria uma estada de 15 dias, dessas de reavivar lembranças. Ao interior da Espanha, programei 12 dias, viajando somente com a mochila e deixando a mala no Hostal Avenida, minha casa em Madrid, há mais de 20 anos ( Gracias Marisol! ). Nas terras espanholas, planejei visitar Zaragoza, Teruel ( esse, incluído na minha wishlist deste ano), Albarracín, Daroca, Aguero e Siguenza.



Espanha - Salamanca - 2019/2


Os outros países integrantes de meu itinerário  estão, neste momento,  em stand by. São eles  Ucrânia - Kiev e mais cinco cidades ucranianas - República da Moldávia, Georgia e Armênia. Eles constituem o núcleo de meu projeto 2020/1. Dois possíveis acontecimentos, entretanto, preocupam - me no presente: o cancelamento de voos e a quarentena em destinos. Mas eles independem de mim - portanto de nada adianta eu me preocupar.



Praia da Gaivota - Sombrio - Santa Catarina


Há uma situação, atual e concreta, para viajantes em geral, que tem a ver com os seguros de viagem. Não há cobertura para os custos originados direta ou indiretamente por epidemias, que forem decretadas como tal  através de entidades públicas.  O seguro não cobre as despesas - e não se sabe a hora de decretarem. É valiosa, portanto, a busca de informações constantes e completas sobre esse assunto.



Torres - Rio Mampituba - Divisa com Santa Catarina

Em respeito e agradecimento às pessoas que me acompanham nestes 14 anos do Correndomundo, postarei sempre novas decisões que eu tenha de tomar em razão do que agora é impossível determinar: a trajetória do Corona. Minha viagem, contudo,  é apenas um grão de areia que não pode ser preocupação nem minha que estou com mala pronta - preocupante mesmo é o perfil de nosso sistema de saúde, que, em situação cotidiana, já  enfrenta crônicas dificuldades para atender a maioria da população. Como diz a Rosana, que o Universo conspire a nosso favor.


Rússia - Hermitage 


terça-feira, fevereiro 25, 2020

Ávila: revisitando!

Muralhas de Ávila


Com Isolda, retornei a Ávila na Viagem 2019/2. Já foram muitas e merecidas visitas a essa cidade e muitas caminhadas por suas magníficas muralhas. Decidi não escrever um novo texto sobre ela, mas indicar os textos já postados no Correndomundo. Se ainda não foram a Ávila, na próxima viagem à Espanha, visitem-na. Certamente se encantaram com suas muralhas grandiosas e bem conservadas.

segunda-feira, fevereiro 24, 2020

Ciudad Real, Castilla - La Mancha

Catedral de Santa Maria Do Prado


Ao chegar a Ciudad Real, penso em um querido amigo - Pe. Ramón Casales Serrano - com quem tive o privilégio e a alegria de trabalhar, durante quatro anos, em importante projeto diocesano, na cidade de Senhor do Bonfim, no Sertão da Bahia. Ramón é oriundo desta região. Por conhecê-lo bem, penso que seus conterrâneos devem admirar muito seu trabalho e sua integridade. 



Exposição de Sebastião Salgado em Ciudad Real


Ainda pensando no meu querido amigo-irmão Ramón, encontro, no centro da cidade, vários paineis que anunciam a Exposição De Fotografias de outra passoa a quem admiro muito e que, como brasileira, tenho por ele muito orgulho : Sebastião Salgado, o mais famoso fotógrafo brasileiro. Já visitei exposições dele certamente em mais de dez países. Uma alegria ver e rever seu trabalho. Comecei muito bem o passeio por Ciudad Real.



Construções  no Centro Histórico


Ciudad Real é  um município e uma cidade da Espanha, capital da província do mesmo nome, pertencente à comunidade autônoma de Castilla -  La Mancha. A Província tem ao redor de 500 mil habitantes, repartidos entre 102 municípios - Ciudad Real, o município, tem 75 mil habitantes. Almagro, de que falamos no post anterior, é parte desta província. Toledo, Guadalajara, Cuenca e Albacete fazem parte também desta comunidade.



Admiráveis construções


A cidade conta com imponentes construções, destacando-se três igrejas góticas, incluindo a Catedral. No auge de seu crescimento, Ciudad Real contava com magníficas muralhas, com 130 torres e 7 portas de acesso. Na atualidade, há uma única porta, a Porta de Toledo ( 1328 ) , inspirada na arquitetura muçulmana.


Curioso prédio da Prefeitura (1976 )

Distante 160 km de Madrid  e  254 km de Sevilla, Ciudad Real é muito agradável, fotogênica e informativa, com valiosas  referências a Cervantes e à sua novela D. Quixote. Passou por um período difícil, mas retomou seu progresso com a construção da ferrovia. Hoje é uma das cidades mais verdes da Espanha com parques e jardins que fazem o deleite dos visitantes e da população local.



Vista parcial da Praça Maior  ( Plaza Mayor _

" A liberdade é um dos dons mais preciosos que o céu deu aos homens. Nada a iguala, nem os tesouros que a terra encerra no seu seio, nem os que o mar guarda nos seus abismos. Pela liberdade, tanto quanto pela honra, pode e deve aventurar-se a nossa vida."


Miguel de Cervantes, em Dom Quixote.


Homenagem da Cidade a Dom Alfonso

sábado, fevereiro 22, 2020

Almagro - com destaque ao Corral de Comédias

Museu Nacional do Teatro


A história de Almagro está solidamente vinculada à história do teatro na cidade,  como pode ser observado pelo Corral das Comédias - o único do século XVII que se conserva íntegro - pelo Museu Nacional do Teatro - o único de seu  gênero na Espanha - e pelo Festival Internacional de Teatro Clássico , que é realizado a cada ano, no verão.



O Museu  e o Teatro


Em 1972, a cidade foi declarada conjunto histórico-artístico por seu importante e muito bem conservado patrimônio. Com população de aproximadamente de nove mil habitantes, integra hoje a Rede das Aldeias mais bonitas da Espanha. Conta atualmente com 10 espaços teatrais e mais de 40 companhias teatrais.




Teatro e sede do Festival 

Almagro está localizado na Província de Ciudad Real del Campo de Calatrava, na Comunidade Autônoma de Castilla - La Mancha. Sua origem vem do século XII quando o Rei Alfonso VIII concedeu terrenos à Orgem de Calatrava em agradecimento pela ajuda na reconquista de Cuenca e de outras cidades castelhanas.




A cidade está na rota de Dom Quixote 

Diz-se, portanto, que foi a Ordem de Calatrava que pôs Almagro no mapa, quando seus professores, no século XIII, elegeram - na  como  lugar de residência e centro de operações. Por alguns séculos, a cidade foi protegida por muralhas, que foram derrubadas em 1886. Antes, em 1755, sofrera as consequências do Terremoto de Lisboa, com muitos de seus edifícios históricos sendo afetados.



Ruazinhas de Almagro


Almagro tem um Centro Histórico bonito e agradável de percorrer. Sua Praça Mayor, com planta retangular bem estruturada,  é uma das mais bonitas da região. São bem bonitos também os palácios, conventos e igrejas, que completam seu Patrimônio Monumental. Destaque, na culinária, para os deliciosos queijos de leite de ovelha, tradição reconhecida na localidade manchega.





Tradicional queijo da localidade

Se levantarem cedinho, podem ver, num mesmo dia, a interessante cidade de Almagro e a também interessante e bonita Ciudad Real, tomando, na Estação de Atocha, um dos diversos trens que passam pelas duas localidades. É um bate-e-volta que eu aconselharia sem medo de errar.



Centro de Almagro


"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."

Fernando Pessoa


Almagro - Igreja de Santo Agostinho