sábado, julho 19, 2008

Kanchipuram




É uma das sete cidades sagradas dos hindus, tanto para os devotos de Shiva , quanto para os adoradores de Vishnu. Realmente é uma cidade-templo, o que já se percebe na chegada pelo número de templos que se vê – todos de impressionante beleza. Visitei um com quarenta colunas, com imagens minuciosamente esculpidas em blocos de granito. Pena que não se pode fotografar nada dentro do templo.

Para mim, é a cidade das sedas, comércio que aumentou com a produção de seda de amoreira . Mais de cinco mil famílias estão envolvidas com essa tecelagem manual.



São tecidos famosos pela elegante combinação de cores nas bordas e nas barras. São muitas as lojas de fábrica, que vendem também algodão de excelente qualidade. Todas as lojas têm muitos funcionários - experientes vendedores com competentes auxiliares - que tratam os clientes como “únicos”. Diz – se que toda noiva indiana deve ter, em seu enxoval , peças de seda de Kanchipuram – que são oferecidas ritualmente aos deuses antes de serem vendidas. Vi muitos saris trabalhados com fios de ouro.



Eu , que pensava não comprar nada além das encomendas da família, comprei dois ou três saris para mim- sem ouro, é claro, mas bem bonitos. Segunda próxima, levarei essas compras ao correio , que vai fazer o pacote , em tecido claro de seda, e despachá-lo para o Brasil - até escrever destinatário e remetente é o pessoal do correio que escreve. Pago, em média, cem dólares por pacote. E fico torcendo que chegue em Alegrete ou Porto Alegre.