quarta-feira, agosto 05, 2015

Vamos a Gramado?

Centro de Gramado em Julho
Como não havia café colonial em Nova Petrópolis, porque era segunda-feira, Pedro e eu decidimos ir a Gramado... na verdade, uma escapada que já havíamos pensado fazer. Em 40 minutos, vai-se de uma cidade a outra, percorrendo uma estrada linda - sem eu estar dirigindo, percebia-lhes os detalhes.

Centro de Gramado
É uma cidade muito bonita, embora tão preparada para o turismo que, por vezes, parece articial. É salva pela natureza que a impregna e toma conta de seu entorno. Está sempre com muitas araucárias e muitas flores, que seguem a ronda das estações. Agora, são os amores-perfetos, as camélias e as magnólias; depois, vêm as azaléias; e , em novembro e dezembro, o reino das belas hortênsias.


Antigas magnólias

Ostentando o título de roteiro turístico mais seguro do Brasil, Gramado é realmente para visitar com família, sejam adolescentes e crianças. A saudade - que sempre defino como alegria de ter tido, tristeza de não mais ter - foi intensa lá: saudade de meus amigos, de meus filhos pequenos, de meus sobrinhos, das roupas e dos brinquedos escolhidos, dos chocolates devorados. Agradeci ao meu neto por estar comigo - sozinha eu não teria ido..



  




















Traçamos a cidade. Era um passeio de rever e relembrar. Lá estava a Casa da Bruxa, onde se degusta excelente chocolate quente; a rua coberta, ainda  meio descoberta pelo inverno que atinge as plantas; a igreja matriz, construída com a solidez e a beleza da pedra local; a rotatória - novidade para mim - com a representação de  grandes eventos, como o Natal-Luz, o Festival de Cinema e a Feira do livro; as malharias, as cafeterias o artesanato local...


Rotatória e prêmios de eventos
Minha única crítica a Gramado é o descaso com os banheiros públicos da Estação Rodoviária. Além da limpeza não parecer uma prioridade, as portas estavam pichadas e mal conservadas. Inadmissível numa cidade tão linda. Entrei num banheiro em que a porta ostentava a frase: Deus é minha única esperança... Seria a esperança de um banheiro público decente ou a esperança de usuários que não escrevessem nas portas?


Beleza da Araucária
No dia seguinte, enfrentamos um Café Colonial. Exagero dos exageros. Por mim, jamais entraria em um, embora sejam bem atendidos, bonitos e com 70 ( setenta mesmo! ) itens servidos, entre doces , salgados, tortas, pães, carnes, sucos, vinhos e ... café - mas sempre tenho de acompanhar alguém a essas orgias gastronômicas.

Pedro no Café Colonial de Gramado
Ao passear com Pedro, tenho um objetivo bem definido: que ele tenha agradável e alegre lembrança da vó. Essa será, sim,  uma herança permanente. Ele e eu temos outras viagens planejadas. Que o Universo conspire a nosso favor - como diz Rosana.

Igreja Matriz de Gramado
"Quando era jovem, eu a mim dizia:
Como passam os dias, dia a dia,
E nada conseguido ou intentado!
Mais velho,digo, com igual enfado:
Como, dia após dia, os dias vão,
Sem nada feito e nada na intenção......"

Fernando Pessoa