quinta-feira, novembro 08, 2012

Imperdíveis passeios no Deserto de Atacama





O Vale da Lua foi nossa primeira visita ainda na tarde de nossa chegada ao Deserto de Atacama. Primeira visita; primeira surpresa; primeiro deslumbramento.

Localizado na Cordilheira do Sal, a 13 km de San Pedro, o Vale é parte da Reserva dos Flamingos e já foi declarado Santuário da Natureza.




Sua área, com formação de pedra, sal petrificado e areia, assemelha-se a solo lunar - daí, o nome -  onde, durante milênios, inundações e ventos moldaram suas fantásticas esculturas. 

Entre as numerosas figuras, destacam-se as Três Marias, que a primeira foto nos mostra. Impressionante também as cavernas de sal e o vulcão Licancabur, que pode ser visto , de vários ângulos, ao longo desse passeio.
 


Inesquecível , entretanto, para mim foi o pôr-do-sol que vimos nesse mesmo dia. À medida que o sol se pôe, alteram-se as cores das montanhas e desfiladeiros- da cor pastel, para a cor rosa, depois púrpura e finalmente negra. Algo surpreendente, emocionante, de uma beleza única - com certeza, está entre as memórias selecionadas para manterem-se ao longo da vida.


Usualmente, o passeio ao Vale da Lua mostra-nos também o Vale da Morte, outra formação de rochas e de dunas bastante singular. Há duas explicações para o nome desse lugar. Uma refere à secura do ambiente e à falta de vida; a outra, à recepção dos sons , na pronúncia francesa de Vale de Marte, nome que teria sido dado pelo jesuíta belga Gustave Le Paige, em razão da cor avermelhada do lugar.

Depois de Toconao, povoado de que fiz o post anterior, chega-se ao Salar de  Atacama - a 62 km de San Pedro e a 2300 metros de altitude. Trata-se de um extenso lago salgado que secou, tornando-se o maior depósito de sal do Chile, ocupando uma superfície de 3.200 km2. Situado entre a Cordilheira dos Andes , a oeste, e a Cordilheira de Domeico, a leste, tem como principal atração as lagoas onde podem ser vistos muitos flamingos, desfilando sua graça, colorido e beleza.




De pequenas poças, como essa da foto acima, os flamingos retiram um minúsculo camarão, que lhes serve de alimento e que lhes proporciona um bonito colorido.

A Reserva Nacional do Flamingos ocupa uma área de 74 mil hectares e 4300 metros acima do nível do mar. É administrada CONAF - Comissão Nacional de Flora e Fauna. A entrada é paga. Os carros não podem chegar até as lagoas. Há um trajeto já determinado para ser feito a pé.
Uma das paisagens mais bonitas do Atacama pode ser vista quando se vai às lagoas Miscanti e Meñiques, localizadas a 115 km de San Pedro e a 4.000 metros acima do nível do mar. Essas impressionantes lagoas, de cor azul-marinho e de margens brancas, também conhecidas como Lagoas Altiplânicas, são separadas por pequena faixa de terra e têm, ao fundo os vulcões com o mesmo nome , Miscanti e Meñiques.



O cenário é de impressionante beleza, pela cor da água, pelo azul do céu, pelos vulcões que estão, ao fundo, na Cordilheira. 
Pode-se descer, caminhando, é claro,  por uma estradinha estreita, e chegar até a beira das lagoas.
Suas águas provêm do degelo dos vulcões. Antes eram águas que corriam livremente, chegando ao Salar de Atacama. Devido, entretanto, a uma erupção do vulcão Meñiques, ocorrida há muitos anos, houve estancamento das águas, dando origem às lagoas.

Além de toda essa beleza natural, por aqui se encontram sítios arqueológicos, dados a conhecer por fragmentos de cerâmica, pontas de flecha e 40 construções circulares em pedra. Calcula-se que a ocupação deste lugar data de 3.000 anos a.C.

É um passeio realmente obrigatório. As operadoras costumam realizá-los com 12 horas de duração, incluindo o almoço.




Embora o Deserto Florido, de que tanto se fala, fique mais ao sul, um pouco longe de San Pedro, a vegetação desta região é cbem bonita e curiosa, como esses tufos de capim amarelado e uma planta rasteira, chamada rica-rica, bastante comum por aqui.
No dia em que visitamos as lagoas, almoçamos num povoado, denominado Socaire, a 100 km distante de San Pedro de Atacama e pertencente a esse município.
Antigamente, Socaire foi muito importante pela sua localização perto da fronteira com a Argentina e por suas minas de ouro. Hoje, tem cerca de 400 habitantes, que se dedicam à agricultura e à elaboração de comida atacameña, servindo almoço para turistas e viajantes.

Os povos do Atacama , conhecidos internacionalmente como o povo pré-colombiano mais desenvolvido do Chile, foram os primeiros grupos sedentários desse país e os primeiros a praticar agricultura. Para tanto, fizeram terraceamento nos cerros e canais de irrigação.Desenvolveram a agricultura com o cultivo de milho, feijão, batatas, algodão e frutas.


O Atacama, considerado o deserto mais alto e mais seco do mundo,  fascina os visitantes, também por seus tesouros arqueológicos que contam os segredos de uma civilização desaparecida. Impressionante é a Aldea de Tulor, um conjunto arquitetônico circular , habitado entre 800 a.C  e 200 d.C pelos antigos povos atacameños.
Outro lugar a ser visitado é Pukara de Quitor,  com ruínas de uma fortaleza pré - incaica.





Todos os passeios podem ser feitos, a partir de San Pedro de Atacama, de diferentes formas e estilos.Pode-se alugar carro - desde Calama  ou em San Pedro; pode-se alugar moto ou bicicleta; podem comprar  pacotes , em camionetes ou ônibus , nas agências de viagem. Pode-se, ainda, alugar cavalos para passeios com roteiros determinados. Há um hotel que tem muitos e belos cavalos para serem usados por seus hóspedes. Há, portanto, boa estrutura turística no Atacama.

Já viajei por desertos de vários países. Todos fascinantes. O Deserto de Atacama, entretanto, foi o que mais me impressionou - e me conquistou pela infraestrutura oferecida.
Não é um destino barato, não, mesmo com a proximidade que nós, do Sul, temos em relação ao Chile, mas vale o que se paga.
Desta vez, preferi viajar empacotada. Comprei o pacote na Agência Ktour, em Santa Maria. Correu tudo muito bem. Carlos, o dono da Ktour, e Edilma, minha amiga dessa agência, como sempre, perfeitos.
Indispensável, nessa viagem, chapéu, óculos escuros, roupas para calor e frio, garrafa para água e olhos bem abertos...Indispensável uma boa câmera.
A região é toda muito fotogênica. Lembrei -me de bons fotógrafos, como Claudius Ribeiro Ramos , o meu primo Caquinho; Fátima e Vinicius Marcanth, meus amigos; Fabianinha, minha sobrinha. Minhas fotos não são editadas e são feitas com uma pequena câmera de menos de 200 dólares. Ela faz o que pode!!!