sábado, junho 23, 2007

Uttaranchal - sobre seus cantos e encantos






















Eu nao queria sair da India sem conhecer um pouco do Estado de Uttaranchal. Havia lido muito sobre suas cidades e, como diz a Rosana, sobre seus cantos e encantos. Lamento que fiquei apenas uma semana. Como viajava de carro, entretanto, foi possivel visitar quatro cidades, incluindo a capital, Dheradum, que tem quase nada de interessante.
























Eh impressionante o ziguezague que se faz aqui por conta das estradas inexistentes para conectar , as vezes, cidades do mesmo Estado. Para ir a Uttaranchal, sai de  Himachal Pradesh, entrei em Punjab, depois em Haryana, onde dormi na cidade de Panchkula. Voltei a passar pelo Himachal Pradesch para, entao, chegar a Dheradum. 























Nao fiz nem uma viagem de carro que a velocidade media superasse a 25 km/hora. Para fazer , um dia, 240 km, gastamos 10h!!! Eu olhava o mapa e ficava toda contente porque estavam perto as cidades que eu queria conhecer!Para percorrer os 30 km que separa Dheradum e Mussorie , leva- se quase duas horas.























Em Panchkula, visitei o Templo Sikh, onde fotografei parte do Templo e um sikh, impecavel com seu turbante de sete metros de tecido.Os sikhs sao muito atuantes na India, tanto religiosa como politicamente, e profundos seguidores dos principios de sua religiao,surgida a mais de 500 anos, tendo como um dos seus objetivos o combate a divisao do povo em castas. Eles dominam o Estado de Punjab, um dos mais desenvolvidos do Pais.

























O assassinato de Indira Gandhi ( ela nao era parente  de Mahatma Gandhi) foi uma resposta dos Sikhs a atuacao dela contra o sikhismo. Dizem que os dois segurancas - sikhs - que a mataram foram queimados vivos.  Quando fui a Amritsia , capital de Punjab, e  visitei o Golden Temple, chorei, como chorei em Auschwitz ao ver os desenhos das criancas. Mas chorei, no Museu  sobre o massacre dos Sikhs, ao ver as fotografias , quando vivos e quando assassinados, de muitos homens daquela religiao, alguns com o rosto rebentado a tiros. Um horror! 

























De Old Manali a Dheradum, passa-se por lugares belissimos, como Kullu Valey , por onde corre o Rio Beas e por onde se percorre uma estrada linda de montanha ( fotografei as placas, caso voces queiram mais informacoes...)Kullu Valey eh conhecido como o Vale dos Chales. Eu havia comprado alguns clales na regiao tibetana. Em Kullu , nao resisti e comprei outros - lindos e baratos, de lã ou de seda. Ainda, ao longo do Rios Beas, estah a cidade de Mandi, que tem uma mesquita de impressionante beleza.























Almocei na estrada, no restaurante do Hotel Raja, em Jaro, Sunder Nagar, Distrito de Mandi - um restaurante tipicamente indiano, comida trivial muito boa e populacao local. Se eu jah nao estivesse acostumada com os olhares das pessoas, ficaria constrangida. Neste restaurante, como de resto em muitos lugares onde fui, as pessoas me olham, chamam a atencao de outras que tambem se viram para me olhar, comentam, apontam...muito engracado!






















A segunda cidade de Uttaranchal que visitei foi Mussorie. Eh uma cidade de montanha, com muito turismo interno.Poucos os estrangeiros que se veem aqui. Entre Dheradum e Mussorie, a distancia eh de 30 km, e a diferenca de altitude eh de 1300 m, dai a razao por que se leva, em geral, duas horas para ir de uma cidade a outra. Fiquei muito bem impressionada com os banheiros publicos de Mussorie. Numa situacao de extrema emergencia ,recorri a um deles ( existem muitos nessa pequena cidade ). Para minha surpresa e bem - estar, encontrei-os limpissimos, bem cuidados e bonitos, com instalacoes ocidentais e indianas. Um exemplo!





















Fiquei dois dias em Mussorie, num hotel bom, que parecia ter apenas o andar terreo - os outros cinco andares ficavam montanha abaixo. A cidade estava movimentadissima nessa epoca que lembra um pouco Gramado, principalmente pela variedade de ofertas de compra de artesanato e produtos tipicos dos Vales.  Fazia 20 graus ali -  e eu pensava nos 45 graus experimentados em Delhi e Varanasi.




















De Mussorie, fui para Rishikesh, a capital mundial da yoga. Cheguei num domingo de manha e me surpreendi com a primeira imagem - milhares e peregrinos chegando, gente de todo o tipo,carregando bagagens nas costas e oferendas nas maos. 





















Em Rishikesk, em 1968, viveram os Beatles, com suas familias, incluindo as criancas, durante dois meses. Eu havia lido muita coisa sobre a cidade, mas nao havia lido que uma ponte movedica atravessava o Ganges - e eu teria que passar por ela para chegar a lugar principal dos Templos e das peregrinacoes. Nem pensar! Fiquei tonta, assustada e ...desisti! Imaginem se eu nao cruzo por aquela ponte pequena que liga Torres ao Passo de Torres, ia cruzar por essa que eh larguissima! Almocei e fui  para Haridware , sem conhecer a parte mais bonita de Rishikesk e tendo pesadelos de que precisava atravessar aquela ponte com meus filhos bem pequenos.





















Haridware estah localizado bem onde o Ganges, o rio sagrado da India,  emerge do Himalaya. Aqui ocorre a mega Kumbh Mela, a cada 12 anos, que reuniu, no ultima vez , 20 milhoes de peregrinos - a proxima ocorrera em 2010. Eh uma cidade mistica , com impressionante numero de templos. Assisti aqui aa cerimonia diaria do anoitecer e  aa do amanhecer. Pelas fotografias se pode ter uma ideia do numero de pessoas. 





















Da moca que vende barquinhos de flores para soltar no Ganges, comprei um , mas nao o levei...era muita gente aglomerada ali... apenas pedi a ela que me permitisse fotografa - la. Eh muito impressionante o que  acontece diariamente nas margens do Ganges. Haridware e Varanassi foram as cidades que mais me emocionaram. Pretendo um dia voltar a visita-las  e visitar tambem Nainital, que nao fui desta vez e que desejo muito conhecer. Haja vida para tudo o que quero fazer !























Lembro o poeta indiano Rabindranath Tagore, premio Nobel de Literatura:
" Despertei e vi que a vida era soh servico. Servi e vi que o servico era alegria" E eu acrescento : e descobri, depois do servico,muita coisa para fazer com  alegria.