segunda-feira, janeiro 04, 2016

Viena: Tradição e Modernidade - 1a. Parte


Comovente escultura na Westbahnhof em Viena

Apesar de Viena - com  quase dois milhões de habitantes - ser grande demais para o meu gosto, a ela gosto de retornar sempre que viajo para o leste europeu. É imponente, artística, bonita. Em trem da OBB, fiz Verona/ Innsbruck - um intervalo de 20 minutos para troca de trens -  e Innsbruck/Viena, perfazendo um total de 8h40min. Viagem um pouco cansativa, salvo para quem a faz pela primeira vez e fica atento à beleza da paisagem de montanhas e vales.



Foto colorida. Paisagem de Inverno. Viena

Abro um parênteses para contar-lhes uma patetice minha, e o prejuízo que ela me deu. Antes de sair do Brasil, mais especificamente em meados de novembro, verifiquei o preço do bilhete Verona-Viena, via Innsbruck . Estava em oferta por 39 euros. Deixei para comprar depois - o depois que eu tanto odeio! - e esqueci...Lembrei-me quando estava em Verona e já faltava uma semana para vir à Áustria. As ofertas haviam terminado.  Só me restava pagar o preço atualizado: 119 euros! Chamei-me de incompetente, irresponsável, lerda, lesa...e de coisas piores, como gorda burra. Só fiz as pazes comigo mesma após algumas horas.



Chocolate quente para suportar o frio

Se em Verona estava frio ( -2 graus ) , aqui está gelado ( - 6 graus ) . Nosso primeiro passeio foi para Schöbrunn,  Eu estava ansiosa para mostrar a Pedro aquela concentração de beleza e imponência. Começou a ser construído em 1638 e 1643. Cem anos depois, Maria Teresa, Imperatriz da Áustria, transformou-o em residência de verão da família imperial austríaca. Hoje o barroco Schöbrrunn é o principal monumento histórico e cultural do país.



Ao fundo, a Gloriette - de onde se tem bela visão de Viena.

A família imperial residiu neste palácio, durante o verão, de meados do século XVIII até o final da Segunda Guerra Mundial. O complexo todo - palácio, parques e jardins - ocupam 160 hectares.Possui 1400 quartos!  Desde 1996, está incluído na lista de Patrimônios da Humanidade pela UNESCO. Aqui viveu Leopoldina de Habsburgo, até 1817, quando se casou com o Imperador brasileiro, D. Pedro I. Os Habsburgos estiveram durante 600 anos no governo de Viena.



Detalhes de Schöbrunn - Fonte de Netuno com água congelada.


Neste dias de inverno, anoitece antes das 17 horas. O frio intenso nos impelia a caminhar rapidamente para ver esculturas, jardins e monumentos que tanto nos interessavam. Já visitei Schöbrunn na primavera e no outono, quando um dia era suficiente para vê-lo quase todo. Desta vez, não chegamos ao Zoo do Palácio, o maior Zoo particular da Europa. No inverno, tem-se pouco tempo com visibilidade. A visita fica, portanto, bastante prejudicada.



Inverno testemunhado pelas árvores do Palácio

Mais pelo frio do que pela intenção de fazer compras , usamos metade de um dia para percorrer Mariahilfer Strasse , uma rua intensamente comercial. Apesar das liquidações bastante anunciadas - típico panorama europeu do início de janeiro - quase nada compramos. No interior do Mato Grosso do Sul, aprendi a expressão que repito muitas vezes para o Pedro : caro pra encrenca! Sim! Áustria é um país nada econômico para nós.


Liquidações

Encontram-se, em Viena, todas grifes  mundialmente conhecidas, como Hermès, Nike, Louis Vuitton, Vans, Gucci, Versace e tantas outras.  Quando escuto, entretanto, alguém falar em  roupas de marca  tenho sempre vontade de perguntar se existem roupas anônimas. Marcas todas têm...ainda que seja uma marca bem desconhecida. Interessante que de marca  tem sido  expressão usada para roupa ou acessório caro, famoso, que está na moda... Por várias razões, doi ouvir...


Árvore de Natal com neve de verdade

Encantam-me os cafés vienenses. Eu poderia, sem problemas, viver só de café  ou só em cafés nesta bela cidade. Os pães e as tortas não superam os da Itália, mas não perdem para eles também. Hoje, em razão da neve intermitente, fizemos das cafeterias nosso principal refúgio - e nos deliciamos com isso. No almoço, entretanto, encaramos, no restaurante do Leopold Museum, um risoto de funghi e rúcula - estava divino.


Risoto de funghi e rúcula! Delicioso.

Apesar da neve , estamos tendo  dias bem aproveitados. Além das cafeterias, comprinhas e Schöbrunn,  já visitamos a Catedral de São Estêvão - Stephansdom - e o quarteirão dos museus - Museumsquartier - onde pretendemos voltar, porque só ficamos, dessa vez, no Leopold Museum, em que fomos especialmente visitar Gustav Klimt. Há muito o que rever e o que mostrar a Pedro. Acredito, no entanto, que seis dias é um bom tempo para Viena.


Pedro e ....Gustav Klimt

" ...E como é branca de graça       
A paisagem que não sei, 
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei."

Fernando Pessoa


Natal ainda nas ruas


Pedro
PS. Continua....este post e , de acordo com as previsões, a neve também.