domingo, junho 07, 2015

Ronda : Berço das Touradas


Voltei aos trens! De Málaga, bem cedinho, fui a Ronda, onde passei o dia. Encanto de pequena e histórica cidade. Com menos de 40 mil habitantes e com 744 metros de altura, merece uma visita, mesmo que seja um bate-e-volta como eu fiz. Ronda era um dos lugares preferidos de Alexandre Dumas, Ernest Hemingway, Rainer Maria Rilke e Orson Welles. Bom gosto tinham eles!


Comecei minha visita pela Praça de Touros, já que a cidade é considerada o berço das touradas e sua Praça, uma das mais antigas da Espanha. Construída em 1785, dizem ser a meca dos fãs desse esporte - o que está longe de ter minha preferência. Admirei muito,entretanto, sua arquitetura, especialmente sua fachada barroca. Linda. 

Praça de Touros
A Praça, em tons suaves, mostra arcos com galerias,  um museu interessante  com fotos de pessoas famosas e histórias que eu desconhecia totalmente. Tem sessenta e seis metros de diâmetro. Por ser grande, é uma das mais perigosas. Abriga, no entanto, apenas cinco mil lugares - muito pequena se comparada com a praça de touros do México, com seus cinquenta mil lugares. 

Em frente à praça...
O Museu Taurino exibe objetos entre curiosos e assustadores, como os trajes sujos de sangue que foram usados pelos famosos toureiros Pedro Romero e Jesulin de Ubrique. Duas fotos salientam-se
no Museu: a de Orson Welles e a de Ernest Hemingway - este último, autor do romance Morte na Tarde ( 1932 ). Nessa  obra, Hemingway  expressa sua grande paixão pelas touradas e narra , com detalhes, o medo e a tensão que a Praça provoca.

Toureiros....
famosos
                         
Ronda é uma cidade pequena, mas  com muito o que mostrar a turistas e viajantes. Fundada no século IX a.C. é, portanto,  uma das cidades mais antigas da Espanha. Seu centro histórico era repleto de mesquitas e riquíssimos palácios. Seu passado é bem referido no folclore espanhol. Sua paisagem é realmente espetacular - está  à beira de um desfiladeiro de 100 metros, onde, ao fundo, corre o rio Guadalevín.

Vista do  rio Guadalevín.
Entre os  principais pontos de interesse de Ronda, que podem ser vistos em um dia, destacam-se a Igreja de Santa María la Mayor, a Casa do Rey Moro, o Museu de Ronda, os Baños Árabes, o Museu Lara ( interessante pelo mix que abriga ), a Praça de Touros, o Museu Taurino e suas estreitas e encantadoras ruas. 
Vista de Ronda antes da Ponte Nova
Fora da cidade antiga -  extramuros - é interessante  visitar o Bairro São Francisco, onde antes havia um cemitério muçulmano. O Bairro teve sua origem num pequeno mercado, no século XV, por decisão de nele morarem os mercadores que se negavam a pagar altos impostos para comercializar seus produtos na cidade amuralhada. Hoje abriga alguns hoteis e restaurantes. Tornou-se famoso por seus bares de Tapas.


Iglesia de Santa Maria la Mayor
A Igreja foi construída no lugar onde, originalmente, estava a Mesquita da cidade. Logo ao entrar nela, pode-se ver um arco com inscrições árabes, que faziam parte do antigo  mihrad - o nicho para orações que indicava a direção da Meca. Declarada Monumento Nacional, mostra uma mescla de estilos e ornamentos, indicativos de épocas diversas. A Iglesia de Santa Maria la Mayor era dividida em duas partes: os aristocratas ficavam na parte da frente; o povo, na de trás. Hoje, paga-se ingresso para visitá-la.























O Centro Histórico está rodeado por enormes muralhas, com duas antigas portas a Porta de Almocábar, islâmica, que no século XIII era o principal acesso ao Castelo; e , do século XVI, a Porta de Carlos V. O lugar conserva ainda o mesmo labirinto de ruazinhas do tempo dos mouros. Conserva também algumas mansões de poderosas famílias, cujos ancestrais - dizem - acompanharam a Fernando, o Católico, na tomada da cidade, em 1485.






A Ponte Nova é uma das fantásticas atrações da cidade. Construída em 1793, a partir do projeto elaborado por J. Aldehuela, atravessa o Tajo de Ronda, abertura escavada pelas águas do rio Guadalevín. Ao atravessar essa Ponte, tem-se grandiosa e inesquecível visão de parte da cidade, das casas penduradas no penhasco e dos antigos moinhos. Para sua construção, aproveitaram-se as paredes - quase verticais e com 90 metros de altura - do Tajo. Os pilares, que lhe foram agregados, são impressionantes pela grandiosidade, altura e beleza.





















O Museu de Ronda está num edifício mudejar, mandado construir pelo rei Abomelic, no século XV. O Museu Lara é muito particular em todos os sentidos. Seu proprietario - Juan Antônio Lara Jurado - mora no andar superior do palacete. É colecionador desde os dez anos de idade. Hoje, com mais de 70 anos, reuniu um mix inimaginável, de quinquilharias a objetos de grande valor,como: relógios, armas, rádios, telefones, balanças, máquinas de costura e câmeras. Gostei dos antigos projetores de cinema.

Cardápio afinado com a cidade...
Depois de já ter caminhado muito pela cidade nova e pelo cantro histórico, fui a um restaurante que me indicaram como sendo muito bom - e, de fato, era excelente. Para estar de acordo com o ambiente, já que eu estava perto da Praça Taurina. decido comer rabo de touro com verduras - nosso conhecido espinhaço no Rio Grande do Sul. Acrescente-se que o café também era bom. 
























Ronda  é uma cidade a que pretendo voltar. Será que existe mesmo outra vida? Nesta, parece que vai me faltar tempo....

Proximidades de Ronda
" O que é o presente?
É uma coisa relativa ao passado e ao futuro.
É uma coisa que existe em virtude de outras coisas existirem.
Eu quero só a realidade, as coisas sem presente."

Fernando Pessoa

Campos da Andaluzia