terça-feira, junho 14, 2011

Montreal, a Cidade de Leonardo Cohen.



Sempre me falaram em Montreal como uma cidade de língua francesa. Saio daqui com a convicção de que Montreal é bilingue ; francês e inglês. Fala - se inglês sem problema - e falam-se muitas outras línguas porque, tal como Toronto, é uma cidade multicultural. Apesar disso, é a segunda maior cidade falante de francês no mundo,  vem logo depois de Paris.


Ostenta denominações como: cidade mais europeia do continente norte-americano; capital das artes,dos espetáculos e da cultura; cidade de Leonardo Cohen, em que ele aprendeu a cantar, escrever  e pintar. Onde, entretanto,  eu percebi mais o europeísmo de Montreal foi na elegância das roupas e das pessoas e na presença de invejáveis cafeterias - eu amo café e conheço as cidades pelo cheiro dele! Sim, e também no fato de que muita gente circula pelas ruas.


Leonardo Cohen, meu ídolo!


Só podia mesmo ser capital das artes. Cerca de noventa festivais se realizam aqui todos os anos. O Festival de Jazz de Montreal é um dos mais famosos no mundo. A Place des Arts ( http://www.pdarts.com/ )é um grande complexo de salas de espetáculos e de teatros, situada em meio a outra ampla praça , junto ao Museu de Arte Contemporânea - esse museu prioriza os artistas contemporâneos do Quebec.





















A cidade tem duzentas companhias profissionais de teatro e cinquenta companhias profissionais de dança. No Museu de Belas Artes, encontram-se obras de pintores famosos, como Rembrandt. A produção em Arte de Rua impressiona pela beleza e boa qualidade.A democratização do acesso à arte pode ainda ser percebida na presença de muita esculturas, em estilos diversos, espalhadas por Montreal.Como se não bastasse tudo isso, é a cidade de Leonard Cohen e o nascedouro do mundialmente conhecido Cirque du Soleil. Passávamos na Praça das Artes todos os dias e ficávamos impressionados com o grande número de pessoas circulando pelo local ou conversando em bares próximos.





















Encantei-me com a cidade subterrânea com seus dezoito quilômetros de ruas embaixo do centro da cidade.e onde se vêem shopings , cinemas, bares, galerias, restaurantes, livrarias, centros de lazer, estações de metrô e muita gente o tempo todo. São mais de 1600 lojas, 40 bancos, 30 cinemas e 10 estaçoes de metrô. Alguns prédios de hotéis e grandes magazines principalmente têm sua "continuidade"para a subterrânea. O uso de muitas estruturas de vidro faz com que belos raios de sol cheguem até a , totalmente climatizada, underground city.



.

















Há muitos lugares a serem visitados em Montreal, como a Basilica de Notre Dame; o Velho Porto , revitalizado, em 1980, e transformado numa imensa área de lazer; a  Santa Catarina, rua com o maior número de lojas do Canadá; o Parque Olímpico; o  Parque Mont - Royal , construído por Frederick Law Olmsted que tam,bém criou o Central Park de Nova York; o Bairro Chinês e os museus e galerias. Distante bem menos de cem km da fronteira americana, Montreal merece ser visitado - e bem visitado. Está na lista das vinte cidades mais seguras do mundo e nas cinco mais seguras da América. Uma cidade segura , a priori, já  me atrai, já a considero uma cidade boa de visitar. Eu tenho medo de sentir medo.