segunda-feira, julho 12, 2010

Beijing (Pequim) I






















Capital da República Popular da China, Beijing – ou Pequim – tem cerca de 18 milhões de habitantes e faz a síntese da China Moderna , com as contradições que já tem e as que aparecem a cada dia. Convivem nela bicicletas, motos, carros e pessoas - pessoas com diferentes “estilos” – do tradicional à moda internacional.























O primeiro lugar que visitei , foi o centro de Pequim, o seu cartão postal mais conhecido. Senti até dor no estômago quando caminhei pela praça Tiananmen , “ a maior do mundo’ como é apresentada a turistas , visitantes e viajantes. Estava ali, muito vigiada , essa Praça do Portal da Paz Celestial. Era, no entanto, muito forte a imagem que minha memória guardava dos protestos estudantis, em 1989. A imagem, dessa época, de um estudante na frente de um tanque de guerra, não me abandonava. Aquela praça , não pude percebê-la como um lugar de alegria e convivência pacífica.






















Não visitei também o Mausoleo de Mao Tse Tung. Não me senti atraída nem pela praça , nem pelo Mausoleo. A história recente da China tem vínculos, ainda que tênues, com a história da minha geração, quando se discutia, utopicamente, uma opção entre o comunismo brasileiro ou o comunismo do Brasil. Não se pode deixar de ver Pequim.





















Encantaram - me a Cidade Proibida, a Grande Muralha, o Ninho de Pássaros e outros tantos monumentos que visitamos e sobre os quais escreverei a seguir.