terça-feira, setembro 22, 2009

Sobre cotidiano

Parece que o meu destino é mesmo andarilhar. Ou é destino ou é decisão. Aproveitei este mês para conhecer detalhadamente a região. Transito, o tempo todo, entre: Pana, Paxton, Bloomington, Champaign, Decatur, Springfield, Rantoul, Gibson, Montecelo,Taylorville, Shelbyville, Tuscola, Mattoon e tantas outras cidades principalmente de Illinois. Neste período do ano, as estradas são um pouco monótonas: percorrem-se quilômetros, muito planos, com plantaçoes de milho à direita e plantaçoes de soja `a esquerda. Tudo muito verde. Depois muda: soja à direita, milho à esquerda. Na última semana, mudanças na paisagem: milho e soja amarelando! Logo o verde será substituído pelo amarelo. Saudades de algum morrinho!
Descubro, cada dia, uma característica ou traço da cultura local que eu ainda não apreendera. Tem sido ótimo conviver com o hábito de servirem café , num copo imenso, em todas as refeições, em qualquer restaurante. Recebemos muitos convites para almoços, piqueniques, festas. Na semana passada, fui a dois eventos muito interessantes. O primeiro, um almoço na casa de Pauline, uma senhora que foi missionária no Equador durante vinte anos e hoje vive numa fazenda em Gibson. Pauline tem elegância, agilidade e vivacidade que encanta a qualquer pessoa. Meu sonho é chegar à idade dela e me parecer com ela. Ela me ensinou a fazer uma torta de maçã fantástica e muito fácil . A massa é feita com duas xícaras de farinha, uma xícara de manteiga e meia xícara de água. Depois de bem amassada e aberta cobre-se uma forma com a metade dessa massa. Descascam-se as maçãs (muitas) e cortam-se em pequepos pedaços , que são postos na forma. Sobre essas maçãs picadas, polvilha-se uma xícara de açucar e meia xícara de farinha , Acrescentam-se pedacinhos de manteiga. Cobrem-se as maçãs com o restante da massa aberta , faz-se aquele "enfeitinho" nas bordas e põe para assar - os primeiros 15 minutos em fogo alto ( 180) e os restantes , em torno de 45 min, em fogo baixo. Fica uma delícia. Adorei a visita a Pauline. O segundo evento foi um almoço em Bloomington, no que resta da Escola Militar onde Ronald foi aluno interno durante quatro anos de sua adolescência. Funciona, nesse lugar , um centro comunitário, com muitos eventos voltados à terceira idade. Tem um parque lindo e uma escultura fantástica, colocada ali pelos ex-alunos com o objetivo de manter a memória do lugar. Foi distribuída uma publicação dirigida aos ex-alunos, com a listagem dos que se inscreveram para a festividade deste ano e , no final , a lista dos que morreram após o último encontro , há dois anos. A concretude da transitoriedade me abalou muito. Ronald está entre os mais jovens - ainda bem - sempre temo o único estado civil que eu não ainda não experimentei!
As igrejas aqui constituem o ponto de encontro de muitas pessoas e talvez a referência maior de amizade, convívio e solidariedade. Penso em escrever sobre isso. Amanhã cedo, viajaremos para Michigan. Ficaremos por lá alguns dias. Espero fazer boas fotos . Sei que a região é linda. Estou curiosa.
"Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de, vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto.."
Fernando Pessoa