terça-feira, janeiro 03, 2017

Otavalo, outra atração do Equador


A caminho de Otavalo

Leva-se normalmente cerca de duas horas de Quito a Otavalo, apesar da distância ser pouco mais de cem quilômetros. A estrada é muito movimentada, mas é bastante bonita. Como o dia estava claro, foi possível ver bem dois vulcões: o Imbabura, com 4609 metros, e o Cotacachi, com 4939 metros. Fomos de carro, pois optamos por um tour individual - das 8h às 19h.


Lagoa de Cuicocha

Fomos pela rodovia Panamericana ( E35 ). No caminho, fizemos duas paradas para tomar café ( sem café, nem enxergo bem a paisagem!). Paramos , uma vez, no município de Cayambe, famoso pela produção de biscoitos, que são assados em forno a lenha e servidos com acompanhamento de queijo de folha ( fatia bem fininha), também típico da região. Outra parada foi numa cidade famosa pela produção e exportação de rosas.

Representação de danças típicas

Apesar de ser uma cidade pequena - mais ou menos 30 mil habitantes - Otavalo tem uma das maiores, se não for a maior, feira indígena da América do sul e o maior mercado a ceu aberto do mundo - assim dizem os equatorianos. O grande dia do mercado é sábado, quando turistas e habitantes locais vêm fazer suas compras. Pareceu-me que as malhas de alpaca é que fazem o maior sucesso com os turista - são lindas mesmo!


Colorido artesanato local

Quarta-feira também se pode visitar a parte do Mercado que, em barraquinhas, está localizada na Praça dos Ponchos. Há muito o que ver : roupas, em especial, as roupas de inverno, como mantas, casacos, blusões, blusas , ponchos, meias, luvas, gorros andinos e roupas infantis; bolsas e mochilas de couro e de tecido; brinquedos  feitos com madeira; alimentos, tapetes, peças de decoração, pinturas e esculturas.... e muita coisa mais...


Comprei três pares de luvas por 12 dólares

Impressionou-me bastante  a limpeza das ruas, mesmo com uma feira tão grande e visitada por tantas pessoas. Impressiona também - e encanta - a beleza das pessoas da localidade, com as roupas típicas de sua cultura, usando-as inclusive para ir à escola e para trabalhar. Homens e mulheres usam cabelos longos, em geral tranças.


Uso de trança conforme etnia

Os homens não cortam nunca os cabelos. Usam uma longa trança. Cortar os cabelos significa romper con sua etnia. Mesmo em Quinto, na capital, vê-se, o tempo todo, estudantes, operários, pessoas em geral, usando cabelos trançados e roupas tradicionais.


Uso de roupas tradicionais na escola

Considero que visitar o Mercado de Otavalo, de preferência no sábado, e conhecer o Lago de Cuicocha - que está numa cratera vulcânica - é verdadeiramente imprescindível para quem visita o Equador. Experimentar as saborosas frutas equatorianas é altamente aconselhável, incluindo as bananas, já que o país é o maior produtor mundial dessa fruta. 


Maquete da área de Cuicocha

Foi nesse passeio a Otavalo  que, pela primeira vez, comi Locro de Papas con Queso, uma sopa estupenda, tipicamente da serra equatoriana. É feita com batatas, manteiga, alho, cebola, água, leite,queijo, sal, temperos  e tiras ou quadrados de abacate. 



Locro de batatas e queijo



Quem vai ao Equador -  encantadora visita na América do Sul -  deve mesmo ir a Otavalo,  Capital Intercultural do Equador, ponto de comércio dos Incas durante o século XV, embora já existisse, no período pré-incaico como mercado de trocas. Situada na Cordilheira, sua altitude é de 2 500 metros.

Tradicional design
A partir de Quito, pode-se chegar a Otavalo de carro ou de ônibus - da Estação Rodoviária ao Mercado são quatro ou cinco quadras. Penso, no entanto, que convém contratar - por 120 dólares - um tour individual, que possibilita fazer paradas em cidadezinhas bem interessantes, tomar café e ver lagoas belíssimas. Se não resistir e comprar algumas peças de lã de lhama e  alpaca, elas vão estar no carro durante os passeios e só vão ser carregadas na chegada ao hotel. Facinho, facinho.


Artesanato feito em áreas indígenas

"Cada um cumpre  o destino que lhe cumpre,
E deseja o destino que deseja;
Nem cumpre o que deseja,
Nem deseja o que cumpre.







Como as pedras na orla dos canteiros
O Fado nos dispõe, e ali ficamos;
Que a Sorte nos fez postos
Onde houvemos de sê-lo.


Lagoa em cratera de vulcão

Não tenhamos melhor conhecimento
Do que nos coube que de que nos coube.
Cumpramos o que somos.
Nada mais nos é dado.

Fernando Pessoa


O tapete que eu tive vontade de comprar