domingo, maio 21, 2017

Rosaleda no Buen Retiro - Madrid



Roseirais do Parque Buen Retiro

Visitar o Parque del Buen Retiro é uma boa ideia. Visitá-lo, durante o mês de abril, é uma super boa ideia. Além do Parque ser fantástico sempre , no final do inverno reveste-se  com verde-verde, de tonalidades diversas. Acresce-se a isso as flores multicoloridas, distribuídas por todo o espaço. E lá estão a Rosaleda ou Roseiral...


Rosaleda

Denomina-se rosaleda ou roseiral  a  jardins  onde se cultivam exclusivamente rosas. Há rosaledas ou roseirais em vários países - um dos mais famosos, porém, parece-me ser o Jardim de Ramón Ortiz, a Rosaleda de Madrid, cuja extensão é de 32 mil metros quadrados, que se localiza no oeste do Parque Bom Retiro.




Portais ao longo do Jardim

Nesse espaço, estão alojadas 600 variedades de rosas, num total que supera 20 mil roseiras, num jardim mantido pela Prefeitura. No mês de maio, todos os anos, desde a criação dessa rosaleda, acontece o Concurso Internacional de Rosas Novas da Cidade de Madrid. As variedade premiadas passam a fazer parte da coleção permanente deste jardim.




Harmoniosos conjuntos em todo o jardim


Um passeio à Rosaleda de Madrid  é  um presente raro aos sentidos. Logo na entrada, já se sente o delicado perfume das flores. Cores e formas encantam - um lugar para estar ao menos um par de horas. Ainda se pode ver a diversidade da cultura dos visitantes, oriundos de muitos países, expressa externa e principalmente pelo vestuário.


Muitas visitas

Minhas amigas, Isolda e Duda, e eu visitamos o Parque de Bom Retiro numa quarta-feira. O grande número de visitantes dava a impressão de ser sábado ou domingo. Além das rosas serem lindíssimas, o verde-jovem das folhas vindas com a primavera davam ao Jardim, assim como ao Parque todo, aquela vontade de viver  bem, oferecida pelos espaços bonitos e tranquilos.







"Elas são vaporosas,
Pálidas sombras, as rosas
Nadas da hora lunar...
Vêm, aéreas, dançar
Com perfumes soltos
Entre os canteiros e os buxos...
Chora no som dos repuxos
O ritmo que há nos seus vultos...
Passam e agitam a brisa...
Pálida, a pompa indecisa
Da sua flébil demora
Paira em auréola à hora...
Passam nos ritmos da sombra...
Ora é uma folha que tomba,
Ora uma brisa que treme
Sua leveza solene..."
Fernando Pessoa