sexta-feira, outubro 07, 2016

Joia da Polônia: Poznan

Tradicionais cabras de Poznan

Conta a lenda que, em 1511, veio a Poznan uma alta autoridade para a inauguração do relógio na torre da Prefeitura - alguém que era como um governador . Quando estava por ocorrer a inauguração, aconteceu algo inesperado: surgiram, no alto da torre, onde estava o relógio, duas cabras, que se enfrentavam batendo os chifres uma na outra.


Outra versão das cabras...

Diante do inesperado fato, que surpreendeu e divertiu a comitiva de visitantes, o governador, considerando isso um bom presságio,  decretou que, junto ao relógio, fossem instaladas duas cabras mecânicas que, todos os dias ao meio-dia, batessem os chifres ( delas!) doze vezes, a fim de recordar o hilariante episódio. Desde então, isso acontece na torre principal da Stary Rynek.


Torre da Prefeitura

Tal como acontece em Praga, na hora em que o relógio vai badalar e mostrar figuras, há um aglomerado de turistas nas proximidades. Conta a lenda também que as cabras apareceram na Torre por terem fugido do cozinheiro, que pretendia assá-las para o banquete, depois de ele haver deixado queimar dois veados que seriam o prato principal.



Stary Rynek, antiga praça do mercado

O Centro Histórico - ou Centro Velho - de Poznan está ao redor da Stary Rynek, antiga Praça do Mercado. É o movimentadíssimo lugar onde estão restaurantes, bares, interessantes museus, edifícios lindos, belas esculturas, fontes e músicos - velhos músicos que executam tradicionais canções polonesas. É um bonito retrato da antiga Poznan.


Muitos conjuntos arquitetônicos assim....

Poznan tem ao redor de 600 mil habitantes - e que gente bonita! É a quinta maior cidade polonesa. De 968 a 1038 foi capital do antigo império - depois, transferiram a capital para Cracóvia. A histórica Poznan está localizada na Grande Polônia - Wielkopolska - região onde o pais nasceu na Idade Média e que é conhecida como o berço do Estado polonês.


Ouvem-se aqui tradicionais canções polonesas

Poznan, que começa sua trajetória no século IX, foi sempre uma cidade importante como centro comercial, isso em parte pela sua localização, entre Varsóvia e Berlin. Apesar de sua importância, ela não foi poupada de conflitos bastantes duros, especialmente na Segunda Guerra Mundial, quando a região toda sofreu terrível destruição.


Colégio dos Jesuítas

A Polônia é um país católico - o que explica o grande número de igrejas. Poznan foi sede do primeiro bispado do país. Há, de fato, algumas igrejas lindíssimas. Visitei somente três delas porque permaneci muito tempo na Igreja Franciscana, assistindo a um casamento - cujas fotos estão no post http://correndomundo.blogspot.com.br/search/label/Rituais%20de%20casamento
   

Igreja Franciscana - século XVII - com interior barroco

Fomos, Adriana, Pedro e eu, caminhando até a Catedral de Poznan - quase dois km desde a Praça Central. Construída no ano 969, é a Catedral mais antiga da Polônia. Está localizada numa ilha do rio Vistula, rio que passa pela cidade. Conhecida pelas suas duas torres, pela sua Capela Dourada, em estilo bizantino, e por dois Mausoleus que ficam atrás do altar-mor, tornou-se visita obrigatória.


Catedral

Há museus interessantes na cidade, como o Museu Histórico de Poznan, localizado na Prefeitura, construída entre 1550 e 1560, onde aparecem as duas cabras ao meio-dia; o Museu Militar, que expõe armas usadas nos muitos conflitos que envolveram a Polônia; o Museu de Instrumentos Musicais e o Museu de Artes Aplicadas.


Magníficos palácios ao redor da Praça do Mercado

Chegamos a Poznan de trem, vindos de Wroclaw, em 3h30min.  Pode-se vir também de ônibus, com mais tempo de viagem e menos conforto. Ficamos hospedados no Hotel Ibis. Percorremos a cidade a pé, em um dia e meio. Gostamos muito do que vimos.


Arte de Rua

Não visitamos o Parque da Cidade, que, conforme  eu li, é lugar de muitas informações históricas sobre a região. Penso, no entanto,  voltar à Polônia e ir a Gdansk, Lublin e Zakopane - cidade que está no pé das montanhas Tatra, na fronteira com a Eslováquia. Veremos!


Fonte no Centro Antigo

" Ter pressa é não saber chegar.
Vou devagar.
Vou devagar porque o que é sorte,
E o que é morte,
Não as busco, não as evito,
Vem-me buscar.
Por isso vou sob o infinito
Sem me apressar."

Fernando Pessoa


Mais informações....