quinta-feira, julho 07, 2016

San Petersburg: Palácio de Catarina

Palácio de Catarina...com chuva e frio...

Pedro, o Grande, deu início à construção de San Petersburg em maio de 1703, para onde, em 1712, veio transferida a capital do País, que, dois séculos depois, retornou a Moscou. Catarina continuou o legado de Pedro, transformando a Rússia numa grande potência. Há registros de que ela era muitíssimo inteligente, bem informada e bem relacionada ( nada a ver com as fofocas que se contam).

Escada de Gala do Palácio de Catarina


Catarina  foi presenteada  por seu  seu marido - Pedro, o Grande - com muitas terras, onde já havia um pequeno e simples palacete  - distante 25 km de San Petersburg.  Logo iniciou a construção de um grande palácio e a melhoria de seu entorno. Foi, porém, somente no reinado da filha de Pedro - Isabel Petróvna - que essa residência pode, com todos os direitos daí advindos, estar no local denominado Tsarskoe Seló, que significa Aldeia do Czar ou Aldeia Real.

Sala Grande



Isabel Petróvna encarregou  o arquiteto Bartolomeu Rastrelli de reformar para ela o palácio principal do conjunto, conhecido historicamente como Palácio de Catarina. Com uma fachada de mais de 300 metros, não se poupou dinheiro para que todas as fantasias, tanto da imperatriz quanto do arquiteto, tivessem a expressividade plástica desejada.

Sala dos Espelhos


Somente para o acabamento externo da fachada foram utilizados 100 quilos de ouro. Por curiosidade, perguntei de onde vinha tanto ouro, já que, em Peterhof, também eu recebera a informação do uso de outros 100 quilos de ouro. Responderam-me que vinha da Sibéria...Pensei em quem garimpava esse ouro e ... não tive mais vontade de fazer perguntas.




A Sala Grande do Trono tem área de 846 metros quadrados. A Sala de Pintura é exageradamente luxuosa e bonita - piso, paredes e teto. A Sala dos Espelhos é ofuscante de tanto dourado - e eu aprendi, em San Petersburg, que tudo o que parece ouro...é ouro!




Não só o ouro produz efeitos fantásticos no Palácio, há outros materiais magnificamente trabalhados, como a madeira , vista acima nesse detalhe do piso. É permitido fazer fotos tanto na parte interna,  quanto na parte externa do Palácio de Catarina, com exceção da riquíssima Sala de Âmbar - onde há vigilância constante no uso de câmeras fotográficas.


 
                                               Estufas com cerâmica estilo holandês
                        
A Sala de Âmbar consegue surpreender mesmo em meio a tanta suntuosidade e riqueza. É belíssima. É fascinante. Os paineis de âmbar que a decoram foram um presente que, em 1717, o rei da Prússia, Frederico I enviou para Pedro, o Grande. Três paredes, do piso ao teto, estão revestidas com mosaicos de âmbar de cor dourada, mostrando nuances diversas. Durante a Segunda Guerra Mundial, houve muitos roubos no Palácio e especialmente nessa Sala. O processo de reconstituição foi longo e demorado. Em 2003, foi solenemente inaugurada.





Com a mudança de regime, o nome Tsarskoe Seló foi trocado para Pushkin, poeta russo que estudou no Liceu da Aldeia Real e  glorificou - a com seus versos. No conhecido filme Anastácia ( 1997 ), o Palácio de Catarina é apresentado como sendo a residência da Família Imperial



                                           Detalhe dos 100 hectares do Jardim de Catarina
      
Diferentes   tours - como esse dos Palácios - podem ser facilmente encontrados porque oferecidos nos hoteis e agências de viagem.  O passeio pode ser feito também por conta e risco. Não custa caro, como , de resto, Rússia não é um país caro. Os russos me pareceram gentis, em especial os de San Petersburg. Acolhem bem os turistas - fonte imediata de renda. Falar inglês ainda não é rotina, mesmo nos ambientes como restaurantes e hoteis. Povo muito bonito os eslavos em geral.