quarta-feira, julho 08, 2015

Espanha/Porto Alegre/Alegrete/Rosario do Sul/Porto Alegre

Madrid
Uma amiga me chamava pelo nome de uma florzinha que cria raizes em pouco tempo, em qualquer lugar, porque, segundo ela,  eu criava raízes tal qual essa plantinha. Concordo. Não sinto falta da minha cama, do meu travesseiro, do arroz e feijão, do cotidiano, nada.... E mais, sinto sempre uma certa nostalgia ao retornar ...

Exposição no Museu do Prado
Assim foi, mais uma vez, com a Espanha. Parti pensando em retornar. Vim pela TAP - não gosto de viagens noturnas e prefiro não fazer conexão em Guarulhos ou qualquer outro aeroporto. Sim! precisei fazer uma rápida conexão em Lisboa. Durante as 11 horas de viagem - LIS/POA - assisti a quatro filmes - lançamentos bem recentes - almocei, jantei e cheguei às 19h. Voo muito tranquilo, para alguém- como eu - que ainda tem medo de avião. Foi um feliz retorno, com meu irmão, minha sobrinha e meu filho esperando-me no aeroporto.

Prefeitura de Alegrete
De POA , fui para Alegrete. Difícil o frio, assim, de repente.  Em tão pouco tempo, nem cheguei a percorrer essa cidade que considero minha. Vi poucos amigos. Saí, entretanto, feliz porque a encontrei bem cuidada, com parques e praças bem bonitos, apesar do rigor do inverno, e com muitas obras em andamento. Estive na Feira Anual do Livro, onde vi muitos amigos e encantei-me com o grande número de estudantes que visitavam a Feira.

Uma das entradas da Praça Getúlio Vargas em Alegrete

Alegrete , o maior município em extensão territorial do Rio Grande do Sul, com cerca 80 mil habitantes, é realmente uma bela cidade, para mim, plena de lembranças. Fotografei o Instituto de Educação Osvaldo Aranha e a Faculdade - neles  fui aluna e , depois, professora; o Divino Coração, o Emílio Zuñeda, e as escolas municipais, onde também ensinei. Considero-me alegretense por ter ganho esse título da Câmara de Vereadores, há mais de 20 anos. Orgulho-me de ter essa cidadania.


Trabalho de Ronald Mckinney na Bela União

De Alegrete, vim para Bela União, antiga propriedade de meus pais e  onde nasci há muitooooossss anos. Meu pai nasceu em 1909;  minha mãe , em 1911. Casaram e vieram morar neste lugar,uma parte da fazenda de meu avô italiano. Estava ela com 18 anos; ele, com 21. Tiverm sete filhos, em que  eu sou a do meio! Construíram uma casa com pedras unidas por barro - paredes com 80 cm de largura - num lugar em meio a serras e matos - natureza e beleza agreste e rara.

Entrada da Bela União
Meu pai morreu em 1954. Em 1997, após a morte de minha mãe, que já estava na cidade,  a casa da Bela União e seu entorno foram totalmente reconstruídos, até com resgate de árvores outrora existentes no lugar. Por um acordo feito, a propriedade seria administrada pela geração dos herdeiros atuais e só teria a interferência da geração seguinte  - futuros herdeiros - quando os atuais não mais existissem. 

Bela União
Hoje, Bela União tem mais de 400 árvores frutíferas, belos jardins e muitas árvores ornamentais. Produz variedade de frutas, como pêssegos, marmelos, figos, peras, caquis, laranjas, limas, bergamotas, uvas, amoras, pitangas, maçãs e framboesas. Lugar abençoado, como dizia Anália Pinto Menine.
Geada grande - foto às 8h30min
Muitas vezes  ouvi minha mãe - uma mulher bastante lúcida e generosa - dizer: Ai de quem deixar minha velha casa cair. A casa não caiu. O lugar continua muito bonito. Os herdeiros souberam preservá-la. Acredito ser essa a forma mais efetiva de respeitar e preservar a memória de nossos antepassados.

Renildo  e Mile
Da Bela União, fui a Rosário do Sul, visitar minha irmã mais velha, que fez uma cirurgia bastante delicada. Encontrei-a ativa como sempre foi. Além de atividades da casa, que ela insiste em continuar fazendo, nos intervalos borda e faz crochê. Conserva o senso de humor, valoriza a vida de cada dia, é gentil e atenciosa - um admirável exemplo.

Rio Santa Maria - Rosário do Sul
O trecho Rosário do Sul - Porto Alegre é longo e cansativo : mais de seis horas, numa estrada sem grandes atrativos. Ontem chovia e fazia frio, tornando-o pior ainda. Sobrou-me tempo para pensar e sentir doídas saudades, especialmente de Ronald. Estou, no entanto, tranquila. Foram dias proveitosos, com muitas obrigações  cumpridas. Agora, em Porto Alegre, organizo-me para voltar a Torres. A vida continua - sem pressa, mas sem pausa. 

Anoitecer na Bela União

PS. Alguém pode ajudar-me com informações ( urgentes )sobre visto, hoteis e voos para Cuba, partindo dos Estados Unidos? E Jamaica ? Please!

Camélias antigas na Bela União
"No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.
Tempo de camélias

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida."
Fernando Pessoa
...camélias de diferentes cores.