terça-feira, junho 23, 2015

Ávila e suas Muralhas: Patrimônio da Humanidade

Magnficas Muralhas de Ávila - século XII
Cheguei à Estação de Chamartin sem ter definido para que cidade eu iria. Eram muitas as opções que eu enxergava, apenas observando, no mostrador, as próximas saídas de trem. No último momento, optei por retornar a Ávila, onde já havia estado uma vez e visitado as igrejas principais. Veio-me o desejo de percorrer as Muralhas em toda a sua extensão. Concentrei-me nisso.

Muralhas próximas à entrada para a Catedral
Ávila é considerada média distância, com  trens frequentes por estar no caminho para Salamanca e outras cidades do Norte. Ainda não estão transitando, nessa parte do país, aqueles trens espanhois de alta velocidade - 250 km/h.  Gasta-se , então,  de Chamartin à estação de principal de lá, 1h30min. Já eram quase 11h quando cheguei. Calor. Sol forte. Decidi ir caminhando até o Centro Histórico. Por ser longe e cansativo , encarei essa caminhada como penitência...Cheguei a fazer o rol de  maldades minhas que poderiam  justificá-la...

Muralhas nas proximidades do antigo mercado 
Pensei em começar a visita entrando numa igreja, no interior das muralhas. Parei, entretanto, ao ver um restaurante - que me havia sido recomendado na Estação e que estava localizado quase na frente da Catedral. Pedi o menu do dia ( 15 euros ), em que se podia escolher o primeiro prato entre cinco opções; e o segunto, entre quatro outras.....



Rua da Catedral - Porta dos Leões
.........Incluía água, refrigerante, cerveja ou vinho, pão e sobremesa. Pedi água. Aceito que pensem ser um desperdício....Para comer, escolhi Judias de Ávila - feijão branco com linguiça - e o típico, Chuleton de Ávila, uma chuleta fininha feita na grelha. Comida razoável. A sobremesa, sim,  arrasou: creme de queijo coberto com geleia de amora.

Ruazinha linda no interior das Muralhas
Tomei um café e , assim, devidamente alimentada e hidratada, passei pelo Centro Histórico e , saindo pela Porta do Rastro, fui percorrer, externamente, os dois quilômetros e meio de imponentes muralhas - que estão entre os perímetros medievais mais bem conservados do mundo - as mais perfeitas que conheço na Espanha. Têm 88 torres de observação, mais de 2 mil torres e 8 portões monumentais. À noite, ficam totamente iluminadas.Lindo de se ver.

Uma das oito Portas  Monumentais
Ávila é uma cidade profundamente religiosa. Há séculos, recebe peregrinos que cultuam Santa Teresa de Ávila, a Teresa de Cepeda y Ahumada, nascida aqui, em 28 de março de 1515. Uma igreja foi construída em torno do quarto onde Santa Teresa nasceu e ,  exatamente no lugar do quarto, construíram  uma capela, adornada com ouro, e com um belo altar barroco, onde está uma estátua da Santa.

Comemoração dos 500 anos de Santa Teresa
As grandes festas deste ano, na cidade, são comemorativas aos 500 anos do nascimento de Santa Teresa. Ela foi a segunda mulher a ser reconhecida como doutora pela Igreja Católica - a primeira foi Santa Catarina de Siena. Pode-se visitar o convento de Santa Teresa, construído em 1636, e ver a igreja, a sala de relíquias e um pequeno museu. Entre as relíquias, um anel dela acompanhado do dedo anular. Essa relíquia macabra Franco a manteve na sua mesinha de cabeceira enquanto governou a Espanha!

Roseiras em trechos das Muralhas
Teresa era uma entre os 10 filhos de uma família de comerciantes. Sua mãe  morreu, e ela foi criada por freiras agostinianas. Aos 20 anos, transferiu-se para a ordem das carmelitas. Tudo transcorria sem novidades, até que ela começou a ter visões terríveis do inferno em 1560 - nessa época não se fazia análise ou terapia. Decidiu, então, que sua verdadeira vocação era reformar a ordem carmelita.

Cartaz espalhado por toda a cidade
Contrariando a riqueza eclesiástica do século XVI, na Espanha, Teresa criou um estilo muito simples para a Ordem Carmelita - as freiras andavam descalças, viviam em condições extremamente básicas e até empregavam o flagelo para expiar seus pecados. Ela fundou o conventos de Carmelitas Descalças por todo o seu País. Morreu em 1582 e foi canonizada pelo papa Gregório XV em 1622.

Porta del Carmem
Fora o turismo religioso, o grande destaque de Ávila são mesmo as muralhas e seus portões magníficos. É interessante  fazer um passeio de Muralito, um encanto de trem turístico que faz um circuito completo ao redor das muralhas em 30 minutos. No mais,  os outros destaques são mesmo as igrejas, como a Basílica de São Vicente, que teria sido morto pelos romanos, no século IV, juntamente com suas duas irmãs; a Catedral, o Convento de Santa Teresa e a Igreja de São Pedro.

STJ 500 
O predomínio das festas na cidade também está com o enfoque religioso.A Festa da Padroeira acontece na segunda semana de outubro, com procissões, fogos de artifício e concertos. A Semana Santa é também bastante famosa, com destaque para a procissão de Sexta-Feira, que faz seu trajeto ao amanhecer, por volta das 05horas, contornando todo o perímetro da Muralha.

Belos contrastes
Ouve-se que Ávila tem muitos santos, poucos bares e quase nada de festas. Faz sentido. Há, no entanto, muitos hoteis, hostais ( hoteis mais econômicos e tipicamente espanhois ) e paradouros, dentro e fora das muralhas. Os preços são variados, predominando os mais econômicos. Os principais restaurantes e cafeterias estão fora das muralhas - um ponto forte é a comida regional.

Edifício públicos


Cansada com  a longa peregrinação e com horário definido para retornar a Madrid de trem, saí da parte amuralhada e comecei a procurar um táxi, em frente a uma praça. Nada de conseguir. Aproximaram-se de mim três meninos e sugeriram que eu sentasse e descansasse, enquanto eles procuravam, por telefone, localizar algum carro. Vi que estavam encantados com a boa ação. Em poucos minutos, resolveram meu problema. Pedi para fazer uma foto deles - como se pode ver, ficaram felizes com o sucesso da empreitada. Belas crianças! Que o mundo não lhes tire a generosidade e espontaneidade.

Muchas gracias!

"Hoje de manhã saí muito cedo,
Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer...

Faculdade de Direito
Não sabia que caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria por um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.



Basílica de São Vicente

Assim tem sido sempre a minha vida, e
assim quero que possa ser sempre -
Vou onde o vento me leva
E não me  sinto pensar."

Fernando Pessoa

Muralhas de Ávila