sexta-feira, maio 15, 2015

Málaga, onde Pablo Picasso " vive ".

Museu de arte de Málaga
Vim de Granada a Málaga de ônibus, em duas horas de viagem. Na chegada, a Estação Rodoviária - quase junto à Estação de Trens - surpreendeu-me favoravelmente: limpa, bem cuidada, escadas rolantes, ótimas cafeterias. Caminhei até o Hostal que eu reservara - por sorte era um bom lugar para hospedar-se. De posse do mapa da cidade e depois e tê-lo estudado bem, comecei um percurso até o centro histórico , que descobri ser bem longo....

Abundância de flores nas ruas
A Estação de Trens Málaga Maria Zambrano é próxima ao porto, uma área sem atrativos especiais, 
fora as palmeiras do Passeio Marítimo. A cidade pareceu-me feia no início.mas,  à medida que me aproximava do Centro Histórico, fui descobrindo belezas, a começar pelas muitas flores nas ruas. Depois, vieram as esculturas em lugares públicos e os belos edifícios. Fui, então, conquistada por Málaga. Desta vez, nem precisei de cafeterias para cativar-me.

Visão frequente nas ruas do Centro Histórico
Até então, minha mais forte referência de Málaga era Pablo Picasso, admirável e inovador artista. Picasso nasceu em uma casa na Plaza de Merced, em 1881. Decidi que minha primeira visita seria ao Museu que leva seu nome e que tem um acervo de 204 obras suas. Gostei muito. Fotos são permitidas somente das áreas externas ou abertas. Bem que eu gostaria de ter fotografado um óleo, ao menos, com temática famíliar. São lindos. Vale conferir no www.museupicassomalaga.org

Um dos jardins do Museu Picasso
Parece mesmo que Pablo Picasso vive em Málaga - cidade com cerca de 600 mil habitantes e capital da província. O aeroporto tem o nome o nome de...Pablo Picasso. Pode - se visitar a igreja de Santiago, onde ele foi batizado; a casa original de sua família; a casa onde ele nasceu; o conservatório em  que recebeu seu primeiro prêmio artístico  e seu valioso museu. Dizem alguns malagueños que, em comum mesmo, Picasso e Málaga têm a alma inquieta.

Catedral de Málaga
O segundo Museu que visitei  - desculpem, mas tenho tendência a chamar as igrejas antigas de museus -  foi a Catedral de Málaga - que,  de fato, incorpora também um belo museu, com acervo de objetos religiosos, que abrange um período de 500 anos. Ocupou o lugar de uma antiga Mesquita, de que restou somente o Pátio das Laranjeiras.

Detalhe da Catedral
A construção da Catedral iniciou-se no século XVI e estendeu-se por 200 anos. Por fora, já impressiona pela delicadeza e beleza impressionantes dos detalhes; por dentro, sua grandiosidade toda impressiona. O teto está a 40 metros do chão. O coro, todo em madeira de cedro, como era usual na época, é esplêndido  Ao todo, nas naves laterais, estão 15 capelas. Pelo custo do projeto, em 1782, as obras foram interrompidas, e um dos campanários ficou inacabado.

Catedral: riqueza nos detalhes
O Convento de San Agustin,  assim como a Igreja do mesmo nome, está localizado na rua que hoje é denominada Calle del San Agustin; antes era chamada Calle de los Caballeros. Foram construídos - convento e igreja - no século XVI. O Convento passou por muitos donos e alguns abandonos. Por último, foi comprado pela Câmara dos Deputados e cedido à  Universidade de Málaga. Futuramente, será a sede da Biblioteca Pública do Estado.

Igreja do Convento de San Agustín 
Da minha adolescência, ainda tenho o sonho da arte em espaço público, tornando-a acessível a todas as pessoas. Incluo o acesso à arte como política básica de cidadania. Por isso, as esculturas, entre outras manifestações artísticas, emocionam-me sempre. Em Malaga, há muitas esculturas fantásticas nas ruas - para ver, admirar, refletir. 

Esculturas em espaços públicos
De 16 de abril a 28 de junho deste ano, junto ao Teatro Romano de Málaga, perto da Fortaleza de Alcazaba e do Museu Pablo Picasso, acontece a monumental mostra ao ar livre de seis grandiosas esculturas em bronze, do britânico Henry Moore, como parte do programa Arte na Rua  ( www.laCaixa.es/ObraSocial ) . Sorte  minha conseguir ver essas obras. De Málaga, elas irão para Santander , Burgos e Pamplona.

Escultura de Henry Moore
Conhecido por suas esculturas abstratas de grande tamanho, feitas em bronze fundido ou mármore, Henry Moore ( 1898 - 1986 ) começou, quando ainda era criança, a modelar em argila e a esculpir em madeira. Aos 11 anos, decidiu ser escultor. Tornou-se um dos mais conhecidos artistas britânicos. Fez muitas obras para espaço público - abstrações da figura humana, a maioria representando o corpo feminino. Vivia modestamente. Investia muito na Henry Moore Foundation, dedicada a promover educação e fomento às artes. Fantástica a exposição dele em Málaga.

Peça teatral em espaço público
Infelizmente não consegui sequer identificar o texto desta peça teatral, apresentada no Teatro Romano , junto ao Alcazaba, porque era a minha hora de partir. Impressionante a cústica e o número de participantes, incluindo alunos de escola básica. Lembrei-me de meus queridos amigos baianos, Raimundo Leão e Jorge Mascarenhas. Gostaria muito que eles estivessem neste cenário.

Teatro Romano e Alcázar
Málaga tem mais de 3 mil anos de história. Provavelmente, tenha sido fundada pelos fenícios e daí venha sua vocação para o comércio. Na época islâmica, tornou-se o principal porto do Emirado de Granada. Os Mouros  ocuparam essa cidade até metade do Séc. XV e  a tornaram um dos centros mercantis mais importantes da Península Ibérica. Esse passado deixou  suas marcas no centro histórico de Málaga, em particular nos arredores da Alcazaba, uma fortaleza que data do ano 1065.

Ruas típicas de Málaga
Os moradores de Málaga - os malagueños - podem orgulhar-se de sua história de força e coragem, demonstradas antigamente, nas batalhas e , modernamente, nos pontos de vista que eles defendem. Resistiram até 1487 aos exércitos  invasores cristãos e também, durante a Guerra Civil Espanhola, enfrentaram os fascistas de Franco - e centenas de nacionalistas foram assassinados. Há pouco, fizeram fortes manifestações contra os efeitos negativos do turismo de massa. Orgulham-se de sua riqueza cultural, com razão, face ao número significativo de museus, teatros e monumentos.

Praia no Mediterrâneo

Estou prevendo um retorno a região de Malaga, para visitar Marbella - pelo seu invejável passado histórico, não pelos famosos que têm lá suas casas, como o malagueño Antônio Banderas; Torremolinos -  onde se realizou, em outubro de 2011, a primeira Expo Gays, que atraiu mais de 15 mil visitantes;  Mijas - que era um pueblito humide, localizado entre o mar e a montanha, e hoje é o município mais rico da Província. Atraiu, na década de 60,  boêmios e artistas de todo o mundo. Famoso pela natureza e por uma cultura muito particular. Agenda para junho...ou para a próxima vinda à Espanha.

Detalhes da Catedral


"Bom vento do mar,bom vento
Que vens de cima do mar,
Vem dizer ao meu pensamento
Que o melhor é não pensar.

Se acreditar no que existe
Faz triste quem  o não é,
Mais vale ninguém ser triste
E não ter crenças nem fé.

Mas tu, bom vento que vens
De cima de ondas sem fim, 
Nem fé nem descrenças tens
Tomara eu ser assim."


Fernando Pessoa


Arte em espaço publico - Mostra de Henry Moore