segunda-feira, abril 20, 2015

Sevilha e Andaluzia I - Córdoba : 1a. parte

Ponte Romana no rio Guadalquivir
Comprei bilhete com minha Carta Dorada : menos 40 % ! Trem de alta velocidade (AVE), em 1h50 min, cheguei a Códoba e fui hospedar-me no Hostal Azahar, que eu havia reservado quando estava ainda no Brasil. Excelente localização; centro histórico, numa esquina defronte da Mesquita/Catedral - e com várias cafeterias muy cerca. Era tudo o que eu precisava.

Flores de laranjeira 
Encontrei, logo na chegada, o perfume  das flores de laranjeira. Que delícia! Em janeiro deste ano , quando estive em Sevilha, vi novamente o que tanto me impressionara, há anos, quando a visitei pela primeira vez: os laranjais. Inverno, era o momento das frutas maduras. Eu sabia, entretanto, que, retornando na primavera, não veria tantos frutos, mas teria o intenso aroma das flores. Assim foi. Senti Córdoba, como de resto outras cidades da Andaluzia, intensamente perfumada. Docemente perfumada. Inesquecível.

Detalhe da cidade desde a Ponte Romana
Depois de um imprescindível café, já com os mapas devidamente estudados, saí para o primeiro passeio da manhã. Pecorri toda a restaurada Ponte Romana, que cruza o rio Guadalquivir, na direção sul em relação à Mesquita. Cheguei, assim,  à Torre de la Calahorra, erigida em 1369, por ordem de Enrique II, como reforço de defesa à cidade. Na Torre, está o Museu das Três Culturas que objetiva a tolerância e o diálogo, lembrando que ali conviveram árabes, judeus e cristãos.

Molino de la Albolafia: roda d`água islâmica
Ao retornar, pude ver , com mais atenção, a própria Ponte Romana, com seus 16 arcos e , na metade dela, uma escultura, dedicada a São Rafael, protetor de Córdoba, segundo  lenda do século XVI. Num dos lados da Ponte, podem-se ver restos de rodas d´água islâmicas, os antigos moinhos árabes. O Molino de la Albolafia foi recuperado e a ele se acrescentou uma nova roda já que a original foi desmontada por ordem da rainha Isabel, que se sentia irritada com o ruído  do equipamento.

Porta da Ponte Romana
Ao final, está a Porta da Ponte, tendo a sua esquerda o Triunfo de São Rafael, o maior dos muitos monumentos ao Arcanjo existentes na cidade. Esse foi realizado por um artista francês, Michel de Verdiguier, entre 1765 e 1781.

Triunfo de São Rafael


Terminada essa parte do passeio e apreciando-o muito, fui a um  restaurante tradicionais da cidade, experimentar a típica comida de Córdoba. Comi um Salmorejo  - sopa fria, feita à base de pão, tomate, pimentão, azeite de oliva, alho, sal e água - e  rabo de toro com batatas. Diverti-me com o nome, pois o prato era similar ao espinhaço com mandioca, tão comum no Alegrete - óbvio que as especiarias eram bem diferentes.

Rabo de Toro 
Minha ansiedade para ver o histórico bairro  La Judería foi plenamente recompensada. De indescritível beleza, é mesmo um labirinto de ruas estreitas e prédios caiados com flores nas janelas. Os gerânios eram a flor da vez. A rua das flores - de onde se vê , ao fundo, o campanário da Mesquita/Catedral, é uma das mais bonitas.

Na Judería
Os judeus foram importantes e dinâmicos cidadãos da Córdoba Islâmica - e a Judería medieval, um de seus legados, é testemunha e presença forte até  nossos dias. Muito da cultura judaica pode ser visto neste lugar. Das três sinagogas medievais que restam na Espanha, por exemplo, a única que está na Andaluzia é a de Córdoba, que foi construída em 1315 - embora não mais tenha  sido utilizada como lugar de culto desde a expulsão dos judeus da Espanha, em 1492.

700 anos!
Nesse sentido, uma visita interessante é à Casa de Sefarad ( www.casadesefarad.es), bem no centro do bairro. Trata-se de um museu, inaugurado em 2008, onde se pode  ver muito da tradição sefardita-judaico-espanhola, com destaque para a música e para as mulheres intelectuais, entre elas escritoras, cantoras e pensadoras. Realizam-se ali, durante o ano,  recitais musicais e eventos com contadores de histórias.

Cerâmicas de Córdoba
No Palácio do Congresso, encantei-me com uma exposição de cerâmica tradicional - delicada e rica em cores e formas. Assim como as joias e os trabalhos em couro, a cerâmica ocupa um lugar especial no artesanato de Córdoba, artesanato que inclui também delicados trabalhos em bordados, pequenas esculturas em madeira de oliveira e objetos diversos em metal.Nas ruazinhas de La Juderia, há muitas lojinhas com produtos artesanais interessantes.

Verde manganês na cerâmica mais tradicional
A colônia romana de Córdoba foi fundada em 152 a.C. Ocupava boa parte da atual Andaluzia. Em 711, foi conquistada foi conquistada pelos muçulmanos. No período compreendido entre 912-61  foi a maior cidade da Europa Ocidental, chegando a ter 500 mil habitantes - hoje tem ao redor de 330 mil.

Muralha de Córdoba
Tinha mesquitas, aquedutos, observatórios, universidade e uma corte multicultural, frequentada por sábios judeus,árabes e cristãos. No final do século 10, conheceu o declínio com o terrível general Al- Mansour. Somente no século 19 , o declinio começou a ser superado.

Vale um  passeio noturno pelas muralhas
Muitos  passeios eu os fiz por ter encontrado , em Córdoba, a jornalista Carla Rossa, que está morando nesta cidade por um ano. Com seu conhecimento, sensibilidade e alegria, acompanhou-me inclusive nesse belo passeio noturno pela cidade. Obrigada,Carla. Sendo como és, tornas este bem mais bonito. Mereces que a UFSM se orgulhe de ti.

Obrigada,Carla.
A maior atração de Córdoba é a Mesquita/Catedral. Sobre ela, escreverei outro dia. Há muito o que dizer e muitas fotos para mostrar. Falta-me tempo hoje, pois devo me organizar para, amanhã bem cedo, viajar à República de Malta. Mantenho o desejo de conhecer novos lugares - é a primeira vez que visito Malta - e de incentivar minhas crianças a viajarem.

Porta da Ponte
"Mas o que eu não fui, o que eu não fiz, o que nem sequer sonhei;
O que só agora vejo que deveria ter feito,
O que só agora claramente vejo que deveria ter sido -
Isso é que é morto para além de todos os Deuses,
Isso - e é hoje talvez o melhor de mim - é que nem os Deuses fazem viver..."

Fernando Pessoa

Detalhe do Coro da Mesquita/Catedral