sexta-feira, março 06, 2015

" Lá vou eu..."



.
Nestes últimos dias, visando ao aproveitamento do tempo de que disponho, concentrei-me  em leituras que podem me subsidiar na elaboração de um roteiro, interessante  e agradável, para minha próxima viagem. Seguindo um cronograma da chegada à saída da Espanha, comecei listando o que desejo ver, rever e viver em Madri, que escolhi como cidade - base de permanência.



Ficarei hospedada na Gran Via, no Hostal Avenida, por três meses - pagamento mensal. Assim , terei onde deixar minha bagagem quando  viajar para outras cidades e países - e me sentirei moradora local. Já fiz isso outras vezes e gostei muito. Além disso, viajar apenas com uma mochila foi/ é meu sonho  de andarilha.




Preferi o Hostal Avenida porque a proprietária é minha amiga, a localização é ótima, e eu terei um quarto e um banheiro, sem nada que me lembre trabalho doméstico ou diarista - isso aconteceria se eu alugasse um apartamento como fiz algumas vezes , em outros países. Posso traçar todo o centro de Madri caminhando. Se preferir metrô, a estação Gran Via está situada a menos de meia quadra do hostal; a Porta do Sol, a três quadras.



O primeiro passeio precisa justificar, por si só, a escolha de Madri como lugar de permanência. Começarei, portanto , pelos Museus. Encanta-me caminhar pelo Passeio do Prado e, por ele, chegarei ao Museu do Prado, cuja construção foi iniciada em 1785. Pela minha programação, é lá que passarei o dia todo para conviver com Goya, Velázquez, El Greco, Rubens, Botticelli , Tiziano e outros mestres que integram este acervo, um dos maiores do mundo. O restaurante do Museu é um bom lugar para almoçar - almoçarei lá mesmo.


No segundo dia, pretendo começar pelo Museu Thyssen-Bornemisza, cuja coleção foi iniciada por August Thyssen, um alemão que comprou, antes da Primeira Guerra, obras de Auguste Rodin. O filho de Thyssen  continuou a adquirir obras. O  Museu foi aberto ao público em 1992. Hoje são três andares, com mais de 700 obras, entre elas Picasso, Tiziano, El Greco, Caravaggio, Rafael e Goya. Daqui, irei para o Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia.


Ao Reina Sofia, irei especialmente para rever Guernica, óleo sobre tela, pintado por Pablo Picasso. É, seguramente , a obra que mais me emociona. Picasso inspirou-se para pintá-la no bombardeio aos bascos pelos alemães, durante a Segunda Guerra Mundial. Como pediu Picasso, essa obra só retornou à  Espanha quando voltou o regime democrático. Outra obra que me fascina e qe ali está, é Mulher na Janela, de Salvador Dalí. Talvez uma tarde seja tempo insuficiente. O bom é que poderei retornar - e maiores  de 65 anos não pagam ingresso nesse museu.


Um outro convívio que desejo ter com Goya , meu pintor espanhol preferido,  além da visita aos museus já mencionados, é na Ermita de San Antonio de lá Flórida - 1792 / 1798 - igreja que teve a cúpula pintada por ele e onde ele está enterrado. 


Nesses primeiros dias em Madri, as artes plásticas serão minha prioridade , enquanto descanso para, nos dias seguintes , ocupar-me de viagens pelo interior da Espanha ( Córdoba, Sevilha, Jerez, Cádiz, Málaga , Granada e outras ). Aproveitarei também para ver alguns filmes espanhois - sou fã de carteirinha de Buñuel, Almodóvar e Saura.



No domingo pela manhã , irei ao mercado de rua El Rastro - gosto de mercados populares, embora não faça compras porque bagagens me causam pânico. No El Corte Inglês, maior loja da cidade, costumo fazer supermercado, comprando principalmente frutas e queijos. Nas proximidades da Puerta del Sol, frequento vários  restaurantes simples e muito bons, onde servem deliciosas paellas, patatas bravas, tortilla e sopa de grão de bico - meus pratos favoritos.



Logo terá início a temporada de ópera no Teatro Real. Na próxima semana, procurarei, no site, a programação e tentarei comprar meu ingresso para La Traviata. Se não coincidir com viagens já programadas, quero também assistir ao Cirque du Soleil que fará apresentações em Madri e nas principais cidades do país. 


Enfim, meu intuito é ver, sentir, aprender, descobrir muito neste período. Vou  na busca de conhecimentos e na esperança de um  pouquinho de sabedoria - essa sabedoria que nos torna mais ternos e também mais lúcidos. 

" Não quero a noite senão quando a aurora
A fez em ouro e azul se diluir.
O que a minha alma ignora
É isso que quero possuir."

Fernando Pessoa


Obs. Todas as fotos desta postagem foram feitas em Inhotim - MG