sábado, fevereiro 28, 2015

Feliz 2015....finalmente!

Salzburg
No meu último retorno a Torres, no final de janeiro, considerei que eu me devia um mês de casa - algo assim como um mês de férias. Fevereiro, portanto,  foi  meu tempo família,  tempo ordem na casa, tempo atualização em filmes e leituras . Amanhã , inicia março e , para mim , é como se , finalmente, chegasse o 2015.

Chicago
No Face , postei este pequeno texto de Mark Twain: "Daqui a vinte anos você estará mais decepcionado pelas coisas que você não fez do que pelas que fez. Então jogue fora as ancoras, vele longe do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra."   Por várias razões, chorei muito ontem ao ler o comentário de meu sábio amigo José Antônio Brenner , que reproduzo com a devida autorização dele : Eu te aprecio, Aldema Menini Mckinney, que tão bem sabes velejar longe do porto. Que falta isso me faz. Sinto já a saudade de algo que nunca fiz.


Seefeld

Eu procurei , querido amigo Brenner, fazer a  travessia sonhada - e sigo tentando dar continuidade a ela , embora , como se diz em Iídiche, muitas vezes o homem planeja, e Deus dá risada. Faz alguns anos que  tornei semestrais os meus planos. Se eu não chegar até lá, não ficará muito por fazer. 

 
China
Neste ano, voltarei a viajar sozinha - tentarei manter os olhos bem abertos para explorar e descobrir. E olhos bem limpos para não sobrepor imagens, como fazem os que comparam um país com outro, ou uma cidade com sua própria cidade. Lugares são como pessoas: únicos , na riqueza de sua diversidade.


Tunísia
Antes de viajar, no entanto, cumprirei uma agenda que inclui dentista, médicos, laboratórios e tudo  mais que se precisa fazer antes de qualquer afastamento. Prometo mais assiduidade no Correndomundo, meio abandonado nas últimas semanas. 


Veneza
Desejo a todos leveza  e encantamento, advindos da certeza de que estamos tentando ser melhores neste mundo que acolhe nossos sonhos, nossas alegrias  e nossas inevitáveis dores - parte da aventura de estar vivo,  como me disse um dia  Eliane Amaral, minha amiga - irmã.

Tunísia
"O que nós vemos das coisas são as coisas.
Por que veríamos nós uma coisa se houvesse outra?
Por que é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?

O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê, 
Nem ver quando se pensa.(,,,)

Fernando Pessoa


PS. Na próxima postagem, escreverei o roteiro deste semestre. Prometo. Falta-me, ainda, completar o cronograma do mês de junho. 

Egito