quinta-feira, janeiro 29, 2015

Valle de los Caídos e el Escorial

 
Cruz sobre a Basílica
Há um bate-e-volta bem interessante a partir de Madrid que se faz ou em um tour contratado ou de carro: Valle de los Caídos e El Escorial. São duas atrações bem diferentes uma da outra, mas as duas fascinantes cada uma à sua maneira. Eu queria muito mostrar ao Pedro esses dois sítios histórico, mas não havia decidido como fazer isso.

Pedro, Maria e o outro Pedro
Quem tem amigo tem tudo...Pedro e Maria Jesus vivem em Bilbao, quatro horas de carro até Madrid. Pois eles vieram na noite de sexta, passaram o sábado conosco e voltaram no domingo. Foi um dia inteiro muito agradável. Eles chegaram  já com um programa pronto, que incluía a visita ao Valle e ao El Escorial e um almoço num excelente restaurante em San Lorenzo. Tarde da noite, ainda uma taça de  chocolate quente - estava frioooo - antes de eles nos deixarem no hotel. Muchas gracias, estimados amigos.

Parte da grandiosa Basílica de Santa Cruz do Valle de los Caídos
Concebida por Francisco Franco para honrar os nacionalistas mortos na Guerra Civil Espanhola - de 1936 a 1939 -   a Basílica, escavada numa grande rocha da montanha, no projeto inicial, era maior que a do Vaticano. Teve, porém,  que ser diminuída porque, de acordo com as normas da Igreja, a dimensão do Vaticano não pode ser ultrapassada.

Detalhe da Basílica
Localiza-se no município de San Lorenzo de El Escorial, no Valle de Cuelgamuros, na Serra de Guadarrama.  No conjunto, está a Basílica, a cripta, a biblioteca e a Abadia Beneditina. Exatamente sobre o meio do altar, ergue-se, na parte superior da montanha, uma imponente cruz, com 150 metros de altura. Um maravilhoso jardim, com altos ciprestes, integram o cenário, que , por vezes, parece lúgubre e traz ainda dolorosas lembranças.

Detalhe do jardim em frente à Basílica
Impressionante e controvertido monumento, onde está enterrado o generalíssimo Franco, junto com 33 872 combatentes -  apesar de ele não ter sido vítima da guerra. A grandiosidade do lugar  me faz pensar que, como muitos imperadores, o ditador construiu ali  não apenas um Memorial mas o mausoleu dele.

Por Deus ( sic!) e pela Espanha....
O lugar foi palco de muitos confrontos. Hoje, entretanto, o monumento é tratado como um cemitério, onde é proibida a expressão de qualquer ideologia. Ouvem-se muitas histórias sobre essa grandiosa construção - entre elas, que a mão- de- obra utilizada foi, predominantemente, de presos políticos republicanos, a facção derrotada.Impressiona muito e faz a gente refletir sobre tantos conflitos neste mundo confuso.

El Escorial

O Monastério de San Lorenzo del Escorial , distante pouco mais de 6 km do Valle de los Caídos e 49 km de Madrid, localiza-se na parte ocidental  da Serra de Guadarrama, com uma altitude de 1055 metros de altitude sobre o nível do mar. Foi construído pelo poderoso rei Felipe II, que, segundo a lenda, sentava-se numa parte ainda mais alta da Serra para acompanhar o trabalho de construção. Com 2673 janelas, é um dos símbolos de grandeza na Espanha.

Quantas janelas? 
Trata-se de um complexo que reúne um palácio real, uma basílica, um panteón, uma grande biblioteca e um monastério. Surpreendente a divisão das escadas: as femininas, mais delicadas e com menos altura, e as masculinas, mais largas e mais alta. Para a biblioteca, as escadas são masculinas somente.A razão é simples: as mulheres não sabiam ler - uma habilidade que, se adquirida, poderia torná-las solteironas por sua inutilidade!

Amostra da pintura interna do palácio...
Fiz  somente a fotografia acima, logo na entrada de El Escorial, já que é proibido o uso de câmeras. Fui advertida por isso. Pena! Tudo ali merecia uma foto. Demora-se, no mínimo, três horas para visitar esse Mosteiro, que foi construído para comemorar a vitória, na Batalha de San Quintín, sobre as tropas de Henrique II, rei da França. A obra começou em 1563 e terminou em 1584. Hoje é um Patrimônio Mundial da UNESCO.

Detalhe de El Escorial
Realmente este palácio-monastério é um grandioso labirinto de pátios, jardins, escadas, corredores, salas e capelas. A Basílica , no centro do complexo, tem 45 capelas laterais e um monumental Cristo em mármore, obra de Benvenuto Cellini (1500 - 1571). A Biblioteca contém 45 000 livros do século XV ao século XVI e 5 mil manuscritos em árabe, latim e castelhano. O Panteon - lúgubre! - contém os restos mortais, em urnas de mármore, de quase todos os reis da Espanha, de Carlos V em diante. Na casa da família real , observam-se detalhes bem interessantes, como o tamanho dos leitos - parecendo um berço grande. Muitos reis náo ultrapassavam um metro e meio.

Foto de http://pt.wikipedia.org/wiki/Mosteiro_do_Escorial
Na visita ao El Escorial, pode-se usar um audioguia. Melhor mesmo é fazer-se acompanhar de uma pessoa que conheça bem a História da Espanha e o lugar que está sendo visitado. Por sorte, fomos acompanhados por uma senhora fantástica em conhecimento histórico e com muita clareza na sua exposiçao. A cidadezinha também vale uma visita - bem arborizada, com bons restaurantes, muitos  hoteis e , ainda, valiosos museus, como o da Arquitetura e o da Pintura. Um bate-e-volta imperdível.

María e eu defronte a  El Escorial

"Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade."

Fernando Pessoa

O silencioso jardim do Valle de los Caídos

PS. Pode-se ir de trem, saindo da Estação de Atocha ou da Estação de Chamartin e chegando à cidadezinha de El Escorial. Há conexões com ônibus a partir da estação. Uma vez fui de trem e , para bem aproveitar o tempo, usei táxi para percorrer os  outros trechos.