sexta-feira, dezembro 12, 2014

Fechando relatos de 2014: Minas Gerais

Centro de Mariana

Fiz muitas viagens em 2014 - em parte, procurando sobreviver à perda de Ronald, na Escócia, bem  ao iniciar o ano; em parte...porque há muitos anos viajo mesmo. Além das viagens internacionais,fiz , com minha irmã Zeli, uma leve e agradável viagem a Minas Gerais. Já escrevi sobre Ouro Preto e Inhotim ( http://www.correndomundo.blogspot.com.br/search/label/Minas%20Gerais).

Desfile de 7 de Setembro em Ouro Preto
Escrevo, agora, resumidamente, sobre as demais visitas às cidades históricas e sobre a capital,  Belo Horizonte. Escrevo um pouco desordenadamente, porque tenho pressa - estou de partida para outra andarilhada, incluindo Natal , Ano Novo e Dia dos Reis.

Praça central de Mariana
Estive diversas vezes , sempre a trabalho, em Minas Gerais. Conheci todo o Estado - superficialmente. Estou convencida, entretanto, que é um passeio indispensável na história de qualquer viajante e que todos os pais - que podem fazer isso - deveriam levar seus filhos aos menos nas Cidades Históricas; no mínimo ,  àquelas três que a UNESCO reconheceu como Patrimônio da Humanidade: Ouro Preto, Congonhas e Diamantina.

Prontos para o desfile de 7 de Setembro...uai!
Começo por Mariana, a cidade colonial mais antiga de Minas. Foi um grande centro de mineração de ouro, riqueza ostentada, ainda hoje, pela presença de casarões e jardins magníficos que cercam a praça Gomes Freire, no centro da cidade. Interessante visitar a Catedral Basílica da Sé,  com seus lustres de cristal da Boêmia,  que foi concluída em 1760.
Mariana - foto by EMBRATUR
Capital do Estado, na metade do século XVIII, era mais importante que Ouro Preto e forneceu toneladas de ouro para os ingleses - a estimativa é de 35 toneladas desse minério! Ainda hoje abriga a Mina de Ouro da Passagem, uma das maiores do mundo aberta à visitação. O tour pela Mina é feito num trole aberto através de 300 metros de trilhos. Um dado importante: vivem , nesta cidade, os maiores entalhadores de santos barrocos do País.

Zeli, minha irmã e companheira nesta viagem.
As igrejas gêmeas de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo, ambas do fim do século XVIII, mostram obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde - Manuel da Costa Athayde, cuja sepultura está numa dessas igrejas . Pode-se também ver obras desses dois grandes artistas no Museu de Arte Sacra de Mariana.

Principal igreja e  Solar dos Neves
São João Del Rei tem um pequeno centro histórico bem bonitinho.  O destaque fica por conta da Igreja de São Francisco de Assis, que tem um belo jardim com palmeiras imperiais. Para comprar, algo muito particular na região: peças de estanho, bonitas, originais e de boa qualidade. Para quem gosta - como eu -  de arte- funerária , a cidade pode ser bem interessante.

Detalhe da Igreja de São Francisco
Bonitos os túmulos de Tancredo Neves e Risoleta Neves, no Cemitério da Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Assis, junto à Igreja, com uma bela imagem de São Francisco de Assis e um epitáfio onde se lê: Terra minha amada, tu terás os meus ossos o que será a última identificação do meu ser com este rincão abençoado.Muito mineiro.Muito maneiro.

São Francisco de Assis no túmulo de Tancredo
Em frente ao Largo da Igreja, o solar dos Neves, onde Tancredo morou alguns anos e que hoje pertence à família, não deixa de ser um estímulo ao turismo. Um prédio magnífico. Note-se a  diferença entre solar e sobrado. O primeiro é apenas residência ( só lar ); o segundo tem comércio no térreo e residência em cima.

São João Del Rei
Pode-se ir de São João Del Rei a Tiradentes - e vice-versa - num interessante trenzinho, que passa pelo Rio das Mortes e de onde se pode ter uma amostra das paisagens da região. Trenzinho antigo, lento, mas limpo e bem cuidado.

Trenzinho Tiradentes / São João Del Rei
Tiradentes tem o nome de um antigo residente: Joaquim José da Silva Xavier ( 1746 - 1792 ) - um dos líderes do primeiro movimento pela independência do Brasil. Fundada, em 1702, por paulistas que descobriram ouro nas encostas da Serra de São José. Passou a cidade em 1860.

Da janela do trem....
Com casas portuguesas multicoloridas, tem ainda para ver igrejas - a Matriz de Santo Antônio tem fachada de Aleijadinho  - uma bela praça principal e um chafariz de pedra sabão azul - século XVII.

Móveis com madeira de demolição
A cidade é famosa como polo gastronômico, especializado na culinária mineira. Os doces típicos, como ambrosia e canudos de doce de leite, são deliciosos. O artesanato inclui belos móveis feitos com madeira de demolição.
Estação Ferroviária de Tiradentes

A última cidade que visitamos foi Sabará. Distante 12 km de Belo Horizonte, deve ser visitada, entre outros motivos, pela magnífica igreja Nossa Senhora do Ó. Aparentemente ,  uma pequena igreja , que se torna  grandiosa ao revelar seu interior, com muito ouro e muita riqueza. Sempre falo que as igrejas são  bons museus para se visitar e, na maioria das vezes, gratuitamente. A foto abaixo é de divulgação;  as minhas, eu as perdi...


Surpreendeu-me Belo Horizonte, cidade que se deve incluir em qualquer visita a Minas Gerais. Foram dois os itens de que eu não lembrava e que me fizeram gostar mais dessa capital: o Centro Cultural do Banco do Brasil e a produção variada de roupas - e eu não costumo gastar nesse item, além do estritamente necessário ( preciso fazer opções...e opto por gastar em viagens). Admiro, no entanto, o design, as cores, os  estilos de vestuário - e BH tem muito a oferecer nesse sentido. 


Para 2015, meu projeto nacional contempla retornar a Roraima e ao Amazonas. Que os Anjos digam Amém! E que meu Anjo da Guarda diga Amém com muita convicção... Feliz 2015 a todos nós.