domingo, fevereiro 23, 2014

Bonn, onde nasceu Beethoven.

Centro Histórico de Bonn
Recordarei a visita a Bonn, no dia de Natal, com carinho e saudade....para  sempre. Pedro, Ronald e eu, acompanhados de mapas e roteiros, feitos por Gisela e Alex, partimos de Colônia, carregando presentes, alegria e afeto. Íamos ao almoço natalino com pessoas muito queridas: a familia Arintzis. Emanuel e Alex nos esperavam na Estação de Trens.

Entradas no almoço de Natal
Gisela nos esperava com a mesa posta, lindamente decorada, deliciosamente preparada, combinando pratos gregos e alemães. Esperava-nos também a pequena Joanna, filha de Emanuel, que, com seus 11 anos, ajudava a avó e nos recebia como gente grande.
Prato principal

Pedi para Gisela uma cópia do cardápio. Queria dividir essas informações com gente amiga que gosta de cozinhar.Ela, então, escreveu:
Entradas: Sarmades ( aquelas trouxinhas gregas deliciosas); torta de galinha; bolinhos de carne; tomates secos com azeite de oliva; frutos do mar.
Prato principal: purê de batatas ( assados como se fossem pãezinhos); filé de suino com creme de nata; e ervilhas e cenoura baby na manteiga.
Sobremesa: torta e sorvete deliciosos.

Centro Histórico de Bonn

Após o almoço, fomos, com nossos amigos, visitar Bonn. Não são muitas as ex-capitais que conheço, principalmente uma ex-capital que conservou fama e charme e é bastante visitada por turistas nacionais e internacionais. Entre 1949 e 1992, a cidade foi capital da República Federal da Alemanha.Hoje tem cerca de 300 mil habitantes, é cosmopolita e destaque econômico e cultural no país.

No Centro, bela iluminação natalina




Bonn surgiu, ainda no período pré-romano, como local de passagem sobre o rio Reno. Tornou-se muito importante com a chegada dos poderosos arcebispos de Colônia, no século 13. Há uma exposição permanente da Fundação Casa da História ( Haus der Geschichte ) que conta a história da cidade e narra o contexto político da pós-guerra até a reunificação.

Munsterplatz e Basílica ao fundo
A Basílica e a Rathaus ( Prefeitura ) são visitas imprescindíveis. Na praça  Münsterplatz, está a Basílica de Bonn, construída nos séculos 11 e 12 em estilo românico e gótico. A Prefeitura foi construída no final do período barroco - 1737 - 1738. Foi destruída em 1944/1945 e reconstruída de acordo com seu projeto original. É o cartão postal da cidade.

Praça do Mercado
Imprescindível também é uma visita à Praça do Mercado ( Marktplatz ). O Mercado,  com seus prédios estreitos que mesclam arquitetura moderna e barroca, situa-se na rua favorita  para quem faz compras em Bonn. Essa rua é a maior pedonal contígua da Alemanha. Fiquei encantada com as cafeterias da Praça - além de elegantes e bem atendidas, servem tortas fantásticas. 

   
A cena cultural em Bonn é constante e de alta qualidade. Sua fama como cidade das artes é bem difundida. O Teatro de Bonn é conhecido pelas suas produções de repercussão internacional. Desde 1992, realiza-se aqui a Bienal do Teatro.

Arte em espaços públicos
Há muitos museus na cidade. De arte, informaram-me que dois deles merecem demoradas visitas: o Museu de Arte de Bonn e o Salão de Artes e Exposições da República Federal da Alemanha. Mais um motivo para retornar! Além dos  museus,  há fantásticos exemplares de arte e arquitetura nos espaços públicos da cidade.
Casa de Beethoven + grafite em frente a ela
Como se não bastassem todos os belos atributos da cidade, ainda nasceu aqui Ludwig van Beethoven, numa rua tranquila, numa casa simples, construída no século 18, em estilo barroco. A Beethovenhaus hoje abriga um museu, onde estão preservados escritos originais dele. Interessante que, pelos registros, os japoneses são os que mais visitam o museu.

Estátua de Beethoven
Bonn de muitas formas homenageia seu cidadão famoso. Uma dessas homenagens é a Beethovenfest, uma série de concertos que todos os anos , nos meses de setembro e outubro, mostram ao público a beleza da  grande música clássica. Há outro espetáculo de música bastante conhecido na cidade, quando uma frota de embarcações cruza o Reno, entre fogos de artifícios e sons de tendências variadas. É o Rhein in Flammen.

Universidade de Bonn
Fundada em 18 de outubro de 1818, por Frederico Guilherme III, rei da Prússia ( de que fazia parte a Renânia)  possuía, ao seu início, os cursos de Teologia, Direito, Farmácia e Estudos Gerais - não consegui saber a abrangências desses Estudos Gerais, mas vou pesquisar porque fiquei bastante curiosa. Teve como precursora a Academia de Bonn, fundada em 1777. 

Universidade de Bonn

O curso de Teologia estava dividido entre Teologia Católica Romana e Teologia Protestante. Posteriormente criou os cursos de Medicina e Filosofia. A Faculdade de Filosofia atualmente é a maior, tendo cerca de 10 mil alunos. A Universidade iniciou com 35 professores titulares e 8 adjuntos. Seu prédio impressiona pela imponência e grandiosidade.Mais que os prédios, porém , impressionam seus professores e seus alunos, que realmente construíram uma história de excerlência e competência.

Universidade de Bonn
A Universidade está classificada na 3a. posição no ranking das universidades alemãs e , num ranking mundial ,divulgado pela Espanha, está em 6o. lugar. No quadro dos professores, constam 9 ganhadores do Prêmio Nobel - entre eles Luigi Pirandello. Na relação dos alunos que a frequentaram estão Conrad Adenauer, Papa Bento XVI, Jurgen Habermas, Karl Marx e Friedrich Nietzsche. Era dia de Natal. Foi impossível visitá-la toda, como eu gostaria. Outro motivo para retornar.
Centro Histórico

Agradeço muito a Alex, Gisela, Emanuel e Joanna por este dia tão especial, tão bonito, de que Ronald , Pedro e eu gostamos tanto. São lembranças como essas que me ajudam a suportar a dor pela perda de meu marido e a construir um novo caminho, pavimentado com a saudade e desenhado com a vontade de continuar vivendo.
Alex fotografou Ronald fotografando a Pedro e a mim

" Nem tudo é dias de sol,
E a chuva , quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade.
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva ... "


Fernando Pessoa