quinta-feira, agosto 15, 2013

Dakota do Sul: Crazy Horse Memorial

Crazy Horse
Como ocorre na preparação de qualquer visita a monumentos, necessário se torna uma leitura preliminar do contexto em que esse monumento foi planejado e construído e a razão por que o levaram a existir. Para bem admirar Crazy Horse, podemos, por exemplo, recordar o filme Dança com Lobos, dirigido por  Kevin Costner e rodado aqui mesmo, em Dakota do Sul e nestes parques....

Crazy Horse

....ou podemos retroceder e lembrar sangrentos conflitos entre índios e não índios nos Estados Unidos, como o que  ocorreu entre o exército comandado por George Armstrong Custer e os guerreiros sioux e cheyenne,  liderados pelo chefe Touro Sentado

Crazy Horse em construção

Verdade que , desde 1874, quando a expedição de Custer descobriu indícios de ouro em Black Hill, esses povos indígenas perderam a paz. Com tratados enganosos, foram levados a abandonar suas terras, ocupadas, a seguir, por  mineiros, especuladores e colonos, que transformaram essas montanhas antes sagradas em terras para aventureiros.

Crazy Horse ...como deverá ficar
O oeste americano foi conquistado. Desde tempos imemoriais, essa região era ocupada por índios de diferentes etnias. Após a Independência, o país avançou para o oeste, forçando os povos indígenas a migrar e, com isso, abandonar muito de seu estilo de vida. O mesmo já havia acontecido na conquista da Região dos Grandes Lagos. História também vivida pela América do Sul e também contada na ótica dos vencedores. Lá, como aqui, faz-se hoje releitura e a mea culpa.

Escultura no Crazy Horse Memorial

O Crazy Horse Memorial foi a resposta dos índios à escultura dos Presidentes. Numa área próxima a Rushmore , está sendo construída a escultura que ,quando for completada, será a maior do mundo, em homenagem a um grande líder sioux, o guerreiro Crazy Horse, nascido nesta região, que costumava dizer:  Minhas terras são onde estão enterrados os meus mortos.

Foto de parte do projeto
A estátua desse Grande Líder Indígena Crazy Horse terá mais de 170m de altura. Até agora, somente foi concluído o rosto, que tem altura superior a 25 metros. O início da obra foi em junho de 1948. Seu final pode ser daqui a 100 anos. A retirada de pedras à base de dinamite é um trabalho infindável - não há, portanto,  previsão para término.

Projeto total da escultura
Um escultor americano, Korczak Ziolkowski, de origem polonesa, assumiu , com a ajuda da esposa Ruth e de sete filhos,  a construção dessa obra. Ele havia sido assistente de Gutzon Borglum, o escultor do Mount Rushmore, em 1939. Pouco depois desta data, o chefe Sioux Henry Standing Bear escreveu-lhe perguntando se ele faria uma escultura gigante dedicada aos índios americanos - para que os homens brancos soubessem que os homens vermelhos tinham grandes herois também.

Grande portão do Crazy Horse Memorial

Korczak dedicou o resto de sua vida a essa escultura. Morreu em 1982, com 74 anos. A escultura , entretanto, continua em execução, como iniciativa privada. A família ainda está à frente do projeto e segue os passos do pai, um grande idealista, com visão histórica e visão de futuro,  que acreditava na iniciativa e poder de realização individual.

Detalhe do Museu do Memorial

Numa área fantástica, o Memorial tem, além da escultura, o studio-home e workshop de Korczak Ziolkowski, o Indian Museum of North America, uma loja de presentes, o Native American Educational Center, tudo num grande e bonito espaço, que se adentra através de um magnífico portão de ferro, todo ele decorado com elementos da flora e da fauna local, esculpidos em cobre. É passeio para um dia...ou mais para quem gosta de trilhas e aventuras.

Portão do Crazy Horse Memorial
"O que salvamos, o perdemos.
 O que pensamos, já o fomos.
 Ah, e só guardamos o que demos
 E tudo é sermos quem não somos."


Fernando Pessoa