terça-feira, junho 04, 2013

Guimarães,cidade-berço de Portugal.


Rua com que se acessa o Centro Histórico...
Guimarães é um charme de cidade! Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 2001, Capital Europeia da Cultura em 2012, conhecida como Berço da Nação Portuguesa, tem relevante passado histórico, em razão do papel que desempenhou , em especial,  no ano 1128, na reconquista do território ocupado pelos mouros. Num trecho da antiga muralha medieval, consta a inscrição: Aqui nasceu Portugal.

...ou se parte do Centro Histórico.

Partindo do Porto, da bonita  Estação Ferroviária de São Bento , em 1h35min, chega-se a Guimarães. Com cerca de 60 mil habitantes, situada no distrito de Braga e distante desta a apenas 26 km, é uma cidade pequena e harmoniosa, que fascina e encanta pela sua história, beleza e originalidade. Guimarães, construída sobre uma antiga cidade romana, foi escolhida por D.Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal,  como Capital do Reino , após sua vitória na Batalha de São Mamede, em 1128.

Centro Histórico
A cidade tem suas raízes no século X, quando a Condessa Mumadona Dias, viúva de Hermenegildo Mendes, mandou construir um mosteiro, que  deu origem à fixação de um grupo populacional ao seu redor. Para a defesa desse aglomerado, a Condessa  construiu um castelo a pouca distância, na colina, criando assim um segundo ponto de fixação. A ligação entre os dois núcleos formou a rua Santa Maria. O mosteiro tornou-se famoso santuário de peregrinação. A vila expandiu-se com a presença de crentes que vinham pagar promessas ou rezar e aí ficavam. Foi , então, construída a muralha para sua defesa. 

Parte do centro histórico de Guimarães

Posteriormente, os dois núcleos fundem-se num único, e passa a existir uma cidade intramuros. Novas igrejas,conventos e palácios são construídos , mas a estrutura básica permanecerá. Em 1853, a vila, através de ato da Rainha D. Maria II, é elevada à categoria de cidade. Lamentável que, em meio às ideias de progresso para a nova cidade, vem autorizada a destruição de grande parte das muralhas que a cercavam. Mesmo sendo abertas ruas e avenidas, felizmente houve um certo controle que fez com que o magnífico centro histórico de Guimarães fosse conservado e preservado.
Padrão do Salado, monumento épico português.
Na Praça Principal - Largo da Oliveira - encontra-se o Paço do Concelho , do século XIV, e o ( estranhíssimo) Padrão do Salado, também desse século, que  foi mandado erguer por D. Afonso I para comemorar a vitória contra os muçulmanos, na Batalha do Salado. Embora seja um monumento nacional , o Salado mais parece ruína de alguma construção ou algo incompleto. Não consegui saber o nome do autor desse projeto! Penso que ele queria mesmo ser esquecido.

Centro histórico
É realmente encantadora essa histórica cidade com suas subidas e descidas, seus labirintos de ruazinhas sinuosas, ladeadas por casas antigas, seus jardins, com muitas árvores, arbustos e flores. Deve-se caminhar, sem pressa, pela praça principal, pelo Largo da Oliveira e pelo antigo Palácio Ducal. Se houver tempo,ir ao alto de uma colina visitar o Castelo de Guimarães, construído no século X para proteger a cidade dos invasores e ampliado no século XII, passando a ser usado como arsenal e palácio. Foi nesse castelo que, segundo a lenda, nasceu Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.
 
Detalhe do Palácio Ducal
Construído no século XV pelo primeiro Duque de Bragança, o Ducal exibe maravilhosos e tranquilos jardins. Parece ser um dos lugares preferidos de jovens universitários, que constituem uma boa parcela da população de Guimarães. Esteve em ruínas e foi restaurado durante a ditadura de Salazar. Está classificado como monumento nacional e é hoje usado como residência oficial do Presidente da República.

Largo da Oliveira
A igreja Nossa Senhora da Oliveira, famosa especialmente por sua ornamentada torre,  foi fundada por D. Afonso Henriques e restaurada no reinado de D. João I para comemorar a sua vitória na Batalha de Aljubarrota, em 1385. Sobre essa igreja, conta-se a lenda de que uma oliveira foi plantada à sua frente com o objetivo de retirasr dela o azeite necessário para manter acesas as lâmpadas do altar. A árvore, no entanto, murchou, foi secando e morreu.  Anos depois, um piedoso comerciante colocou,  no lugar onde estivera a oliveira, uma grande cruz - e a oliveira, então, milagrosamente,  começou a reviver, brotar e crescer. Sem diminuir o milagre, esclareça-se que a oliveira que se vê ao lado da igreja não é a original.

Estranho.....

A arquitetura das igrejas de Guimarães é imponentes e belíssima. Não me causou, no entanto,  boa impressão os santos de algumas dessas igrejas. Estão todos vestidos com roupas um pouco estranhas e usando perucas a meu ver extravagantes. Esse Jesus, por exemplo, mais parece ter saído das ruas do  bairro Haight-Ashbury de San Francisco, nos anos cinquenta/sessenta. Havia uma outra santa com roupas que me lembraram as que eu fazia para minhas bonecas de pano, quando eu era criança e morava no meio rural.

Órgão de tubos da Igreja da Oliveira

Impressionou-me a grandiosidade e sonoridade deste órgão. Abaixo dele , uma grande faixa solicitava  " Donativos para restauro do órgão de tubos desta Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira". Com certeza, essa campanha de donativos será bem sucedida, considerando que a cidade de Guimarães Guimarães é  conhecida pelo seu patrimônio, pela paisagem inspiradora, pela capacidade empreendedora e pelo sentimento de pertença da sua população residente.

Detalhe do Museu de Alberto Sampaio

Entre os museus existentes aqui, destaca-se o Museu de Alberto Sampaio, sobre o qual José Saramago, escritor português, Prêmio Nobel da Literatura,escreveu:
" Declara já o viajante que este é um dos mais belos museus que conhece. Outros terão riqueza maior, espécies mais famosas, ornamentos de linhagem superior: o Museu de Alberto Sampaio tem um equilíbrio perfeito entre o que guarda e o envolvimento espacial e arquitetônico. Este museu merece todas as visitas, e o visitante faz jura de cá voltar de todas as vezes que em Guimarães estiver."
Presença frequente de estátuas no alto das construções

O Comité da UNESCO inscreveu o Centro Histórico de Guimarães na Lista de Bens Patrimônio Mundial, baseado nos seguintes critérios:
 a) Guimarães é de um considerável significado universal, na medida em que aqui se desenvolveram técnicas especializadas de construção de edifícios durante a Idade Média que depois foram exportadas para as colônias portuguesas, na África e no Novo Mundo, transformando-se, mesmo, em características essenciais;


 b)    A história de Guimarães está intimamente associada com o estabelecimento da identidade nacional portuguesa e da língua portuguesa no século XII; 

Aprazíveis locais de passeio
c) Guimarães, uma cidade excepcionalmente bem preservada, reflete a evolução de alguns edifícios particulares desde os tempos medievais até ao presente, com particular incidência entre os séculos XV e XIX.

Ramón e Ronald no Centro Histórico
Ramón contou-me que , ao longo dos anos, era usual , na Espanha, as noivas  virem a Guimarães comprar peças , especialmente lençois e toalhas de mesa, para os enxovais. De fato, o linho ainda é um dos produtos mais originais e mais produzidos nessa região. Como consequência, a produção de bordados é tradicional também. A delicadeza das bainhas abertas, em linho de cores pasteis,  para quem conhece e aprecia, é algo muito especial.Gostaria de ter comprado uma toalha rosa...mas ver já basta!

Não esquecendo os azulejos....
"Pouco a pouco o passado recordemos
E as histórias contadas no passado
Agora duas vezes Histórias, que nos falem
Das flores que na nossa infância ida
Com outra consciência nós colhíamos
E sob uma outra espécie
De olhar lançado ao mundo."


Fernando Pessoa