sábado, abril 13, 2013

Ilha da Madeira - 1a.parte

Funchal a partir do teleférico

Depois de 1h40 min de vôo pela TAP, cheguei à Ilha da Madeira uma parte de Portugal que eu ainda não conheci.  Gosto de ilhas. Entre as minhas preferidas, Ischia - aquela ilha vulcânica citada por Homero na Odisseia, 9 séculos antes de Cristo -   Sicília, Mallorca e Canárias. Encaro-as como um pequeno mundo com cultura própria. Queria mesmo vir  até aqui. Desejo e decisão.


Odeio teleféricos!Só vou neles porque sou curiosa.

A chegada foi emocionante - talvez a palavra mais exata seja assustadora! Sobrevivi a uma das piores burbulências que já experimentei. Ventava muito. Logo na saída de Lisboa, o comandante avisou que teríamos algumas dificuldades na aterrissagem. Tivemos! Percebi que não era uma situação normal pelo susto dos demais passageiros, alguns habitantes de Madeira. Ao meu lado, um menino, jornalista, comentou : Essa chegada foi com emoção!

Funchal, a capital da Ilha

O aeroporto tem sua pista, que me pareceu curtíssima,  imprensada entre a montanha e o mar. Há poucos anos, ela  era ainda menos longa. Foi estendida com o uso de cem pilares, sobre os rochedos da praia. De fato, o Aeroporto Internacional da Madeira, também conhecido como Aeroporto de Funchal, está localizado na cidade de Machico e constitui-se a primeira grande atração do local.

Cabo Girão, em Madeira.
O arquipélago da Madeira está integrado por oito ilhas, sendo habitadas apenas as duas maiores: Madeira e Porto Santo. Dois terços de sua área estão protegidos como reservas naturais. A floresta laurissilva, intocada por pessoas na sua maior parte, é Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO.    Encontra-se esse arquipélago localizado no Oceano Atlântico, mais distante de Lisboa que da África, pois está  a 600 km  da costa africana  e a  1000   km do continente europeu. O clima é ameno, com temperaturas agradáveis, que oscilam entre os 25º e  15º C.


Antigas oliveiras são a cara da ilha

O arquipélago da Madeira  foi descoberto , em 1418, por João Zarco que, como prêmio, foi nomeado governador. Na avenida Arriaga, uma das mais importantes da capital , há uma estátua de Zarco , de frente para o mar, e a Quinta das Cruzes, hoje ponto turístico de Funchal, foi residência dele. É óbvio que Zarco virou também nome de rua.Visitei até o túmulo dele!

Funchal

Funchal, a capital, tem  100 mil habitantes e turistas que não param de chegar. Exibe design encantador, combinação de natureza diversa e exuberante com ações humanas que se deram ao longo de seus muitos  anos.  Muitos túneis, pontes, elevadas e estradas novas e de boa qualidade - com algumas curvas que me fizeram rezar !


Funchal
O nome Funchal parece ter-se originado de funcho, uma plantinha aromática, que havia muito na ilha no início da colonização e que no Rio Grande do Sul usavam para dar gosto ao mate-doce, sorvido, em geral, pelas mulheres.


Flores da Ilha no Mercado dos Lavradores

Como Região Autônoma de Portugal, Madeira tem liberdade nas suas decisões, exceto defesa, relações exteriores e impostos. É bem conhecido o presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim , pois ele está no cargo desde 1978, reeleito sucessivamente. Sobre ele, correm histórias pitorescas.


Missa de domingo na Igreja do Colégio

Contou-me um taxista que João Cardoso quer superar Salazar em tempo de permanência de governo e que, para tanto, faltam-lhe menos de 20 anos. Precisará manter o cargo até uns 85 anos. Longa vida a ele!!!

Gente da Ilha

Na próxima postagem, relatarei muito do que vimos e fizemos durante os cinco dias em que estivemos na Ilha da Madeira. Adianto que gostei do lugar, da comida e das pessoas .


Bacalhau com grãos

"A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.
O cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;


 

Mosaico no Mercado dos Lavradores
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoia o rosto.
Fita, com olhar sphyngico e fatal,
O Ocidente, futuro do passado.
O rosto com que fita é Portugal."


Fernando Pessoa