segunda-feira, fevereiro 11, 2013

Fantasmas ou fantasias?

Pittok Mansion em Portland
Santiago , grande cartunista gaúcho e criador do Macanudo Taurino, publicou uma gravura em que empregados de fazenda , ao redor do fogo, contavam apavorantes histórias de assombração. Fora do galpão, assombros tremiam de medo ao ouvi-las. Gosto muito dessa representação da cultura do Rio Grande do Sul. Gosto de relatos detalhados de fantasmas ou assombrações.

Willamette River, em Oregon

Na minha memória de criança rural, há muitos registros de relatos sobre fantasmas, que , em geral à noite, após o jantar, as pessoas reuniam-se para contar, ouvir e dormir com medo.  Na Bela União dos meus antepassados, havia um lugar chamado Apertado - uma estradinha estreita entre duas elevações. Desse lugar, eram narradas histórias de um homem ou de um menino que saltava na garupa dos cavaleiros incautos que por ali passavam durante a noite, sempre à noite.


Alcatraz, a ilha - prisão

Já prometi que, quando eu morrer, serei um fantasma diurno e colorido; os noturnos e os de branco me assustam mais. Neste post, entretanto, não pretendo reproduzir os relatos de minha infância. Quero reproduzir - isso sim -  relatos sobre ghosts,  ouvidos em alguns dos lugares que visitei. Obviamente, não poderei ilustrá-los com fotos dos próprios. Usarei, portanto, fotos de espaços considerados assombrados.


Chicago - vista do Navi Pier

Começo com Portland, a cidade maior de Oregon, nos US, uma das minhas cidades preferidas e muito conhecida por seus fantasmas. Lá visitei algumas vezes a Pittock Mansion, construída numa colina, em meio a um parque grandioso e rodeada por jardins exuberantes e belos. Foi construída, em 1914, por um rico empresário - Henry Pittok -  e sua esposa, que  morreram ambos pouco tempo depois.  


Pittock Mansion

Pessoas afirmam ter visto aparições e ouvido passos, que atravessavam salas vazias da Mansion. Dizem , ainda, que portas e janelas abrem-se e fecham-se por si só e que um retrato do Sr. Pittock já foi  encontrado em diferentes partes da casa - sem que ninguém o movesse. O lugar é lindo ; os  fantasmas,  de bom gosto! Também em Portland, no rio Willamette, contam-se histórias de um navio fantasma, que é visto deslizando sobre as águas e logo desaparece.


Chicago
A movimentada e moderna Chicago também tem seus fantasmas. Depois do acidente aéreo da American Airlines, em 1979, quando morreram 271 pessoas, muitas histórias surgiram, como a de  um misterioso círculo de luzes ao redor do local do acidente. Quando os policiais chegaram, eles não encontraram nada além de um campo deserto.. Após esse fenômeno, em uma área residencial próxima, começaram a ocorrer fatos estranhos.


Chicago
Algumas pessoas disseram que, na exata hora do acidente, ouviam bater em suas portas ou janelas, e quando iam atender não encontravam ninguém ali. Semanas mais tarde, alguns relataram que, em uma destas batidas noturnas, ao atender a porta, encontraram um homem confuso, dizendo que precisava encontrar a sua bagagem, que estava perdida. Em seguida ele se virou e desapareceu na escuridão. ( Bati 3 vezes na madeira: tenho passagem para Chicago, pela AA, em maio.)


San Francisco

A cidade de San  Francisco, composta por grande população imigrante e um  histórico de desastres naturais, como terremotos, construiu a fama de ser  mal-assombrada.  Chinatown recebe excursões de turistas que vão à procura de  fantasmas e de folclore assustador. Fantasmas são vistos na Ilha de Alcatraz, defronte à cidade - são vistos também  em  hotéis,  mansões e  igrejas.


Chinatown, em San Francisco

Desses hoteis , um dos mais famosos é o Queen Anne Hotel, que serviu como uma escola para meninas na década de 1890 e é dito ser assombrado pelo fantasma de sua ex-diretora, Maria Lago. O  Queen Anne, um bonito hotel , em prédio vitoriano, datado de 1890, com móveis antigos e decoração da época. Estivemos, Ronald e eu, durante quatro dias nesse hotel. Nosso único momento de assombro foi quando vimos a conta! Mas, na região, não é só San Francisco que tem seus fantasmas.


Sinalização do Caminho Real

Temendo perder o controle da Califórnia para outros exploradores, o rei da Espanha encarregou o Pe. Junípero Serra, frade franciscano,  de fundar e administrar missões que iam de San Diego de Alcalá até San Francisco de Solano, em Sonoma Valley. Foram fundadas 21 missões, que se tornaram as principais cidades do atual estado da Califórnia, como San Diego, Los Angeles, Monterrey, Carmel, San Luis Obispo  e San Francisco.  As missões eram construídas para ficarem à distancia de viagem de um dia a cavalo uma da outra e ficavam no chamado "El camino real" que ia sendo construído na medida em que as missóes eram fundadas.


Sinos de San Juan Capistrano

Visitei quase todas as Missões e escutei ali muitas histórias de assombração.San Juan Capistrano, fundada em 1776 e destruída por terremotos em 1812 e 1818, está hoje parcialmente reconstruída. É famosa por seus jardins e suas histórias fantásticas. Há um monge sem rosto que percorre os corredores  à noite, e ouve-se o pisar das suas sandálias que ecoam através do silêncio enquanto ele se apressa e desaparece nas sombras.


Detalhe de um jardim em San Juan Capistrano

Há sinos que tocam sem que ninguém os tenha movido e em horas inesperadas. Há um soldado sem cabeça, que fica de guarda perto do prédio. Uma das histórias mais repetidas, entretanto, é de Magdalena, uma jovem que perdeu a vida no terremoto de 1812. Ela era penitente naquela manhã, segurando uma vela, enquanto caminhava na frente de seus pares, quando as paredes tremeram e as cúpulas do telhado desabaram sobre eles. Em noites de lua, apenas seu rosto é visto, iluminado por uma vela, nas altas janelas das ruínas da Igreja.


Porta principal de acesso ao centro de York

Antes de sentir medo, quero ainda escrever sobre os fantasmas de York, uma bela e antiga cidade inglesa, famosa pela arquitetura e pelas histórias sobrenaturais. Em seus edifícios góticos, houve assassinatos e mortes trágicas, muitas de personagens conhecidas. No castelo da cidade, por exemplo, Catherine Howard, a quarta esposa de Henrique VIII, foi, em 1542, condenada à morte, por suposto adultério. Durante o trajeto do castelo ao cadafalso, seus gritos foram horripilantes. Comenta-se que esses gritos ainda são ouvidos, nos corredores do mesmo castelo , em cada aniversário desse acontecimento. Na Igreja de Todos os Santos, contam que um fantasma desconhecido assiste a todos os enterros. Muitas pessoas o vêem.

 
Catedral de York

A gótica catedral de York é conhecida por seus fantasmas. Teriam sido vistos ali uma monja que foi enterrada viva e um ladrão fratricida, arrependido, chorando. Também , pela porta principal de entrada à cidade, teriam visto, atravessando-a, um soldado que foi degolado, carregando sua própria cabeça. Horrível! York é uma bela cidade, parece mesmo cheia de mistérios e parada no tempo.


Cesky Krumlov - Torre do Castelo

Na República Tcheca, há um famoso castelo assombrado na encantadora cidade de Cesky Krumlov. Contam que vivia nesse castelo, no século XV,  Perchta von Rozemberk, uma jovem muito bonita e muito cortejada pelos jovens da região.  Seu pai, entretanto, decidiu que ela se casaria com um lorde da Moravia , Johann  von Lichtenstein. Casou para satisfazer a vontade do pai. Não foi feliz. O lorde revelou-se péssimo marido, tendo sido cruel com a pobre Perchta  ao longo da vida conjugal. Quando Lichtenstein estava no seu leito de morte, chamou a esposa e pediu-lhe  perdão por todos os maus tratos. Com muita mágoa e muitos ressentimentos acumulados, ela não o perdoou.


Em Cesky Krumlov

O marido, moribundo, amaldiçoou-a , transformando-a na Dama de Branco, que vive vagando pelas salas do Castelo  e que costuma aparecer em festas e eventos importantes.  O Fantasma usa sempre um belo vestido branco e um detalhe premonitório que é bem importante: tem sempre luvas longas. Se  as luvas forem brancas, é sinal de boa sorte para quem a vê. Se forem pretas, desgraça na certa.
Prometo que o próximo post será menos macabro! Aguardem.




"Guardo ainda, como um pasmo
Em que a infância sobrevive,
Metade do entusiasmo
Que tenho porque já tive.

Quase às vezes me envergonho
De crer tanto em que não creio.
É uma espécie de sonho
Com a realidade ao meio."


Fernando Pessoa