sexta-feira, novembro 02, 2012

Calama: descobrindo o Atacama




















O Chile não está dividido em estados. Divide-se em 15 regiões, representadas por números romanos e cortadas, sequencialmente, de norte a sul. O Deserto de Atacama, com  2440 m acima do nível do mar , é o mais alto  e mais seco deserto  do mundo e está localizado na II região do Chile, que tem como capital Antofogasta, importante cidade costeira. Voamos pela Austral Airlines, de Santiago a Calama, em 2h20min , num vôo em que diversas línguas podiam ser escutadas.






















Sendo o Chile um país compridinho, implica que fomos do centro para o norte, na direção de Arica, cidade do próprio Chile, da Bolívia e do Peru. Depois do deslumbramento inicial por tudo o que se via através da janela do avião, aconteceu o pouso que nos pareceu, ao início, no meio do nada e de lugar nenhum. Era o pequeno aeroporto de Calama, a empoeirada  segunda maior cidade da região. Estávamos, portanto , no deserto.





















Custou-me acostumar os olhos à paisagem. Era tudo surpreendente. A primeira sensação foi de sede, muita sede - não sei se pela secura mesmo ou pela emoção da chegada. Um carro, que já nos esperava, levou-nos a San Pedro do Atacama, que seria a  base para, a partir daí, viajar e conhecer lagoas, vulcões, dunas, formações rochosas estranhas, tudo com textura e colorido de plasticidade perfeita.




 




















Embora já tenha viajado por desertos em outros países, como Tunísia, Marrocos, Egito, penso que minha sede maior provinha do queixo caído e da boca aberta pelo deslumbramento do que enxergava - como esta ponte sobre um rio onde , em algum momento, teve água.

























"Se às vezes digo que as flores sorriem
E se eu disser que os rios cantam,
Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores
E cantos no correr dos rios...
É porque assim faço mais sentir aos homens falsos
A existência verdadeiramente real das flores e dos rios."

Fernando Pessoa