quinta-feira, julho 05, 2012

" Vou embora pra ...." San Diego!




















Não me levem a sério. Muitas vezes digo isso quando parto de cidades que me encantam. Verdade que San Diego foi amor à segunda vista . A primeira vista foi impossível , porque o aeroporto localiza-se no centro da cidade, e o avião passa muito perto dos grandes edifícios e de uma praia. Cheguei a sentir medo. Em pouco tempo, contudo,  o medo cedeu lugar ao encanto. O lugar é tranquilo, bonito, diversificado, com trânsito civilizado e pessoas que me pareceram gentis e cordiais.
















Distante apenas 30 km da fronteira com o México, nesta cidade, que foi o primeiro assentamento espanhol na Califórnia,  encontram-se sinais da cultura hispânica na arquitetura, na culinária, na toponímia e na linguagem em geral. É importante porto comercial e militar, com muitos barcos, transatlânticos, iates, pota-aviões e cruzadores. A área do porto é bonita e pode-se  passear por ela inclusive à noite.

















Old Town lembra filmes do velho oeste, com a delegacia, o hotel, o bar, o banco, a igreja e a praça - faltando só o bandido e o mocinho. Depois de percorrer esta área, aqui mesmo, na velha cidade, tomamos o bondinho ( Old Town Trolley ) e percorremos outros pontos de interesse, permanecendo neles o tempo que queríamos e retomando o bondinho novamente (sightseeing). O percurso todo custa $US 36 por pessoa.



























O badalado Gaslamp Quarter , integrado por dezesseis quadras do centro de San Diego, foi revitalizado - não gosto dessa palavra , prefiro reinventado ou restaurado porque me parece que houve não mais vida no local e sim mais investimentos - e tornou-se um  bairro da moda, charmoso à noite, com seus lampiôes a gás. Nas imediações , está o Horton Plaza, shopping center, com interessante arquitetura, construído em 1985. Gaslamp um bom lugar para hospedarem-se os que curtem movimento noturno. Há muitos bares e restaurantes, com música, e muito movimento de pessoas jovens nas ruas. Visitei, nessa área, algumas boas galerias de arte. Numa delas - a Exclusive Collections ( www.ecgallery.com ) - gostei muito do design de uma fonte, onde água, movimento , formas e cores eram realmente harmoniosas.
























Balboa Park, maior parque urbano-cultural dos Estados Unidos, é visita obrigatória. Tem belos jardins, esculturas, exposições, zoológico, quinze museus - lojinha de museu é um bom lugar para comprar lembrancinhas - e uma interessante casa de hospitalidade, com banheiros, lugares para descanso, fontes e jardins internos, bares e cafeterias. Fundado em 1868, teve sua beleza acentuada pelo número de exuberantes árvores, plantadas em todos os seus 485 ha por Kate Sessions, mulher que fez por merecer a sua estátua logo na entrada do Balboa. Outro espaço bonito desse parque é o Botanical Building, cheio de plantas tropicais e subtropicais e construído todo com tiras finas de sequóia - na frente dele, um pequeno lago com belas plantas aquáticas. Visitei o Museu de Arte, o Museu de Fotografia e o Museu de História. Gostaria de ter ao museu de antropológico  - ficou para uma próxima vez, como também ficou a visita ao Parque dos Legos. Não fui ao Zoo.Não é um passeio que me interesse - nem a presença do raro urso panda  motivou-me a ir.






















Coronado também é um passeio lindo. Apenas, na ida, senti um pouco de medo quando o bondinho cruzou a extensa e alta  ponte Ronald Reagan que liga San Diego a essa fantástica Península, onde se podem vem as casas fantásticas, lojas e hotéis famosos - o mais famoso é o Hotel del Coronado, cenário do filme Quanto Mais Quente Melhor ( 1959) , estrelado por Marilyn Monroe. Coronado , por um lado, é banhado pela Baía de San Diego; pelo outro, é mar aberto; portanto com muitas praias. Vale a pena estar um tempo apenas olhando a paisagem.






















Também foi muito interessante o tempo que passamos na Little Italy. Falar italiano, tomar um bom café, olhar a exposição de fotos antigas - como uma de 2006, que mostrava as comemorações no bairro, quando a Itália ganhou a Copa do mundo -  ver a bandeira italiana junto com a bandeira dos Estados Unidos em todas as casas, pois era Quatro de Julho, dia da Independência, foi realmente bom, foi um sentir-se em casa, na casa dos outros. Antes de viajar, copiei este comentário do http://viagem.uol.com.br/guia/cidade/san-diego.jhtm :






















"É permitido fazer piqueniques nos parques e nas praias, mas cerveja e vinho devem estar fora do menu. Por força de lei municipal, é proibido fumar e ingerir bebida alcoólica nos parques e praias de San Diego. A multa pode chegar a US$ 1.000, e turistas também estão submetidos à regra. Quem quer beber tem de ir a um bar ou restaurante, e quem quer fumar deve ficar a, pelo menos, cem metros de distância de qualquer prédio, praia ou parque público."  Naquele momento, pensei: vou conhecer uma cidade interessante. Realmente, San Diego é bem mais interessante do que eu esperava. Surpreendeu-me. Pretendo voltar. Como sempre penso, preciso ganhar mais vidas... Nesta, talvez falte tempo.