domingo, abril 22, 2012

Glasgow


Rio Clyde
Embora não tenha o charme de Edimburgo, Glasgow é uma cidade bonita. Eu não a colocaria, entretanto,  como primeira opção em um programa de viagem. Glasgow não me surpreendeu, nem me encantou. Fora a Catedral e a área da cidade que a circunda, incluindo o cemitério antigo, é uma cidade como tantas outras de diferentes países. Como estava em nosso caminho para ir à Irlanda do Norte, decidimos fazer um stop de dois dias e resolver um problema, ou seja, ir uma vez para não precisar ir mais. É interessante salientar que , em Glasgow, nasceu o economista Adam Smith, mundialmente conhecido.

Portal de Glasgow
A grande Glasgow tem cerca de dois milhões de habitantes - a cidade propriamente tem cerca de 600 mil. É a maior cidade escocesa e a terceira maior do Reino Unido, depois de Londres e Birmingham. Foi fundada por São Mungo, um missionário cristão, no século VI. Tem  indústrias,   comércio intenso,  transporte público eficiente e alguns lugares históricos bem interessantes, incluindo uma universidade, fundada em 1451, através de uma bula papal. Está situada  nas terras baixas, no centro - oeste da Escócia, às margens do rio  Clyde - de onde bonitas pontes e construções podem ser vistas.

Detalhe do portão da Catedral
Sua Catedral Medieval, entretanto, é que rouba a cena. É mesmo impressionante e,  há mais de 1500 anos,  reconhecida como lugar sagrado - mesmo quando ainda não era, formalmente, uma igreja. Nesse lugar, inicialmente, foi plantada uma cruz por São Ninian, e o lugar foi , então, considerado sagrado e destinado aos enterros cristãos. A primeira construção como Catedral deu-se no ano de 1136,quando  foi também dedicada ao Rei David, que, naquele período,  visitava o local. Pode-se visitar , na parte baixa da igreja, o túmulo de São Mungo, que morreu no ano 603. O lugar assustou-me um pouco , pois me lembrou alguns filmes de terror ou de assombração.  A nave, por onde se entra na catedral e uma das suas cinco partes mais importantes,  tem 32 metros de altura. O telhado medieval, de madeira, impressiona pela arquitetura e durabilidade. Impressionam muito também a coleção de vitrais que se pode ver e fotografar à vontade.

Como se não bastassem as pombas...
De Edimburg a Glasgow, pode-se ir de trem , em uma hora de viagem. Para ir à Irlanda, toma-se um trem na Glasgow Central e vai-se a Ayr em 47 minutos. Em Ayr, de ônibus, em 1h10min,vai-se a Cairnryan, de onde se pega um barco e, 2h15min depois, chega-se a Belfast.
Na estrada, belíssimas paisagens da Escócia rural. Casas de pedra, pequenos castelos, campos limpos e, agora , na primavera, muito verde e muitas flores. Estou saindo da Escócia um pouco triste.
Foram muitos os lugares que eu gostaria de ter visitado; muito mais tempo eu gostaria de ter permanecido e andarilhado por aqui. Queria  retornar para ver, especialmente, as terras Altas. Como sempre falo, no final, vou precisar de mais vidas! Pena que a vida não é um game...