sexta-feira, fevereiro 03, 2012

Torres, minha linda...

Yago,neto da minha amiga Deborah
Lembrando Fernando Pessoa,  amanheci com vontade de " Varrer os quartos da observação/ E limpar  o pó das idéias simples" por isso saí a fazer fotos de Torres e a vê-la com olhos de visitante, depois de 35 anos como residente , durante os meses de verão. 
Iniciando o tour pela Lagoa do Violão, pus-me a observar o desenho irregular de  seu contorno; a cor das águas; os muitos pássaros tranquilos sobre pequenos troncos que emergem, mais parecendo esculturas; as pessoas que correm ou caminham nos calçadões ao redor da Lagoa;  as muitas casas  que surgiram nas proximidades das margens; o movimento de carros na área, movimento, há um tempo, inexistentes. Lugar de paz e beleza.

Vista da Praia da Cal a partir do Morro do Farol

Nas proximidades da Igreja de São Domingos, uma das mais antigas da região, existente desde 1815, podem-se ver alguns vestígios da cidade, quando era pequena , como a Prefeitura e o antigo presídio,  anteriores aos arranha-céus, que , embora modernos e bem feitos, não agregaram beleza à cidade.É interessante passar por ali - e passa-se sempre quando se vai à Guarita.


Morro das Furnas

Torres é abençoada com a presença dos morros, das praias e do rio Mampituba, rio que é divisa natural entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Antes, além da balsa,  só havia a Ponte Pênsil - meu pesadelo! -  para atravessar o Mampituba. A Ponte Pênsil continua existindo e sendo usada pela população dos dois Municípios. Eu, no entanto, continuo com medo dela.  Agora felizmente há uma ponte para carros  que  nos permite ir e voltar - da minha casa ao Passo de Torres  - em  15 minutos, trazendo camarões e peixes catarinenses fresquinhos. Gosto de olhar o Mampituba quando ele deságua no Oceâno Atlântico, Rio de Muitas Curvas, como é o significado de seu nome em Tupi-Guarani.
Ponte entre Torres/ RS e Passo de Torres/SC

Parece ter sido a Praia da Guarita , com seus morros de agreste beleza, que deu a Torres a fama de ser a mais bela praia do Estado. O Morro Sul, que separa o Parque da Guarita da Praia de Itapeva, tem uma escadaria , com 100 degraus, que permite às pessoas chegarem ao topo dele e , de lá, terem uma vista fabulosa das praias, das dunas, dos outros morros e de parte da cidade. O Parque Estadual José Lutzemberger, conhecido como Parque da Guarita, foi construído, respeitosamente, considerando as particularidades da fauna e da flora local. Possui 350 ha, mas sofreu muitos anos por falta de cuidado devido a falta de gerenciamento. No local, uma placa com texto de Lutzemberg diz :

Ponte Pênsil sobre o Rio Mampituba
"" O verdadeiro desastre começou com aquilo que hoje designamos de " progresso"e " desenvolvimento" . O pensamento básico deste novo contexto cultural faz com que queiramos sempre atingir eficiência máxima em todos os nossos empreendimentos, eficiência essa medida em termpos de fluxo de dinheiro apenas, e quase nunca em termos de harmonia, sustentabilidade, integração, beleza, riqueza de vida. ""
Nos anos 70, muitas vezes vi Lutzemberg trabalhando no Parque da Guarita. Ele era um grande pesquisador e um admirável idealista.

Lagoa do Violão
Com 6 km de extensão e localizada após o Parque da Guarita, estão a Praia e o Morro de Itapeva , no Parque Estadual do mesmo nome. Itapeva, em tupi-guarani significa "pedra chata". Vale visitar também as Dunas da Itapeva, lugar de  beleza e tranquilidade. O Parque Estadual de Itapeva é uma Unidade de Conservação, cadastrada no Sistema Estadual de Unidades de Conservação - SEUC e no Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. Visitas públicas são realizadas, com acompanhante, através de trilhas e com agendamento prévio na sede do Parque.

Torres vista das proximidades da Ilha dos Lobos

A Praia Grande , pertinho da minha casa, tem 2000 metros de extensão. Quando começamos a frequentá-la era uma praia de vizinhos, quase todos se conheciam e havia espaços livres entre um grupo e outro, . Hoje, é a praia preferida pelos turistas, com muita gente sempre , com aglomerações constantes e dificuldade de estacionar nas suas proximidades. As festas de fim de ano realizam-se nessa praia e muitos eventos esportivos também. Sinto, entretanto,  nostalgia de como ela era nos anos setenta - um lugar bonito e tranquilo.

Parque da Guarita

Entre a Praia da Cal e a Praia Grande, está a Prainha , ou Praia do Meio, com 600 metros de extensão, solo rochoso, arquitetura interessante de algumas casas à sua frente. Ainda é um bom local para passear e olhar a bonita paisagem desse pedacinho de Torres. Com 800 metros de extensão , a Praia da Cal, ou  Praia de Caxias, assim chamada pela preferência,  já de longa data, demonstrada pelos habitantes da cidade de Caxias do Sul, tem , à sua frente,  a praça Nossa Senhora dos Navegantes,  padroeira dos pescadores, e conhecida também como Iemanjá,   a rainha do mar.


Lagoa do Violão, em dia de Feira
Preferida para surf, a Praia dos Molhes tem ocupação contínua principalmente por jovens esportistas. Integra também o espaço para caminhadas que vai da Prainha ao Mampituba. Os molhes, construídos entre 1968 e 1970 para fixação da foz do rio e para facilitar a saída dos barcos pesqueiros, têm 250 metros de extensão, onde é frequente a presença de adultos e crianças com seus caniços de pesca. Lugar agradável  para passeios e caminhadas, pode-se hoje observar dessa área o crescimento acelerado de Passo de Torres, pequena cidade catarinense, situada na outra margem do Mampituba.

Pedro e eu na Guarita
A cidade de Torres tem ao redor de 35 mil habitantes permanentes. Nos meses de verão, entretanto, transitam ou param por aqui cerca de 500 mil visitantes. Os acessos a ela são muito bons, em especial agora pela BR 101. Há hotéis e restaurantes razoáveis e um comércio que, no geral, funciona durante todo o ano.

Lagoa do Violão
Torres é um município de pequenas propriedades rurais que se dedicam principalmente ao cultivo da banana e do abacaxi. É um lugar agradável para morar, mesmo fora da temporada de verão. Há outras atrações aqui , como a Ilha dos Lobos, a única ilha marítima dos Estado e onde se podem ver lobos marinhos, quando se faz passeios dos barcos que partem, diariamente, dos Molhes e o Festival Internacional de Balonismo, evento, colorido, fotogênico e bonito,  que atrai a atenção de grande público e de muitos  participantes. A foto é de Fabiana Menine.

Festival Internacional do Balonismo

Nossa temporada 2011/2012 está sendo ótima. Além do que a cidade oferece, temos o convívio com familiares e amigos queridos e de longa data, como Feliciano, Jaquie e Deborah que hoje estão conosco. No início de março, deixaremos Torres e logo,logo, percorreremos outros caminhos. Andarilhar sempre!

Cimarrão em família...
" Mas assim é toda a vida: assim, pelo menos, é aquele sistema de vida particular a que no geral se chama civilização. A civilização consiste em dar  a qualquer coisa um nome que não lhe compete, e depois sonhar sobre o resultado" .

Fernando Pessoa