sábado, novembro 05, 2011

Letônia : cemitérios e memoriais




















Letônia  também tem, nos seus cemitérios, locais interessantes de visitar. No Cemitério dos Irmãos , as esculturas mais famosas são Dois irmãos, O Cavaleiro Perdido e Mãe Letã, trabalhos do escultor Kärlis Zäle. Nele, estão enterrados os letões que morreram em defesa do País na Primeira Guerra Mundial e na Guerra da Independência. No Cemitério Rainis, estão enterrados, entre outras pessoas, escritores, escultores, artistas plásticos e músicos.




















No Cemitério Florestal, iniciado em 1913, a escultura mais famosa é Mãe Chorosa, que assinala a morte de um ministro das relações exteriores do País, ocorrida em 1925, em circunstâncias nunca esclarecidas. O autor dessa escultura – Janis Rozentäls - também está aí sepultado. Eu queria muito ver o Memorial do Holocausto , na Floresta Bikernieki. Por sorte, depois de visitarmos o Museu do Automóvel, chamamos um táxi para retornar ao centro e, ao comentar com o motorista minha vontade de ver o Memorial, ele imediatamente prontificou-se a levar-nos, já que íamos passar perto, e esperar-nos na estrada próxima à Bikernieki. Assim fez, demonstrando emoção com o nosso interesse.






















Caminhamos uns cem metros para dentro da Floresta e lá estava esse Memorial, inaugurado em 2001, no lugar onde os nazistas executaram e enterraram quarenta mil judeus, trazidos da Alemanha e de outros países europeus ocupados entre 1941 e 1944. No centro do pavilhão, na entrada do Memorial, numa grande pedra escura, está escrito ( tradução): “Ó terra, não cubras o meu sangue, e não haja lugar em que seja abafado o meu clamor.” ( Jô 16: 18).





















Esta foi a visita que mais me abalou emocionalmente na Letônia. Eu via setores com o nome de cidades que conheço, como, por exemplo, Brno, Praga, Frankfurt e Colônia, e que considero pacíficas e bonitas e pensava no que o ser humano é capaz quando encontra um grupo e um ambiente afins com suas idéias – ainda que de destruição, morte e dor. Nessas horas sempre penso na dor de pais que perdem filhos, dor maior que alguém pode ter.