segunda-feira, abril 04, 2011

Michigan

Bill e Ronald




















Já estive outras vezes em Michigan, um bonito Estado cercado pelos lagos Michigan, Superior, Huron e Erie e onde não se anda mais de sete quilômetros sem que se encontre ao menos um pequeno lago. Realmente, é a Região dos Lagos.
Aqui vivem Nina, minha cunhada, uma pessoa adorável, e Bill, seu marido, professor de jardinagem, aposentado de universidade. Eles estão casados há 60 anos. Os filhos estão pelo mundo, e eles curtem morar perto do Sister Lakes, numa casa grande, rodeada de plantas raras. Estar com eles é uma lição de bem viver.Os dois trabalham, como voluntários, em jardins públicos. No ano passado, Nina e eu pusemos, num grande canteiro de praça, 360 plantinhas, combinando vermelho e cinza. Ficou bem bonito nosso trabalho. No dia seguinte, precisei tomar alguns comprimidos de dorflex e cataflan.

Nina e eu



















Sempre desejei, entretanto, conhecer a Capital, Detroit, provavelmente porque gosto de carros e percebo a história dessa cidade vinculada à história da indústria automobilística americana. A cidade tem um milhão de habitantes e , atualmente, uma certa fama de violenta. Ninguém se dispunha a me acompanhar nessa visita. Pensei que não conheceria Detroit, não visitaria The Detroit Institute of Arts e não veria o mural grandioso de Diego Rivera, que retratou o processo de industrialização da cidade, com as duras relações entre operários e patrões. Até já estava conformada com essa lacuna nos meus itinerários de viagem. Favorecida pela sorte, no entanto, deixei para fazer, nos USA, o meu visto para o Canadá - e a cidade mais próxima de nós que concede esse visto, é ...Detroit! Ronald e eu estamos a caminho de lá – e , para minha alegria – de trem. Os trens americanos e suas estações merecem um texto à parte.