quarta-feira, abril 06, 2011

Detroit




















Detroit foi fundada em 1701 pelo francês Antoine de la Mothe Cadillac, um comerciante de peles!A história de seu desenvolvimento começa com a construção de embarcações. A indústria naval foi seu forte, apesar de estar num estado de interior do país. Passou , depois, a ser centro de fabricação de equipamentos ferroviários, carros e bicicletas. O grande impulso para seu crescimento foi dado por Henry Ford, em 1896, quando começou a produzir automóveis. Na década de 20, a maioria das fábricas americanas de carros, como a Ford, a General Motors, a Pontiac e a Chrysler, transferiram suas sedes e demais instalações para Detroit.





















Veio a crise e , com ela, muitos problemas q a cidade não conhecia ou que existiam em pequena escala. Assustou-me o subúrbio por onde se chega de trem. Ruína total. A cidade,que chegou a ter um milhão de habitantes, perdeu cerca de trezentos mil – gente que saiu à procura de trabalho, como nos disse um taxista. Observam-se , agora, algumas iniciativas para revitalizar a cidade,como o Renaissance Center, à beira do lago, sede atual da General Motors.


Detroit - Centro




















Apesar de haver traçado Detroit, saio insatisfeita porque os museus atualmente não abrem segunda e terça e foi-nos impossível, portanto, visitá-los. Vi apenas externamente o Charles H. Wrigth Museuns of Africam American History, criado em1997, numa homenagem à contribuição, para o progresso cultural e comercial da cidade, da grande população afro – americana de Detroit. 
Interessante a história local da gravadora Motown Sound, dirigida por Berry Gordy Jr, e que contou com artistas fantásticas como Diana Ross e os The Supreme. Foi a primeira gravadora independente controlada por afro-americanos nos US. Hoje pertence à PolyGran Corporation.

Detroit - Biblioteca Pública

Andamos muito pelo Bairro Grego onde estão os melhores restaurantes da cidade e onde se ouve , o tempo todo, música grega – o que me fez lembrar muito, com saudades, Alex e Gisela, meus amigos do norte da Grécia..
Fala-se que tempo de crise é tempo de jogos de azar. Saí me perguntando se essa não seria a causa da existência de tantos Cassinos aqui, inclusive o imenso Greektown Hotel Cassino, onde nos hospedamos.
Obtive, no Consulado do Canadá, um visto, com múltiplas entradas e duração de seis meses. Gostei de ter visitado Detroit. É interessante e ...bem...agora que já o conheço, não preciso ir outra vez..
Estamos, Ronald e eu, no trem, voltando para Chicago/Champaign/Paxton.