domingo, dezembro 05, 2010

Delenda est Cartago!

Delicadeza no mármore imenso


Inicio o histórico da Tunísia, tão pleno de lendas e grandioso no que ainda dele resta, por Cartago, que emociona, encanta e impressiona - tanto assim que, na noite seguinte à minha visita, Cartago foi cenário de um sonho em que eu  conversava com Clóvis Guterres, meu amigo - irmão, sobre o cotidiano daquele lugar.


Cartago


Ali está , na vizinhança hoje do Palácio Presidencial - este com  policiamento ostensivo e proibição de fotografá-lo - banhado pelo azul e calmo Mediterrâneo, a cidade fundada pela princesa fenícia, cujo nome pode ter  sido Dido ou Elissa. Ali está Cartago, fazendo-nos recordar toda a grandeza que ostentou um dia.



Entrada nas termas de Cartago



Dido, Princesa do Tiro,  veio do Líbano, perseguida por seu irmão Pigmaleão,  depois que este assassinou seu marido.  Os fenícios permitiram a ela comprar uma área de terra que fosse do tamanho do  couro de um touro. Dido fez do couro tiras muito finas e com elas delimitou a área de Cartago. É a lenda.


Cartago


Parece mesmo que , na prática, os fenícios queriam uma ocupação perto do Mediterrâneo para combater possíveis avanços de outros povos. A cidade ganhou tal fama e poder , tornando-se um grande centro de cultura e de negócios. Mais ainda, tornou-se , entre 500-400 a.C., um estado independente - o que despertou a concorrência e o ódio de outros povos.



Outro delicado trabalho em mármore


De Cartago, partiu o general Anibal, com um exército bem treinado e 35 elefantes. A derrota de Anibal começou com o frio, ao atravessar os Alpes. De volta a Cartago, ele foi duramente criticado pela classe dominante e constrangido a abandonar a cidade. Suicidou-se.



Cartago e o Mediterrâneo


Dei-me conta ,agora, que, por sorte, não tive , na Tunísia, a chamada "Praga de Anibal", um forte distúrbio  estomacal ou intestinal que costuma atacar, mais ou menos durante 12 horas, a  turistas e viajantes. Outra vez, também no Norte da África, em Marrocos, passei mal durante 24 horas, com praga não sei de quem, que me deu vômito e diarréia terríveis.







De 263 a 146 a.C. , aconteceram as três guerras púnicas que  acabaram fazendo a primeira destruição de Cartago ( Como escreveu Ronaldo Mota faz poucos dias, "inveja e burrice andam sempre juntas" - e como são destrutivas! ).



Ao fundo, o porto cartaginês


Cartago foi, mais tarde,  reconstruída como  primeira colônia romana na África. Desenvolveu-se e tornou-se, outra vez grandiosa , então  como parte do império romano. Teve novos invasores - vândalos, bizantinos e árabes - que a transformaram em ruínas. Grandiosas ruínas! Permaneceu o mito.


Grandiosas ruínas!