terça-feira, novembro 02, 2010

Toledo

Amo a arquitetura de Toledo: palácios, igrejas, mesquitas, sinagogas. Acima de tudo, como Fernando Pessoa, eu amo o Tejo:

  
"O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Tejo , passando por Toledo
 Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele."
Fernando Pessoa

PS. Recebi de Pedro Leal Fonseca, que hoje é médico em Santa Catarina, mas que eu continuo chamando-o de Pedrinho, como quando eu o conheci, criança ainda. Irei postar aqui, com a devida licença dele.

Olá Aldema. Lendo a poesia de Fernando Pessoa que está no seu blog lembrei da "profecia de Serra de Sintra":

Tejo, perto de Toledo


"Patente me farei aos do Ocidente

Quando a porta se abrir lá no Oriente.

Será coisa pasmosa quando o Indo,

Quando Ganges trocar, segundo vejo

Seus espirituais efeitos com o Tejo"