quarta-feira, junho 23, 2010

Xi 'an II






















Três ou quatro agricultores cavavam um poço, em 1974 , para obter mais água para a propriedade de um deles. Começaram a encontrar pedaços de terracotta ( “barro cozido” ). Esses pedaços, observaram eles, representavam partes de figuras humanas. Assustados, pararam de cavar. Contam que, por sorte, um jornalista ficou sabendo desse acontecimento e , além de noticiá-lo, comunicou ao governo chinês a descoberta dos campesinos . 






















A partir daí, iniciaram-se os trabalhos de recuperação e reconstrução de muitas figuras, trabalho minucioso, feito por muitas pessoas de diferentes áreas. O último sobrevivente desses campesinos - foto 2 - vive junto ao museu e recebe um percentual da venda do livro que trata dessa descoberta. Comprei esse livro, e o velhinho assinou-o para mim. Raridade!






















O Exército de Terracotta é constituído por mais de oito mil figuras, que guardavam o túmulo de Qin Shi Huangdi, soberano chinês há mais de 2200 anos! Qin dedicou trinta e seis anos de sua vida à preparação sua necrópole. Até hoje não se chegou ao túmulo dele, embora se saiba a localização - está numa falsa colina , num palácio com 45 metros de altura, após o Exército de Terracotta.






















Historiadores afirmam que um rio de mercúrio corria dentro desse palácio, que tinha na parte superior a simulação de um céu, cravejado de pérolas e pedras preciosas. Eu li que esse complexo funerário tem mais 48 túmulos de concubinas que foram enterradas vivas junto com o Imperador – ele, morto, é claro! Costume da época, enterraram também os operários para evitar que, um dia, revelassem a localização e o projeto do túmulo. Devem ter enterrado também os maravilhosos artistas que conceberam e fizeram as figuras todas. Histórias semelhantes a essa encontrei no Egito.






















Fantásticas também são as duas carruagens de bronze – uma delas com mais de 3600 peças – que foram desenterradas e remontadas. Numa das fotos acima , note-se o detalhe das mãos do guerreiro que seguram as rédeas dos cavalos.





















As escavações ainda estão sendo feitas. É um trabalho, delicado e cuidadoso em razão da fragilidade do material. Já se sabe que são três trincheiras. Na primeira, está a infantaria , com mais de 6 mil soldados; na segunda, cavalaria e soldados e , na terceira, o centro do comando, com 70 oficiais de alta patente.






















A expressão de cada figura é individualizada – não tem uma igual a outra. Eram coloridas ( na aparência, nas roupas e nos equipamentos) mas a exposição ao ar causou rapidamente a descoloração. As figuras receberam uma camada de laca para garantir sua durabilidade. Qin pensou em tudo! Viveu para planejar sua morte. Ainda bem que uma parte já pode ser vista, deixando-nos perceber como eram e o que faziam há tantíssimos anos.





















Considerado hoje a oitava maravilha do mundo, o Exercito de Terracotta foi o que mais me impressionou na China – mais do que a Cidade Proibida ou a Grande Muralha.
Depois dessa visita a Xi 'an e ao Exército, parecia-me que eu já podia voltar. Sabia que nada me impressionaria mais do que isso.





















À noite, eu não conseguia dormir - sentia uma exaustão, emocional e estética , por tudo o que vira.
PS. a primeira foto é das marionetes da abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim , a reprodução de um guerreiro com um criança de um mundo novo e diferente.