sexta-feira, maio 28, 2010

O primeiro vôo nunca se esquece...




















Como a China é um país com grande extensão territorial, fizemos a maioria dos trechos internos em avião. Foram vôos normais, com exceção do vôo Xian / Guilin.
Nosso embarque foi tranqüilo. Depois que estávamos acomodados, entraram, rindo e falando bem alto, mais ou menos vinte chineses, homens e mulheres. O comportamento evidenciava a euforia de quem viaja em grupo e pela primeira vez.
Eu ocupava o acento do meio, Ronald ia à janela e , até então, sobrava o lugar do corredor. Nesse lugar , sentou um senhor do barulhento grupo. Não quero comentar sobre o cheiro dele! Meu comentário restringe-se à ajuda que lhe dei para pôr o cinto de segurança e, a seguir, como fechava e abria o cinto todo o tempo e , às vezes, atrapalhava-se, puxava o meu braço e mostrava-me o cinto que devia ser aberto ou fechado.
No assento seguinte, mas do outro lado do corredor, uma moça começou a vomitar logo que o avião decolou. Correram amigos para visitá-la!
Eles falaram e riram alto o tempo todo. Iam do início ao fim do avião para conversar com os poucos companheiros que permaneciam sentados. Tiravam fotos. Muitas fotos – individuais, em dupla, em grupo! E faziam poses cinematográficas. Corriam com frequência. Só estiveram sentados na hora em que o lanche foi servido. Eu não consegui comer meu lanche – claro que o vizinho traçou o lanche dele e o meu.
O momento mais incrivel, entretanto, veio com a turbulência. Eles se levantaram, correram, deram pulinhos se equilibrando, brincaram...não deram a mínima atenção aos avisos de sentar e colocar o cinto. Foi o maior festerê que eu vi num avião.
As comissárias conseguiram acomodá-los para o pouso. A partir daí, eles ficaram bem quietinhos, esperaram os demais passageiros descerem e só então desceram.... desceram e recomeçaram a festa.