quarta-feira, janeiro 20, 2010

Passeio nostálgico





















Fomos hoje ao Morro dos Conventos e às Furnas de Sombrio, em Santa Catarina. Durante muitos anos, fizemos esse passeio com as crianças. Antes disso, quando o Patati era bebê, passamos um verão no Morro. Foi um tempo muito bom. Alugamos uma casa cujo "quintal"era o mar. Muitas vezes fomos nadar em noite enluarada. Tivemos, naquele ano, a companhia de pessoas fantásticas, como Gládys e Oscar Paim, casados há pouco tempo. Eles alugavam um apartamento perto de nossa casa. Gaby e eu sempre fomos muito amigas e fazíamos muitas coisas juntas, incluindo docinhos decorados para os aniversários. Hospedamos, como sempre fazíamos, uma meninada - sobrinhos,amigos e filhos de amigos. 





















Lembro-me de que Antônio Augusto - que ainda hoje eu o chamo de Toniquinho - ficou um tempo conosco. Era um menino danado, mas muito querido e meu protegido - sempre gostei muito dele. Frequentemente, ele corria para perto de mim para que eu o defendesse do Mile que ameaçava dar -lhe uns "cascudos" por alguma travessura que ele aprontara. Em todas as minhas férias, eu selecionava - e seleciono ainda - algo para estudar. Naquele ano, estudei o Parnasianismo na Literatura Brasileira. Ainda tenho as anotações feitas sobre esse tema. Vi hoje o lugar onde era a nossa casa, substituída agora por um edifício.





















Nas Furnas de Sombrio, quando chegamos hoje, eu lembrei até do gosto do café que se tomava ali. Era um lugar de beleza agreste. Fiquei triste, entretanto, quando vi o local visualmente poluído, por escritos nas pedras, por figuras religiosas as mais diversas e por muitas velas acesas. Ironicamente, um cartaz apregoa: Proteja o meio ambiente.
Estivemos no Morro do Farol e, em certo momento, senti uma saudade profunda e dolorida de minhas crianças. Sorte que Pedro e Fabianinha estavam comigo.
A paisagem continua linda. Morro, dunas, escarpas, rio e mar estão lá a evocar-me lembranças de momentos e de histórias realmente inesquecíveis.