quarta-feira, setembro 30, 2009

Lá vamos nós...



Estamos no Aeroporto Regional de Bloomington - Illinois. Depois Atlanta/Rio/Porto Alegre/família/casa. Ronald e eu estamos felizes com esta viagem e estamos carregando uma bagagem “grandinha”, plena de valores afetivos. Cuidamos o peso de cada mala para que não ultrapassassem os 50 pounds permitidos por unidade - duas unidades por pessoa. Assim, não pagamos excesso. Estive em lojas fantásticas pela variedade, qualidade e preço. Presentes de Natal solucionados!
Depois do check in , almoçamos, num típico restaurante americano, com Daniel e Lora, pais adotivos de Ron. Gosto muito deles - e eles, de mim. De Paxton a Blomington, são 80 km. Daniel não dirige mais, mas vieram nos trazer com Lora dirigindo. Impressionante como os velhos aqui são independentes e fazem sua rotina. Ontem, estacionou um carro ao meu lado na frente do correio, em Paxton. Desceu dele uma senhora que retirou do carro um andador e, segurando-se nele, entrou no prédio do correio, de onde saiu, minutos depois, carregando cartas e um pequeno pacote. Num posto de gasolina, vi uma senhora abastecer o carro, pagar, buscar pano e escova e limpar os vidros. Sozinha, claro! Sem exagero, essas duas mulheres deviam ter maioridade quando eu nasci. Quero muito ser assim. Muitos velhos, velhos mesmo, nas cidades pequenas e nas fazendas.

Voltando às comidas, quero contar que comi “tudo” Comi sem remorso, sem culpa, sem restrições e com muitos gordos por perto. Senti a partilha! Estou voltando , depois de 45 dias, com dois quilos a mais. Pela primeira vez, não me sinto injustiçada. Engordei porque comi mesmo. Vem , agora, a” penitência”.
Lembrando dieta, aprendi , com Lora, a fazer uma sobremesa fantástica: maçã, com casca, cortada em pedaços fininhos, abacaxi, machimelo também em pedaços e iogurt ou creme de leite. Tanto pode ser com sal e acompanhar pratos com frango grelhado, como pode ser com adoçante ou açúcar e servida como sobremesa. Até passa por ligth.

Ficaremos seis meses no Brasil. Como sempre, saudades daqui, saudades de lá, saudades da Itália, saudades da Bahia, saudades de Roraima, saudades da Índia..e de tantos outros lugares. Será mesmo saudade essa lembrança boa de lugares fantásticos e esse desejo de revê-los?