quarta-feira, maio 27, 2009

Casamento em Paxton



Gosto de assistir a rituais em diferentes culturas. Casamentos, então, eu amo de paixão. É o meu ritual preferido. Sorte minha que fomos convidados para um casamento em Paxton, Illinois, no dia 23 deste mês,numa fazenda superbonita.


De Pana a Paxton, leva-se duas horas de carro. Paisagem linda. Plana. Terra preparada em alguns lugares. Muitas plantações em outros.


Quando chegamos no lugar indicado para estacionar, avistei , há uns trezentos metros, no meio de um campo plano e limpo, um espaço bem organizado, todo branco, com decorações nas cores verde e lilás e com cadeiras para umas cem pessoas.


Percebi , depois, que essas duas cores eram usadas em toda a festa, incluindo toalhas, pratos, copos, enfeites, doces e roupas das madrinhas - as duas com belos vestidos iguais! O verde era a cor escolhida pelo noivo; o lilás, escolhido pela noiva.


O tempo estava de chuva...eu rezava para que nao chovesse, pois o lugar era aberto. Lembrava-me do medo de fazer festas na Bela União e cair uma chuva imprevisível. Sorte de todos que não choveu até o final da festa.


Distribuiram-se roteiros aos convidados com a indicaçao de musicas, textos biblicos, nomes de padrinhos, avós e pais e , ainda, sequencia da cerimonia.


A cerimonia foi precedida da entrada solene dos familiares - avos paternos, avos maternos e pais. Depois as madrinhas, com seus buques de de flores. Por ultimo, duas criancas lindas que jogavam petalas de rosa no trajeto que a noiva devia fazer. O noivo entrou acompanhado dos dois padrinhos. A noiva entrou com o pai. Em todos os momentos, musicas de Johann Sebastian Back. Seleção comovente das músicas.


O ato religioso, muito semelhante ao ritual catolico, foi oficiado por um Pastor da Christian Church, igreja dos noivos e da maioria dos convidados. Os cumprimentos aos recém-casados foram feitos organizadamente, a partir da primeira fila, onde estavam os parentes com mais idade. Quando foram cumprimentados pela ultima fila de convidados , eles sairam pela entrada principal, onde todos os convidados os esperavam , cada um com dois baloes, um verde e outro lilas, que, soltos, formaram um belo conjunto, voando pelo espaco.


Na frente da fazenda, sob um toldo branco, as mesas onde foi servido o jantar - `as 18h ! Uma variedade grande carnes e varias saladas de maionese, faziam-me lembrar o Rio Grande do Sul. Havia também salsichas e hamburgs de diferentes tipos. Comi um pouquinho de cada uma dessas variedades para conhecer a cultura alimentar local. Experimentei tudo. Os doces e o bolo dos noivos eram brancos , enfeitados com verde e lilas, muito diferentes dos doces do Brasil. Deixei passar.


Por ser a única desconhecida e porque Ronald é muito querido pelas pessoas de Paxton, eu recebi, o tempo todo, olhares e gentilezas - muitas gentilezas mesmo.


Nas mesas, havia pacotes de confeitos de chocolates - cobertos com as cores verde e lilás - é claro! e pacotes de sementes de flor , como lembranças para os convidados. Os rótulos das garrafas de água mineral traziam a assinatura visual ( lembrei-me da Fabianinha, a designer da familia) dos noivos e muitos textos amorosos e biblicos.


Eu gostei mesmo foi das sementes de flores - flores do campo, como convem a um casamento de fazenda. Levarei para plantar na Bela União os pacotes meu e de Ronald.


Impressionou-me a simplicidade e a fineza da cerimonia e da recepcao. Impressionou-me, mais ainda, a acolhida que tive das pessoas. Gente é como a gente, nao importa muito a lingua, a cultura, o lugar do Planeta.