quarta-feira, março 18, 2009

Nostalgia


Agra
Quando morrem pessoas da nossa geração, morre também um pouco da nossa prepotência, do excesso de importância que a gente se dá. A vida não pode ser levada a sério, quando pode terminar assim, sem aviso prévio, a qualquer momento, sem levar em conta projetos e sonhos. Tenho pensado na relevância que, historicamente, foi dada aos profetas de todo tipo. Medo do futuro, sempre tão misterioso. Necessidade de desvendá-lo antes da hora.
É difícil aceitar o imprevisível. E previsível mesmo só este exato momento.

"Vão breves passando
Os dias que tenho.
Depois de passarem
Já não os apanho."

Fernando Pessoa-1931