quinta-feira, fevereiro 26, 2009

2009/1 Egito e Israel





















"O limite da minha linguagem significa o limite do meu mundo."

Estudei Ludwig Wittgenstein, nos anos 70, quando eu fazia Mestrado em Linguística, na PUC/RS. Incorporei que somos do tamanho da nossa linguagem e que a expandimos ao expandir nosso mundo com novas experiências e vivências. Egito e Israel, principalmente, nesta viagem 2009/1, ampliaram minha linguagem, por ampliar minhas fronteiras de mundo. 






















A região é complexa, e a origem de seus problemas remetem ao Antigo Testamento. Dá vontade de vir para casa e ficar muito tempo mais estudando, conhecendo, pensando. Foram 26 dias muito intensos, mas bastante tranquilos. Ainda bem que vim, mesmo contra a vontade de muitas pessoas. Até o Pedro, com seus 9 anos de idade, pedia que eu "não me arriscasse" vindo aqui. Um dia, ele entrou no meu quarto, com a carinha assustada, dizendo: "Esses acordos de paz entre Israel e Palestina são um engodo! Tu vais lá de teimosa."






















Mas foi tudo bem. O único perigo real que corri foi com o motorista da Van que nos trouxe ( éramos 9 pessoas) do Cairo à fronteira com Israel. Por uma estrada simples, sem acostamento, entre as montanhas do Deserto do Sinai, ele mantinha uma velocidade de 150 / 180 km/h. Desta vez , eu não trouxe o notebook. Faço anotações na minha agenda. Já fiz cerca de mil fotos. Meus netos não vão ficar sem saber desta viagem, que foi realmente fantástica.