quarta-feira, novembro 05, 2008

Notícias

Amanheci assim...recordando um poema que, na minha adolescência , em Rosário do Sul, era um charme discutir a autoria e a essência dele. Deve ser do tempo da minha varicela, cujo vírus voltou agora e me trouxe esta dor tão doída e constante.
" Estou doente,
doente dos olhos, da boca, dos nervos até.
Dos olhos que viram mulheres perfeitas,
da boca que disse poemas em brasa,
dos nervos manchados de fumo e café.
Estive doente,
estou em repouso,
não posso escrever.
Eu quero um punhado de estrelas maduras.
Eu quero a doçura do verbo viver."