sexta-feira, dezembro 14, 2007

Brasil / Uruguai : "Fronteira da Paz"


Uma diversão, para quem vive na região da Campanha, é ir a Livramento/Rivera, cidades divididas por uma avenida e com uma linha divisória que possibilita fazer-se uma fotografia com um pé em cada País. Literalmente.

Chego cedo e tomo café na Confeitaria City, onde, quando criança, pela primeira vez, vi encantada uma vitrine cheia de doces. A City trocou de lugar faz pouco tempo, mas continua com muitos doces em exposição.

Almoço no Restaurante do Hotel Brasil /Uruguai, onde Luisinho, meu irmão uruguaio, jurava que o garçon principal tinha mais de 50 anos de trabalho naquele hotel, reconhecendo clientes e sabendo o que costumavam pedir. Para nossa amiga Raquel, antes de qualquer pedido, trazia seu uísque preferido - e sem gelo.

Sou fascinada por fronteiras. Estudei-as, do ponto de vista lingüístico e educativo, durante 20 anos. Mas essa "Fronteira da Paz", como é conhecida , é muito especial para mim. Recorda-me as roupas novas de inverno. Recorda-me os alfajores, o doce-de-leite, o queijo, os caramelos - tudo com gosto de infância. Recorda-me as discussões acadêmicas, o dialeto de brasileiros e uruguaios, o encontro com amigos, grandes amigos, como Luís Behares, Raquel , Susana, Adolfo, Beatriz, Guillermo...Recorda-me os amigos de diferentes cidades que, por acaso , sempre encontramos ali.

Ontem estive em Rivera. O mesmo café, o mesmo restaurante, as mesmas compras. Os encontros também: minha irmã, meu cunhado e uma amiga, vindos de Bagé; um casal de Santa Maria, pessoas muito queridas.
Comprei coisinhas para Natal e Ano Novo e coisinhas para o veraneio. Comprei uma webcam, com que fiz a foto acima ( eu com cara de sono). Rivera é o lugar onde classe média vai às compras é bem divertido...Havia muita gente nas ruas e nas lojas - e , em final de semana, é bem mais. Formam-se filas nas ruas e nas lojas.

O dólar, a menos de dois reais, torna os preços favoráveis para os brasileiros. Voltei superfeliz. Acrescente-se , ainda, que meu gosto por viagens não implica tamanho de cidade ou distância: importa-me estar em movimento. Sempre.
Postar um comentário