sábado, junho 23, 2007

Sobre diferencas











Convivo bem com diferencas e aprendo muito com elas. Pudera! Trabalhei toda a vida com isso. As diferencas mencionadas a seguir sao pequenas , ja que existem outras bem maiores e mais profundas. Eu as relato por acha- las interessantes e por fazerem parte do meu cotidiano na India.

Fiz uma dessas fotografias no hotel de Vashich, um otimo hotel. O banheiro era ocidental, mas tinha tambem essas tres pecas fundamentais para o banho - o balde onde se tempera a agua misturando quente e fria, o copo com que se vira a agua da cabeca aos pes e esse maravilhoso banquinho, com uns dez centimetros de altura. Eh muito comodo tomar banho sentada nele, com as pernas cruzadas... pode se massagear longamente os pes sem perigo de cair e, ainda, depois de lavar- se com sabonete, passar oleo perfumado em todo o corpo.
Observei esse ritual do banho em rios sagrados , como o Ganges, e em tanques de templos. Banho longo, prazeroso e diario, normalmente muito cedo, ao amanhecer...Nao um banho longo para durar...como queria me fazer crer meu sobrinho Fernando quando era pequeno!

Surpreendi-me com o tamanho da vassoura. Nos hoteis e casas onde me hospedei, sempre era um menino a fazer a limpeza e, na hora de varrer, encantava a habilidade com que varriam, movendo - se pelo piso e utilizando essa vassoura que mais parecia uma escova comprida. 

Amei ver esses dois meios de transporte e locomocao: o elefante e o camelo. Para transporte de cargas, principalmente nas montanhas, vi tambem muitas manadas de burrinhos, transportando cargas atravessadas nos seus lombos e sendo eles tocados por um homem.... que naturalmente ia a peh, igual como eu via na Chapada Diamantina , na Bahia, mas diferente do Sul do Brasil.

Em tres hoteis em que me hospedei, fui surpeendida por esse cadeado na porta. A gente o coloca e leva a chave. O pessoal da limpeza soh entra no apartamento com a autorizacao do hospede. Procurei sempre me hospedar em hoteis locais ou regionais, evitando, assim, os hoteis pertencentes a redes internacionais, que se encontram em qualquer pais e que nao tem nenhuma particularidade ou originalidade. 

Em Bangalore, Gugu e eu estamos hospedados num apartamento, cuja proprietaria, alem de muito gentil e disponivel, eh socia do Clube , heranca inglesa , e pode autorizar a nossa entrada lah como visitantes. Ela se chama Renu. Muito ineligente, desenvolveu o conceito de sua casa longe de casa...e hoje tem hospedes do mundo inteiro ( www.cozyhomestead.com ).

Em Mumbay, estivemos tambem no Clube, porque os pais da Krithika, esposa do Fabricio, sao socios e nos apresentaram...Existe uma rigorosa selecao de quem pode ser socio do Clube e um controle rigoroso de quem entra em suas dependencias...o que me lembrou o tempo da minha adolescencia... Clube Comercial, Clube Cassino....Clube de pobre, Clube de rico...

O transporte na cidade eh muito particular. Nos riquixas, a negociacao do preco eh  feita habitualmente antes da partida. Em Bangalore, existe soh o auto riquixa...com motor e nao com bicicleta. Tem ateh taximetro... soh que a negociacao tambem se deve dar antes da partida - em geral, sem taximetro e por um preco maior... Gugu, como estah aqui ha quase um ano, costuma estabelecer grandes discussoes por 50 ou 20 centavos... Ele nao gosta quando eu devia pagar UM dolar por uma corrida e eu pago Um e CINQUENTA! Hoje , chamamos 12 riquixas e nenhum quis nos levar ... nunca se sabe o porque da negativa... se o motorista jah ganhou o suficiente, se ele nao gosta da regiao para onde se vai...Finalmene apareceu um que concordou em nos transportar por um dolar / 40 rupias! no taximetro, seriam 20! 

Uma diferenca pesada encontro - a na alimentacao. Literalmente, jah chorei muito ao colocar uma porcao de comida na boca...guizadinho de pimenta, pimenta da braba! Um dia, me servi do que pensei ser um  molho de tomate...era molho sim, mas de pimenta! Tomei um copo de iogurte imediatamente. O pao, que sempre faz parte das refeicoes, abranda um pouco o tempero.Tambem essa eh a funcao do iogurte que aparece muito em saladas. O problema para mim eh que as vezes o pao eh apimentado. Nao tive, entretanto, nenhum problema de estomago. Reforcei minha intuicao de que pimenta eh remedio, como me diziam alguns amigos indios, e que na Bahia a pimenta eh apenas um cheirinho! Na foto, o prato do Gugu, com feijao, arroz com lentilhas, chapati ( pao semelhante a massa de panqueca), vegetais, salada com iogurte e um doce  delicioso, feito com lentilha torrada e moida e manteiga purificada (ghee).Eu preferi tomar um cafe com Masala Dosa - uma massa gostosissima, recheada com vegetais, parecendo um pastel gigante. Em Alegrete, existe a expressao pesa que nem pastel de batata... pois Masala Dosa me parece mesmo isso: um pastel de batata, muito pesado.

Aprendo muito a cada dia e aumento minha conviccao de que se precisa de muitos anos para conhecer realmente a India. Na proxima semana, devo viajar para a Europa. Eh possivel que, depois dessas vivencias na India, eu enxergue a Europa - e ateh a minha casa - com outros olhos. Jah relacionei o que pretendo ver e rever um dia, na India. Quero fazer uma longa e minuciosa viagem pelo Rajistao. Quero ir a Cashimira. Quero ir a Ladak. Quero mesmo....voltar aqui!